terça-feira, 24 de março de 2009

Exu no corpo - a metáfora

Tô com Exu no corpo. Não no corpo todo, mas só em algum lugarzinho, talvez ali pelo pâncreas, sei lá. Mas eu to endemoniada.
Isso foi uma metáfora. Eu não tô exatamente com exu no corpo porque isso iria contra as leis da física. Se eu sou eu e o exu é exu e exu é um indivíduo e eu sou outro, não seria possível. Por outro lado, exu tá cagando e andando pra as leis da física. Se eu fosse um exu eu faria isso só de sacanagem. Grudaria em um físico daqueles bem físicos mesmo, só pra sacanear as crenças lógicas dele. E faria buuuuuuu. Eu sei que exus não são dados a buuuuuu, afinal não são fantasmas e eu realmente não acredito que fantasma faça buuuuu. Mas eu acredito neles, enquanto seres. Não no que eles dizem, afinal nunca ouvi um, deusquemelivre, porque se eu ouvisse eu morria de susto e eu, morta, seria um fastasma muito, muito falante porque eu teria que contar pra alguém como é do lado de lá. Eu acho que eu me transformaria em uma alma penada só pela satisfação de sacanear os amigos e ver todo mundo fazendo missa pra minha pobre alma. Certamente eu daria uma assopradinha no fiofó de algum amigo durante alguma trepadinha...e certamente, se eu acreditasse que fosse realmente possível, faria um buuuu bem baixinho no ouvido dele.
Caramba! Tô me embolando aqui. Não importa isso. Não vou morrer por estes dias. Não que eu tenha medo de morrer. Não tenho. Posso morrer na hora que for que eu sigo a luz, de boa. Quer dizer, a não ser que a possibilidade de sacanear um amigo, só por farra mesmo, me faça ficar algum tempo aqui pela Terra. Mas não posso me esquecer de seguir a tal luz porque parece que a luz é que indica para onde tenho que ir depois que meu espírito de morta brincalhona se cansar de dar susto em amigo. Sem falar que passar muito tempo dando susto deve ser meio monótono. Cansa depois de um tempo. Não. Tenho que seguir a luz!
Tô me me perdendo de novo.
O que que eu quero dizer é que estou estranhamente esquisita e abestalhada e, ao mesmo tempo, entediada. E também meio de saco cheio, querendo alguma coisa que não sei o que é e isso, certamente, me irrita. Eu irritada sem razão óbvia, fora a TPM que é uma coisa realmente estranha, eu fico mais mulher do que o normal, mas desequilibrada que o normal, mais agoniada com alguma coisa que o normal.
Não, eu não to assim tão bem, mas também não to assim tão mal. É um tédio com irritação e uma pitadinha de espírito de porco. Não necessariamente nessa ordem.
Sim, eu sei que este texto está meio confuso, mas o mundo não é confuso? As mulheres não são confusas? Eu não sou do mundo e não sou mulher? Então...super compreensível e explicado.
O que eu quero mesmo dizer é que quando eu fico assim, meio exucomfantasmaescrotinho, é melhor me deixar no meu canto. Peguei vários livros pra ler e me manter sob literária vigilância. Como se um livro conseguisse me segurar se eu realmente quisesse sair por aí, doida. Minha mãe uma vez deu com um livro bem grosso na cabeça de uma pessoa. Uma Bíblia Sagrada, para ser mais exata. Ouvindo assim parece bem chocante e foi mesmo. Olha que coincidência! Era uma exu que estava no corpo de uma pessoa e minha mãe não teve outra alternativa. A tal pessoa não era física, era uma faxineira, e minha mãe não liga para física mas também achava que não dava pra ficar ali, tomando conta de um corpo que não lhe pertencia. Deu três "bibliadas" bem dadas. Bum, bum, bum. Eu vi isso. Funcionou. Bíblia com mais de cinco quilos é ótima para afastar esse tipo de coisa. Especialmente se a pessoa possuída for bem menor, como foi com a minha mãe que também é uma mulher manga larga marchadora. Grande. Minha mãe é grande. Só de pé, 42. O dedão de minha mãe é do tamanho de um pé inteirinho de bebê recem nascido. Impressionante.
Agora, imagine a cena: um exu atormentado, uma pobre menininha vendo um negócio desses ( eu), uma pessoa possuída e minha mãe com uma bíblia na mão e a firme intenção de acabar com aquela palhaçada toda. Foi chocante. Pensando bem, eu acho que minha mãe foi um tipo de fundadora da Universal do Reino de Deus. Uma bíblia na mão e uma cacetada na cabeça! Eu jamais falaria para minha mãe que to com o diabo no corpo. Não sou besta nem nada.
Mas isso também não importa porque eu não tenho uma bíblia desse tamanho e para funcionar ela tem que ser bem, bem grande. Na verdade, eu nunca fui católica, nem cristã, para ser assim bem exatinha. Não sei o que sou em matéria de religião. Pagã, certamente. Mística é também bem legal. Crédula também. Acredito em quase tudo, menos em fantasma fazendo buuu. Eu faria buuu só pra não perder a piada óbvia. Não sei se acredito em demônio. Sabe o Demonião mor? Não sei se acredito nele. Se ele aparecesse na minha frente e diria: não adianta, não acredito em você.
aiiiiiiiiiiiiiiiiii
Adivinha quem bateu na minha porta agora?
Um cara me convidando pra comemorar a morte de Jesus!
Recusei o convite dzendo que não estava a fim de comemorações. Ele retrucou que foi o nosso amo que mandou, o próprio Jesus. Eu disse que esse convite eu declinava. Ele me falou da vida eterna e eu disse: deusquemelivre da vida eterna! Eternamente vivendo, pagando contas, administrando minha loucura particular. Disse a ele que declinava o convite da vida eterna porque eu já estava meio entediada com essa vida aqui , finita e repetitiva. Disse a ele : EU QUERO MORRER. A besta entendeu ao pé da letra e me disse: NÃO! NÃO FAÇA ISSO!
Quis rezar comigo no portão de casa, mas eu estava de camisola, sem calcinha e sem sutiã. Me deu até vontade de ir lá assim, a própria serpente. O cara usava suspensórios e eu acho que um cara de suspensório é muito fácil de atentar. Recusei a reza pela minha alma mas tive que jurar que não me mataria. O cara não era dado a sutilezas.
Como eu disse, sou uma crédula e se no instante que começaria a escrever sobre a minha descrença no coisa ruim, daquele que não é legal falar o nome, no tinhoso, no ardiloso, se nesse exato instante me aparece um homem de chapéu e suspensório com um convite para "comemorar" a morte de Jesus - onde já se viu comemorar a morte de um cara massa que foi o Jesus - eu posso entender que quem veio a minha porta foi o próprio! Ele, o Curinga do Nosso Senhor Jesus Cristo. O arquiinimigo. O inominável. Eu sempre disse que essa minha rua era ótima. Sempre alguma novidade. Hoje foi o próprio demo no meu portão. Tô só supondo, é claro. Pelo sim ou pelo não, vou deixar minha bíblia de bolso aqui. Se e mirar direitinho, acerto no meio dos "óio", afinal, eu não nego que sou filha de minha mãe. Se errar tenho ainda o Sutra, o Evangelho segundo o espiritismo e ainda um livro do Paulo Coelho. Um desses, eu acerto.
Não falei?
Tô foda.

