terça-feira, 5 de maio de 2009

Harry Potter e eu

Fiz a maratona Harry Potter feliz da vida. Li os três últimos na seqüência, sem parar e foi muito bom.
Invadia as madrugadas com o livro nas mãos e muitas vezes ( agora eu vou confessar) com meu novo "oclinho" para leitura. É...to ficando véia mesmo. Mas o que era de se esperar? Ler sem descanso por quatro, cinco, seis horas faz com que os olhos fiquem meio estressados. Comprei em uma farmácia e acho ele um charme. Me sinto charmosamente véia quando coloco ele sobre o nariz.
Bem, ainda não pinto os cabelos e isso já é um consolo.
Já outras pessoas que não posso dizer o nome porque pode me lançar uma maldição Rabusfurunculóiduns não estão mais vendo porra nenhuma. Preocupante.
Deitadinha eternamente no leito esplendido do meu sofá, vejo um baratossauro rex mutante saindo de baixo do baú que serve de mesa de centro. Muito rápido olho em volta e não vejo nenhum gato pra eu mandar pegar o bicho mutante. Éramos só nós mesmo. Muito agilmente berro e mostro a barata que corria, toda serelepe em direção a porta da saída.
- Ai, caralhooooooooooo!
-O que foi? - me responde aquele ser que quem conhece sabe quem é.
-Cacete, uma barata do tamanho de um camundongo correndo para a porta!
Com um salto ágil de um bicho-preguiça, levanta e pergunta a menos de dez centrímetros da bicha repugnante:
-Onde? Onde?
-No seu pé, do lado de seu pé! - eu estava corajosamente dando as instruções porque estava desprevinida, sem calçados e vocês sabem que eu não tenho medo de barata, eu mato mesmo, mas descalça fica mais difícil e tendo uma pessoa calçada...
Vi um par de tênis ficar pisando a esmo, em vão, a barata rindo escandalosamente. Não era possível! Estava do lado da barata!
-Mata a porra da barata!!!
Me olhando com aqueles olhinhos cegos, me diz com cara de cachorro que fez xixi no tapete:
-Ela fugiu por debaixo da porta. Eu não vi...
Impressionante!
Uma barata que devia ter uns dez centímetros! Mentira, exagero meu, uns oito centímetros e (eu tenho quase certeza disso, usava um cachecol vermelho porque a noite estava fria) que ainda rebolava conseguiu fugir por debaixo da porta porque alguém que eu não posso dizer o nome não viu.
Como não viu?
Porque está cegueta como uma porta.
E porque está cegueta como uma porta (além da avançada idade)?
PORQUE A TAL PESSOA QUE EU NÃO POSSO DIZER O NOME NÃO ACREDITA EM EXAMES!
Diz que exames trazem doenças. É só fazer um que, cataplan, lá vem uma doencinha.
A nossa sorte é que a barata era burra. Devia ser uma assassina porque voltou à cena do crime e desta vez foi rechaçada pelo gato preto chamado Preto que avisou a sua volta e assim, com a ajuda de um gatão imenso que ficava dando tapinhas carinhosos na baratossaura rex ( plus, porque era imensa!), aquele ser que não deve ser nomeado conseguiu ver, finalmente, a barata e pisou nela, cheia de nojinho e depois ficou lá, limpando a sola do sapato com cara de vômito.
Então eu acho que eu estou ótima, tô super bem, tô vendo baratas ainda. Porque nos instante que eu não conseguir mais ver uma barata, meu filho, nessa hora eu corro pra UM OFTAMOLOGISTA e peço um transplante de córnea.


PS: esse excesso de leitura prejudicou meus olhinhos. A tela anda mais embaçada que o normal...
Viu só? Foi eu só mexer com Você-Sabe-Quem já sinto as consequências. Me amaldiçoou...merda...

2 comentários:

Ju Hilal disse...

Fica tranquila que esse embaçamento deve ser verme.
Toma um vermífugo e come umas sementes de abóbora que passa.
Você-sabe-quem não faria nada contra você, ela conhece os seus poderes magnânimos.
rs
Beijo

Morena disse...

Voce observou, aquela que não se pode dizer o nome, trabalhando no computador? Qualquer dia terá uma fratura exposta de nariz! rsrsrsrs