segunda-feira, 20 de novembro de 2006

Entrevista com Sonekka


Eu conheci este moço em uma lista de música na internet, o M-Musica. Cheguei lá meio cabreira, pisando leve e falei do vale-cd, aquele que estava vendendo para arrecadar fundos para a prensagem oficial. Ele foi a primeira pessoa que disse: eu quero!
E assim, através da música, começou essa amizade.
Nunca o vi. Não sei se tem cheiro de flor ou de peixe. Se fala cuspindo, se abre portas para as moças, se é vesgo, não sei nada dele. Me disse uma vez que eu era ele de saias, quase uma versão feminina. Não sei se ele tem razão. E não estou nem aí.
Ele se chama Osmar Lazarini, mas eu só tenho contato com um tal de Sonekka, o músico delirante, o alter-ego do tal do Osmar. Esse, então, ainda mais desconhecido.
Sei que teve idéias ótimas como fazer um show, dar um cdzinho virgem para a galera e no outro dia disponibilizar todo o show gravado para baixar pela internet. Não é uma idéia bárbara? Tem música gravada por muita gente, tá metido em um monte de projetos.
Vale à pena dar uma ouvida no cara e conhecer o site dele que é meio site, meio blog. Assim como ele, que é meio um monte de coisas.
Vamos ao homem, então.


Por que Sonekka?

Em primeiro lugar, esses dois k não são de numerologia, são de tecnologia. Explico mais na frente.
Soneca é apelido de tenra infância, quando eu tinha uns 7 anos de idade, morava em tabatinga-SP, minúscula cidade do interiro, eu ia pra escola e passava em frente a uma sapataria cujo sapateiro de lindo apelido também - Racha Lenha - me chamava de Soneca pelas manhãs que subia a ladeira bocejando.
Aí é que acontece com todo apelido: um ouve que fala pra outro, que conta pra outros, que vaza na escola. O fato é que de lá até os dias de hoje, nem tentando eu consegui me livrar do apelido, e quer saber? Eu gosto, é tão fácil que é difícil esquecer.
Os dois k vieram bem depois, em 96 ao começar desenvolver trabalhos artísticos pela internet me deparei com muito Soneca dos 7 anões, Soneca gato, periquito, cachorro e até uma loja de colchões com nome de Soneka! não tive dúvidas, tasquei dois k só pra ver se apareceria um clone, bem porque eu tava mandando umas musicas pra Finlândia e lá é muito comum o nome Pekka ( Pedro). Resumindo, foi viajem.
Porque tecnologia? Experimente digitar Sonekka com dois k no Google.Aparece tudo eu!!!!Funciona!!!
Mas teve quem rejeitasse Sonekka como nome artístico que pudesse levar a algum lugar.
Nem ligo.

Qual é tua relação hoje com a música? Vive disso?
Vivo por isso. Tô vivo porque existe música mas quem paga as contas é o Osmar Lazarini, engenheiro praticante de análises complexa numa conceituada revista de tecnologia. Se eu largaria tudo pra viver de música? Baseado nos que conheci e que fizeram isso: - não :)

Por que você compõe?

Necessidade física de fazer canção.
Desde cedíssimo tive fascinação pelos que FAZEM as canções. Desde quando comecei aprender tocar. Sabe quando a gente ouve aquela música que fala exatamente o que a gente queria dizer e do jeitinho que a gente gostaria de tocar e a gente chooooora!!??? Você não tem isso? Eu tenho. Isso se chama frustração. A frustração de não ter sido o autor daquilo. E frustração só tem uma cura.Faça!! Faça pior ou diferente, mas faça. Por isso eu faço. Pra não chorar mais cada vez que ouvir uma música que fale o que eu quero dizer, meus letristas dizem ( ou eu mesmo digo) e eu musico, aí choro de prazer.