8 comentários:

Thierrie S.B Magno disse...

Adorei o texto. Você escreve magnificamente.Meus parabéns

Anônimo disse...

Eu simplesmente adoro esse seu humor. Adoro tanto que acho que viciei. Todo o dia passo aqui pra ver o que foi que você inventou. Confesso que tenho uma vontade louca de bater um papo contigo na esperança que ao vivo você seja uma chata, esnobe, que só seja legal assim, na tela do meu computador. Quem sabe eu me livraria dessa mania de vir aqui todo o dia, rir discretamente e partir.
Tá aí o convite para uma cervejinha e um papo bom.

Fausto Sotam disse...

Expulsas todos os Exus só com este texto. Da confusão nasce a ordem, e da ordem nasce a compreensão, que no fundo a vida é harmoniosa confusão.Exorcizas-te escrevendo dessa forma isso é a realidade, é a forma de ordenar a mente. BELZEBUUUUU!!!

Tatiana disse...

Thierrie

Agradeço imensamente seu carinho.

Tatiana disse...

Anõnimo
Dependendo do dia eu posso ser um amor. Hoje, particularmente, eu não garanto nada.
Como vc não assinou nção seis e é homem, mulher ou similares. Dependendo das suas intenção reais eu topo a cerveja. Mas não sozinha porque eu não te conheço e tenho medo que vc seja um tarado ou tarada disfarçado/a de leitor/a de blog. Ou, pior ainda, se você for uma mala sem alça e eu não consigo aguentar mala sem alça pr muito tempo.Estamos sendo francos, né?
E por último, me sinto meio ridícula respndendo um comentário sem assinatura.

Tatiana disse...

Fausto
Tô toda expulsadinha.

figbatera disse...

Seus textos são mesmo bem divertidos; acho que vc seria uma ótima companhia para umas cervejas.
No dia em que eu for a Campinas pretendo convidá-la para um brinde, mas pode deixar que assinarei embaixo. rs

ps.: vc já leu a dica para o podcast?

Danny Reis disse...

Kakakakakakakaka!
Menina, agora entendi tu-di-nho porque você é assim! Tá explicado, Freud já disse que tudo começa na mãe! =)
Beijos!