terça-feira, 28 de agosto de 2007

Em cima do muro

Aí eu estava super cansada da viagem. Tão cansada que a cabeça nem pensava direito.
Fechei o cadeado do portão e esqueci a chave dentro de casa. Bosta. O jeito é pular o muro e pegar a chave. Já fiz isso algumas vezes, posso fazer outra vez.
Olho para um lado, olho para o outro lado, ninguém vindo. Pego a saia, prendo na calcinha, as pernas livres, um friozinho desagradável me refresca a bunda. Tenho certeza que o porteiro do prédio em frente esta de olho na minha peripécia. Levanto uma perna, piso naquele cantinho entre o portão e o muro, dou aquele impulso. Ops. O vento levanta a saia, a bunda aparece. Vou cobrir a bunda e perco e equilíbrio.
Olho para um lado, olho para o outro lado. Ninguém, mas a certeza que o porteiro do prédio da frente está me olhando continua. Olho na direção dele e nada vejo. Mas eu sei que ele tá lá me olhando. Viado. Filho da puta. Tá achando que eu não consigo, é?
Pois eu digo que consigo.
Começo tudo outra vez. Prendo a saia - idiota, eu precisava esquecer a chave assim - procuro aquele pontinho de apoio - e eu precisava estar de saia? Não podia esquecer a chave quando estivesse de calça? - levanto a perna, dou aquele impulso e fico presa na lança do portão.
Uma perna para baixo, a outra no meio do caminho, a saia enfiada na lança do portão e a bunda de fora. Agora nem jeito de abaixar a saia dá. Não tem volta mais, tenho que pular o portão mesmo.
Ah, não! Ele não! O bebum que sempre entala na frente do meu portão está vindo, balançando e completamente grogue.
Resolve que vai me ajudar a passar pro outro lado.
Precisa não, meu querido.
Ele então senta na calçada e fica olhando a cena. Uma perna pra cima, outra pra baixo e a bunda de fora.
Eu espero que ele tenha amnésia alcóolica. Não sei se tem, mas que tem humor, ah isso tem, porque ri de se acabar, rolando de um lado para o outro no chão.
Meus cachorros fazendo o maior alvoroço porque detestam o bêbado.
Não sei se pulo logo, se rasgo a saia, se cubro a bunda.
No meio desse dilema, o camburão do GARRA passa na frente do meu portão. Puta merda, a GARRA não!
O que aconteceu, madame?
Uma perna pra cima , outra pra baixo, a bunda de fora e dois caras da GARRA olhando para mim, para meus cachorros enfurecidos do lado de dentro e um bêbado sentado no chão morrendo de rir.
Entalei no portão, seu guarda.
Dois pares de mãos empurrando meu descoberto traseiro. O bêbado só falta mijar de tanto que ri. Um dos guardas não gosta de tanta felicidade e manda ele calar a boca. Ele cala mas os ombrinhos magros e bêbados sacodem.
Meu rosto vermelho enquanto eu me vejo ser levantada por dois policiais do GARRA e colocada em cima do meu muro. A saia ainda presa no portão, revela minhas pernas, minha bunda e a minha calcinha amarelinha com frisos cor de abóbora.
Puxo com força a saia do portão. Ouço um crec, o rasgo na saia é imenso. No movimento de puxar a saia, escorrego do muro, caio sobre um dos cachorros e meto a mão na bosta do cachorro.
Tem merda de cachorro no meu cabelo.
O bêbado ri discretamente.
Um dos guardas olha com pena para mim.
O outro olha meio estranho.
Não me atrevo a decifrar teu olhar porque não existe mais mistérios entre nós. Viu as coxas, a bunda, a calcinha e me viu com merda de cachorro.
Nem olho para ele.
Entro em casa e vou direto para o banho.
Sento no chão do box e deixo a água quente escorrer por mim enquanto esfrego meu corpo todo. Um vergão vermelho vai da bunda até quase a parte de trás do joelho.
Se eu pudesse, me afogava ali e naquele instante, mas tenho que sair para pegar Matheus.
Quando saio outra vez, agora com banho tomado e as chaves na mão, vejo o porteiro do prédio da frente com um risinho idiota na cara.
Pense seriamente em ir lá e dar na cara dele.
Eu descobri que detesto aquele porteiro.
Se tudo der certo, amanhã coloco minha calça e fico pulando o portão de lá para cá, de cá para lá e ele vai ver que eu consigo pular a merda deste muro sem fazer tanta confusão.
Ele vai ver só.
Meu orgulho tá feridíssimo. Feridíssimo.

11 comentários:

Adriane disse...

Rir da miséria alheia é, no mínimo, falta de educação, mas já que você decidiu compartilhar a sua conosco não pude me privar... CHOREI de rir! Mas continuo com peninha.
Ah! E não se preocupe! Mesmo entalada no muro, de bunda de fora e com bosta de cachorro no cabelo você é sempre uma Rainha.

Uma beijoca de quem te adora em toda a sua visceral humanidade.

Ana Paula disse...

Tatiana... vc é inacreditável...
queria ter visto o pinguço rindo de vc...ahahahahahahahahhaahahah

Vivien Morgato : disse...

não tinha ninguém pra filmar isso e colocar no youtube??? rs..que pena, Tati, ia bombar.;0)

Tatiana disse...

muito amigas , voc~es.
muito amigas...


hahahahahah
mas foi engraçado mesmo

Tatiana disse...

adriane,
sou a rainha merdeada...

Paps disse...

Ô, Tati...
Gargalhei aqui sozinha imaginando a cena... Mas olhe pelo lado positivo, deve ter ganhado mais dois admiradores no corpo policial, o que hj em dia é um bom lucro!
Agora, tá vendo que você não precisa do tal perfume? Só nessa brincadeira foram 4 que apareceram. Dá para escolher legal....kkkkkk!!!! Fica valendo assim toda vez que vc estiver precisando de atenção masculina, é só esquecer a chave dentro de casa... (ah, e não esqueça da saia)rsrsrs
Pense que podia ser pior. E se a calcinha fosse daquelas que já viu dias melhores?
Beijocas!!!!

Tatiana disse...

Ah, sim
Paps, você tocou em um ponto importante.
NÃO ERA A MINHA MELHOR CALCINHA!

Morena disse...

merecia mesmo ir p/ o you tube. Chorei de rir.

Renata disse...

hahahahahahaha, tô rolando de rir!

Adriana disse...

Acho que vou passar a vestir fralda geriátrica antes de ler o blog, Nenê! Isso é a tua cara! Entalar no portão! Isso daria um curta...
bjks de Nini

Danny Reis disse...

Que maldade!
Mas não vou resistir...
HAHAHAHAHAHAHAHAHA!
Depois que passa, né?
Beijo!