Você tem uma coisinha meio pop, meio mpb. Como é que surgiu esta mistureba? Quem você ouviu para te influenciar?
Pois é, já pensei nisso e não sei se tenho alguma conclusão.Tive uma formação totalmente MPB. Já gostei até de Bossa Nova - pra você ver que tudo tem cura – ( risos) Fui até tocador na noite.
Aí quando comecei compor, dei de cara com minha limitação técnica em criar as complexidades, e vi essa limitação em muito compositor mpbista. Aí saquei que eles viviam de clonagens de músicas conhecidas e resolvi compor por intuição mesmo e nunca pra agradar tribos disso ou daquilo.
Chega de Clube da Esquina 2,3,4,5...100...infinitos, né? Chega de Caetanos de ocasião, prefira o original.
Já rolou em mim uma ânsia em ser reconhecido e respeitado por mpbistas e festivaleiros mas passou. A gente vai mudando.
Eu componho em todos estilos, mas pra tocar e gravar eu prefiro o Pop-Mpb - O pop porque é mais gostoso de tocar e a MPB porque "tem assunto". Aí fiquei um sujeito mesclado.
Minhas influências do panteão de imortais que a MPB cultua foram totalmente descartáveis. Minhas canções que tem algum valor vieram da influência de independentes e compositores que passei a conviver nos últimos dez anos, sobretudo os do Caiubi e M-Música.

Eu vejo em você uma falta de vergonha, um despudor, quando canta algumas das suas músicas. Só você mesmo pra musicar uma letra escrota como aquela que eu mandei. Você se acha um músico sério?
Você achou escrota aquela letra?? Eu achei genial! Eu sou um compositor que tem um projeto em mente. Ser compositor respeitado ( pelo menos requisitado) aos 50 anos de idade.
Pra isso precisa muito treino, muito bom senso, muita pedrada. Eu não tenho respeito por autores idólotras, clones, capachos de outros compositores patetas.
Eu sou tão sério quanto livre. Essa liberdade me leva a compor sobre qualquer assunto. Se me chega uma letra com "cu, pinto, caralho, buceta" e o contexto todo da letra pede isso, que fale de uma forma absolutamente original, ela será musicada e mostrada.
Como a sua letra que dizia quanto sacrifício real e sincero uma mulher faz pra ficar bonita e desejada.Pô! Quer mais originalidade que a sinceridade?

(foi essa letra:
Doeu meu bem, doeu? Agora você sabe o sacrifício, a dor profunda, depilar virilhas, enrijecer a bunda pra te fazer feliz , pra me fazer gostosa, é você quem diz...Perdeu, querido? Nem chega aos pés do tempo perdido, salões cruéis, puxando cabelo, assando miolos, cutículas sangrando, olhos chorando, mil tinturas, mil torturas, pra você me ver perfeita, a musa eleita. Sangrou, doçura? Marcou? Você não sabe o esforço , pintar olhos sem cegar, entrar no jeans e respirar. E o peito dentro do sutiã meia taça? Vacilou, escapuliu ,acabou a graça, ficou assim, um tanto estrábico. E os cremes, potes e potes, eterno hábito, manter a elegância em saltos agulha para fazer acesa a fagulha da paixão. Ah..coração... nenhum sofrimento que te causei é maior que a dor que eu mesma senti ,só por Deus, como eu sofri. Arrancando, um a um, cada pêlo de sobrancelha depilando, alisando escondendo as marcas da minha humanidade, atrasando a idade, como fui ingênua, me arrumando toda e agora quando chora tuas dores ,linda, te digo: meu amor..que se fôda!)



O que que você acha daquelas músicas que fogem dos 3/4, 4/4. Já fez alguma canção em cinco por oito? Sete por oito, nove e meio por oito?
Acho chato pra caralho. Já tentei. Até sai, mas fica impopular, pedante.
Faria de gozação. Detesto metamúsicos, compositores que fazem música pra agradar músico. Eu faço música de agradar platéia e considero as limitações da platéia. Eles têm ouvidos treinados em estéticas simples, precisam ser conquistados pelo coração.
Como me disse o compositor Alexandre Lemos e achei genial "Música não é teste psicotécnico". A platéia não tem que ficar analisando diabruras musicais, tem que sentir e gostar. É como uma foda bem dada, não precisa de Kamasutra.

