quarta-feira, 22 de novembro de 2006

A cidade já se ilumina esperando o Natal.
Por que que isso me traz tanta melancolia?
Acho lindo, tantas luzes, tanta festa mas meu coração sempre mantém um espaço cinza no meio de tanta cor.
Natal é a festa mais triste do mundo.
Não consigo deixar de pensar nos que não tem nada. Mas tem , pelo menos, uma televisão ( ou vêem do vizinho, pelas vidraças, sei lá) e ficam vendo tantas propagandas, tanta gente feliz comendo, rasgando papéis de presente, aquela felicidade alva. Chega a ser maldade. Essa alegria toda beira a crueldade.
Quanto mais felicidade padronizada, mais triste eu fico.
Se eu pudesse, se eu fosse realmente uma mulher que faz, eu fazia alguma coisa. Pegava todos os meninos do mundo, sujinhos e descalços, colocava no colo, lavava seus rostos, botava sentado em uma mesa limpa e farta. Diria: comam, comam mais.
Dava abraços de presente de aniversário.
Dava o que falta para esse mundo.
Mas não tenho tanto assim. Nem tantos beijos, nem tanta fartura. Não tenho para suprir o que falta no mundo e meu peito dói por isso. Não tenho tanto amor assim. O pior é que eu sei que não tenho tanto amor assim.
O que eu tenho de sobra é um olhar que tudo vasculha e quando vejo miséria e fome tudo meu dói, tudo meu trinca e meu sorriso congelado me machuca o rosto.
Não quero salvar o mundo...
Mentira! Queria sim poder salvar o mundo.
Mas eu não posso e me sinto uma coisinha de gente, uma nadinha de pessoa. Uma artista que só canta para si e para a própria vaidade.
Eu, cigarra, me sinto uma merda no Natal.
O que faço aqui, neste mundo de formigas famintas? Que benção eu posso levar no meio de tanto lixo? As bobagens que eu canto são tão superficiais diante da fome e da sede.
Como falta coisa nesse mundo, meu Pai! Como falta!
Eu me falto também.
Olhei uma árvore de Natal e meu coração chorou sozinho e fora de época.

PS: TPM é uma merda!

6 comentários:

Bruno Ribeiro disse...

Você deveria pensar assim sempre e não só quando está de TPM! Há que treinar diariamente nossa indignação. Não se lamente, sentir a dor alheia já é um grande gesto, uma grande prova de que você é capaz de ir além. Um beijo.

Ronaldo Faria disse...

Além do que disse o Bruno, não se preocupe: o Natal é realmente uma merda. Uma data só de consumo,há muito tempo. Que a cada ano se antecipa mais. Natal em novembro? Coisa idiota. E seu cantar já é um presente diário. E a miséria está aí mesmo e há que se vê-la. E ver que esta tem as mil bolsas-esmola. E pouco como esperança. Cuide-se. E viva a TPM!
Ronaldo Faria

Vivien disse...

"Eu só peço a Deus...que a dor não me seja indiferente.."

Tatiana disse...

Buuuaaaaaaaaaaaaaaa!!

Mamy disse...

Não existe essa "alegria de natal", nem quando você tem fartura, quando não te falta nada, quando teu rosto não é sujinho e tua barriga não está vazia. Não existe... é só simulação mesmo.

Anjo Escaldado disse...

Compro esse texto para vender o Pasárgada Clube.
Puta q pariu...