Falando nisso. Quem te dá tesão, quando você escuta?
Tatiana Rocha!
Mas tem também Luhli, Celso Viáfora, Kleber Albuquerque, Zélia Duncan.. intérpretes como o Ney Matogrosso. Billy Holiday, Nina Simone... Porra! Tenho tanto tesão!

(Comentário no pé do ouvido:
Acho que Sonekka não é de fazer média. Agradeço seu tesão musical. Aliás, se eu não me engano, esse foi o seu comentário quando ouviu o trabalho. Na época não sabia se ele era um tarado ou um metafórico.
Mas é sempre bom ouvir estas coisas.
PS: não sei porque eu fico aqui me explicando. Acho que fico constrangida e tasco a falar. Se pudessem me ouvir, eu estaria rindo a minha risada nervosa! Né, Fernanda?)

Me fale um pouco do Clube Caiubi. Como é que você foi parar lá?
Acidente de internet. Freqüentando listas. Numa extinta que se chamava RSMB o Ricardo Soares, outro compositor, me convidou. Apareci lá, achei que a turma era boa pra se beber junto e fui ficando.
Tem uma magia no Caiubi que me fascina, to desde o começo e é enorme a quantidade de compositores que foram , não se adequaram e foram saindo de fininho. Não posso te afirmar que os que ficam são os bam bam bans da composição, mas reunem muitas das características de talento, paciência, humildade, crueza e abertura que o ofício exige. Ainda que não seja excelente, é um lugar de excelentes. Troca-se muita informação útil, muita parceria, muito sonho.

( Informações adicionais:
O Clube Caiubi é um encontro de compositores. O cara chega, sobe no palco e toca as suas músicas. É terminantemente proibido tocar o que não for autoral. Ouvi até dizer que já chegaram a desligar o som quando alguém resolveu tocar Chão de Giz. Não sei se é verdade, se é uma lenda urbana. Mas eu gosto de acreditar nesta história)

Você já recusou uma trepada só para terminar aquela música que estava encruada?
De verdade? Já! Ridículo isso, mas já.

( Daria tudo para ver a cena:

Sonekka sentado na cama, violão nos braços, papéis amassados espalhados pelo quarto, gravadorzinho de mão, o cigarro queima lentamente no cinzeiro ( não sei se o Sonekka fuma, mas na minha historinha ele fuma Marlboro vermelho, mas só tinmha Hollywood e ele fuma com mau humor. Mas fuma). Uma bituca de cigarro apagada dentro da xícara de café. Todo descabelado. Meio puto, meio de saco cheio, mas a fim de acabar a tal canção.Uma mulher chega por trás e começa a beijar o pescoço.

Não, não, me larga, tô perdendo o fio da meada aqui! Me solta, mulher , que eu to indo para a parte B, a parte B que tá difícil, essa porra de parte B dos infernos que eu não consigo achar a hamonia certa. Ô bosta, viu? Mulher, não me distrai, criatura! Tira a mão daí, pô, assim tá foda mesmo! Ai, cacete, posso levar o gravador e ficar cantarolando, só para registro???Não? Eita, então acho que não vai rolar. Larga, laaaarga que aí faz cócegas!!! Mas que putaquepariu que o povo não entende o processo criativo! Vou me trancar no banheiro e ai de quem me perturbar.

Joga a mulher para lá, ela cai descabelada, com queixo trêmulo e berrando, enquanto ele leva o violão, os papéis e o cigarro para o banheiro, pisando duro e levantando as calças:
- Eu vou dar pro porteiro, seu viado, filho da puta! Eu vou dar pro seu irmão! Você vai ver só!E essa música tá uma merda! Parece plágio do Tunai!

Não seria o máximo isso? Bem mexicano, né?)

Um disco que marcou a tua vida.
Chico Buarque ao vivo no Le Zenith, acho que foi campeão de audições!

Chico, sempre o Chico. E aí? Tu comia?
Ele tá velhinho. Respeito os idosos. Tomaria um fogão com ele, diria que ele é meu amigo pra caralho mas comer não. Até as filhas já estão precisando de uns três whiskies pra gente encarar, imagine o velhinho? Tadinho.

Quem tu comia, então?
No mundo das famosas? Não cabem na entrevista. Mas começaria pelas que fossem com a minha cara.

Você espera fazer sucesso como músico?
Sucesso é tão relativo. Encher as burras de grana com música é que nem jogar na mega-sena, a gente ta sempre achando que ta perto.
Eu e o Zé Edu Camargo, parceirim, vivemos dizendo: - Desse ano não passa! A coisa tá esquentando. Todo ano, religiosamente há anos!
Queria ou não a gente ta sempre fazendo algum sucesso.
Há que separar sucesso e "fama, grana". Há muito sucesso contido em fazer boas canções, tem muito brilho em platéias pequenas.
Fazer da música a minha profissão está apenas no campo dos planos futuros.

Já que você puxou esse assunto, parceios, me fale de alguns parceiros teus e o que eles tem de especial para você querer compor com eles.
Zé Edu Camargo - tenho muita música com ele. É um camaradaço, um gênio, tem sensibilidade, rapidez, simplicidade e lirismo que só os muito sábios tem. É desses que a gente conhece na vida e nunca mais quer sair de perto.
Ricardo Soares - Tenho poucas músicas com ele mas a pegada pop-rock com assunto dele é invejável.
Gilvandro Filho - Tem muito a dizer, não impõe barreiras no que escreve, tem verve
Leo Nogueira - Outro arsenal de assuntos
Elder Braga - é o mais doido na escrita e tem uma peça básica que me leva a fazer música com ele: gosta de todas!
Aliás esse é um ingrediente fundamental pra engatar várias parcerias comigo, gostou das primeiras, vai sair um balaio cada vez mais legal.
Tenho muitos parcerios mas esses são mais freqüentes, talvez porque são caras que produzem muito material. Outros que volta e meia faço algumas coisas e gosto muito são o Ricardo Moreira, Fernando Cavallieri, Alexandre Lemos, Luhli, Carlos Machado, Caíto Spina, Sérgio Napp, Zé Rodrix, Álvaro Cueva.Vixe, tem gente pracaraleo!


O melhor projeto de tua vida
O próximo.

O pior fracasso
Não ter acreditado antes. Podia sim ter estudado direito um instrumento, ter feito um facu relacionada. Desde cedíssimo eu sou ligadaço em música, em compor.Faltou pica pra enfrentar as barreiras naturais, rolou auto-flagelo. Precoceito de si mesmo. Fui bundão.

Falando em bundão.Você já fez suruba?
Faz tempo, mas já. E foi daóra!

Faria, hoje, uma outra suruba?
Agora eu sou um pai de família, né? Diríamos que adoro festa.

( Tá aí, gente. Se Sonekka convidar para uma festinha, levem, por garantia, um par. E encostem na parede!)

Quantas músicas você tem? Tem vergonha de mostrar algumas que você acha muito ruim? Eu tenho algumas que nem sob tortura mostro.
Eu perdi as contas. Costumo dizer que são mais de 600. Mostráveis deve ter pelo menos 300.
Tem umas que nem sob tortura eu diria que são minhas. Tem muita coisa lamentável, mas peneirando, tem coisas ótimas pra valer.

Que parte do teu corpinho você mostra sem medo?
O pinto, coisa mais linda de pinto.

( Lembram do papo da festinha? Exibicionismo puro)

E qual é aquela parte que você sempre dá um jeito de esconder?
Aquela que a gente encolhe quando nos olham.

Metrossexual? Que porra é essa?
"Metro sexual" é um cara que está a um passo bem dado de dar a bunda. Isso deve dar um metro.

Três músicos que você colocaria na sua cozinha, tocando para você. E ainda pense no prato que seria preparado nesse dia.
Pô, pra me acompanhar nas minhas músicas? Tá facílimo!
O Fábio Schmidt(bateria), Nando Lee (violão), Ricardo Bocate (baixo).
São os melhores que eu conheço nas suas categorias, de quebra, conhecem, tocam e GOSTAM das minhas músicas! Maravilha!

Mas eu queria saber quem você gostaria de OUVIR em tua cozinha, tocando para você.
Essa é realmente muito difícil eu não me apego a nomes, me apego a canções.
Não sou de bajular os pop stars. Mas vou fazer um rango com o Celso Viáfora tocando as dele que eu quiser, o Kleber Albuquerque me cai bem, um gênio, nunca vi alguém fazer tanto com tão pouco e sair tão bom pra tocar, divertir, esquentar o assunto. E para dar pitaco no tempero eu chamaria o Zé Rodrix. Acho que eu faria um Buxixo, conhece?
Faça aí. Corte três cebolas grandes em rodelas largas e ponha no fundo de uma panela de pressão, coloque por cima 2 kg de costela sem osso e polvilhe com 3 caldos de carne. Não coloque nem água, nem invente temperos. Fecha , põe no fogo e quando pegar pressão conte 22 minutos e desligue. Arroz branco e batata palha e cerveja gelada. Duvido que não gostem! Comida de homem.
Se precisar de comidas elaboradas e demoradas e de agradar meninas eu faço muito bem também, mas essa costelas é de arrebentar.

( Danado ele. Canta, compõe, toca violão e ainda cozinha. Desleal isso)

Três músicos que se você pudesse você fazia engolir todas as notas musicais e enfiava a partitura no rabo ( deles, é claro).
Essa é fácil, não seria tão radical mas pediria pra ficar quietinhos: João Gilberto, Guinga e Arrigo Barnabé.

A música que não é tua mas você gostaria de ter feito.
(pensa....pensa....pensa...)Uma caralhada! Escolherei uma à esmo: A Rosa (Chico e Djavan)

(Chico, você está em todas. Ai, se eu te pego)

É difícil ter uma profissão careta e ainda ser um compositor?
Puta curtição! Uma traz a grana, o outro relaxa e toca!

Como é que consegue, trabalhando em horário normal, escrever tanto no M-Música? O que, nesta lista, de fascina assim?
Não tô escrevendo tanto mais, o tempo tem ficado apertado. Mas eu usava de companhia.Eu trabalho o dia todo no computador e escrevendo, escrevia umas janelinhas a mais. O que me fascinou ali foi a pluralidade de inteligências que havia ( e ainda há). Na música eu passei a "enxergar" direito o mundo da música. Eu gosto, é um povo diferente e tem em comum a paixão pela música. O único defeito são os mpbzeiros xiitas.

Quando vamos nos conhecer de verdade, olho no olho, violão com violão?
No dia que ambos estivermos preparados pra perceber que sempre nos conhecemos, faltava o reencontro.

Não é de matar uma coisas dessas!?
Quando esse reencontro acontecer, eu conto aqui.

16 comentários:

Nana disse...

Tatiana, Sonekka!
Delícia de entrevista! E olhe que eu sou chaaaaaaaaaaaata com essas coisas! Não raro páro no meio. Essa eu li e reli!
Sonekka, amo-te!
Tatiana, quero comprar o CD.
Sonekka e Tatiana: podem me mandar o mp3 da música que fizeram juntos?
Beijins,
Nana.

Alan disse...

Tatiana e Sonekka,
Estrevista dokaráleo!
:D
Também quero ouvir a musga. Mandem para mim ou para o NossoPlay!
Beijos

Gilvandro M disse...

E ainda me citou, o danado!! hehehehe Orgulho puro desse parceirinho!!
Bela entrevista, dessas que a gente não vê nos jornais, comumente. Também, quem manda eu ser jornalista e ficar acreditanto em jornais!!?? hehehehe
Arrasaram, os dois!
Beijos gerais,
Gil

PS.: Ah! Sonekka, me manda também essa mp3, caráleo!!

Anônimo disse...

Adicionei aos favoritos, a entrevista ficou muito sacana, quer dizer, bacana.. e sacana também, no melhor sentido da sacanagem... rsrsrsrsrsrs

Olha só, mais abaixo no site tem uma entrevista boa com o Daniel Chaudon, esse cara vem se aprimorando muito, vem se rebuscando e fugindo do lugar-comum, tem um link com ele cantando uma música dele (meus olhos) que ele canta com a Eliana Printes, ficou excelente. Estou ouvindo aqui direto, pirei na canção. Vale a pena. Sou doido pela Eliana, tem uma voz irresistível, acho que ela é amazonense. Quando saiu uma canção na voz dela numa das novelas das oito pensei que ela fosse estourar... Uma pena, saiu só com a regravação de uma música do Roberto (?) da Jovem Guarda ("de hoje em diante vou modificar o meu modo de vida..." a gravação dela pra essa canção é insuperável). Mas o cd dela é muito mais que isso, recomendo sem medo.

Tatiana está de parabéns, as entrevistas são interessantes, sacanas, picantes, mas sem perder o foco... Lembra as memoráveis entrevistas que eu lia na Interview e também na ELe Ela (ah, já fui adolescente e era fã dos relatos eróticos que vinham em formato de revistinha pequena encartado na revista grande : Fórum Ele Ela, aquilo era o bicho... hahahahaha).

Valeu Tatiana, vou continuar lendo o resto do blog, tem muita coisa interessante por lá. Chama o Chaudon pra M Música, o cara vai se enturmar por aqui e quem sabe fazer parcerias.

Beijos,

Veleiro

Tatiana disse...

Veleiro,
Minha proposta com essas entrevistas é fazer barulho. É mostrar que tem gente interessante. Não são somente artistas interessantes. São pessoas interessantes.
Não queria formalidade de entrevista. Queria um bate papo no botequim, umas cervajas na cabeça, gargalhada solta de vez em quando.
E o Sonekka soube entrar no espírito perfeitamente. Quem me conhece sabe do meu tipo de humor. Sonekka foi o par perfeito.
O Daniel é um tremendo de um cantor, está aqui em Campinas passando uns dias e a programação é fazer música.
Farei o convite formal.
Um abraço

Anônimo disse...

Tô nessa também Veleiro

Lembrei das entrevistas do Pasquim, foi a primeira coisa que li hoje e me senti inteligente hehehe


Pi Morais

Anônimo disse...

Oi Tatiana

Comecei a ler a entrevista com o Sonk e não parei mais...uma delicia!!!
Não sabia que participava do m Musica, é" um prazer e uma honra"..... rs

Pi Morais

Tatiana disse...

Gil,
Muito bom você por aqui, tanto citado pelo Sonekka, como aqui, nos camarins.
Um beijo

Tatiana disse...

Uma observação:
Alguns destes textos foram enviados para a lista do M-Musica .
E eu achei que seria interessante para os outros leitores, aqueles que não fazem parte da lista, darem uma olhada nisso.
Espero que não se incomodem.
Mas agora eu já fiz.

ahhh di boua! disse...

O Sonekka é um kra ímpar. Gente finissima.

Anônimo disse...

muito legal e entrevista e o blog!!!
bjs
Ricardo Schott

Anônimo disse...

GENIAL a entrevista!!!
:)))
Marisa Porto

Ritinha Carvalho disse...

Adorei!!!
Tô cada vez mais fã desse cara...
Beijinhossss
Ritinha

Anônimo disse...

Show de entrevista cara, parabéns pra vocês dois.

Grande abraço e muito sucesso.

Cassio Enrique Fioco

Ana disse...

Uma entrevista tão natural que a Tatiana acabou te desnudando e mostrando realmente quem você é! Um cara sensivel, musical, festeiro, você é pura magia!
Tatiana obrigada pela entrevista, Sonekka, obrigada por apresentar a Tatiana, que se for mesmo sua versão de saia é tudo de bom!
Beijo
Ana Paula

Taïs Reganelli disse...

Adorei! Quero trocar figurinhas. Quando vi a foto pensei "que cara de sono...".
Tabatinga, a praia?