sábado, 26 de agosto de 2006

Ontem foi o show lá na Praça Carlos Gomes e eu fiquei muito emocionada. O Coreto onde cantamos é lindo, mesinhas arrumadas na frente dele, velhinhos, crianças, gente de todas as idades. Lindo mesmo.
quando eu estava lá em cima , olhando um mar de gente, estava lotado, eu via as pessoas cantando aquelas canções que tem mais de cinquenta anos, sambando com Carmem Miranda.
De todos os lugares que eu já toquei, e olhe que não foram poucos, ali, na praça da cidade que me adotou, foi o lugar que mais me tocou, que eu mais me emocionei por estar tocando. Olhando aquele povao todo percebi que Campinas era a minha terra. Era uma mãe branca e generosa, mas que parecia ser fria e distante. Mentira. Campinas sabe ser quente quando quer.
Desci do palco feliz e suada, a maquiagem já tinha dado uma derretida, sentei para assistir o Eduardo Dussek. Ele é um cantor-comediante, seu show mistura muitos texto e algumas músicas. Ele sabe levar o povo na lábia e todos riam de suas tiradas. Em um determinado momento ele disse que queria cantar uma canção em que todos pudessem cantar com ele e começou a tocar Carinhoso. Gente, foi absolutamente lindo ver toda aquela praça, jovens, adultos e velhos, todos cantando juntos meu coração, não sei porque bate feliz quando te vê.
Eu me virei para o público, dei as costas para o Dussek e via aquela multidão de gente cantando, todo mundo em um único espírito, a música envolvendo tudo e todos e, confesso, tive vontade de chorar.
Um pouquinho depois, a produção do evento vem falar comigo:
- Vem pra cá que o Dussek quer que vocês cantem uma canção junto com ele.

E eu fui sendo arrastada lá para cima, fui sozinha porque Taïs e Henrique já tinham ido cantar em outro lugar e eu não tinha escapatória.
Quando eu chegava perto do Dussek ele pergunta se eu sei cantar Estrela Dalva eu, muito honestamente digo:
- Vá e que eu corro atrás!
E foi lindo. Foi lindo por se ver , mais uma vez, uma multidão cantando junto uma música tão antiga, ver aquela massa de gente feliz cantando para os céus. Mas foi lindo também ver a generosidade do Dussek. Ele não precisava chamar ninguém ali em cima, mandar abrir microfone, me colocar do lado dele, só pra fazer um grande encontro, uma grande festa.
E falou ainda assim:
-Fica aí. Vamos cantar mais juntos! Mas peraí que eesse tom não tá bom pra você. Deixe eu aumentar.
E cantamos Cantores do Rádio.
óbvi que eu errei a letra. Como ser diferente? ha ha ha ha ha ha
Mas fiquei muito feliz com o desfecho do show que agradou a todos.
Eu saí feliz, meu peito cheio da sensação de trabalho feito e muito satisfeita com os inusitados que a vida me ofereceu.
Tem horas que não dá pra me imaginar sendo outra coisa do que cigarra.
Eu cantei para um mar de formigas e elas estavam felizes.
É para isso que serve as cigarras. Trazer alegria ao mundo duro das formigas.
Tõ muito feliz.

9 comentários:

Vivien disse...

Queria ter ido, vi aqui no blog,mas dou aulas à noite...nem passei por lá,mas achei que já teria terminado.
Tenho certeza que foi um show lindo,parabéns.;0)

Ronaldo Faria disse...

Menina, fico feliz com a tua felicidade. Mas trabalho até tarde no jornal na sexta (fecho as edições de sábado e domingo). Tenho dois CDs do Dussek, gosto dele. E bem mais de você. Gostaria de ter visto vocês cantando juntos. Mas haverá outras oportunidades. Cuide-se! E seja feliz, sempre. Beijos.
Ronaldo Faria

Dora W disse...

Que ótimo, hein?

quina vida disse...

tatiana, vem cantar aqui em são paulo! quero te ver cantando! beijo!

Marcos disse...

Imaginei a cena e imagino seu orgulho e alma prenhe. Muito bom. Parabéns.

Taïs Reganelli disse...

estou em crise, e da braba.

Márcia Nestardo disse...

Um mar de gente cantando junto músicas eternas... Era tudo o que eu precisava pra espantar os meus fantasmas de artísta. Sem saber você me deu hoje um presente. Sentir uma amiga querida se emocionando no palco, olhando pro céu e abençoando ouvidos, foi realmente a força que eu precisava no meu mundinho de de cena e palavra.
Quero te ver, escutar. Seria legal até participar daquela roda sagrada com fogueira e vinho, quem sabe descobrindo novas cores de esmaltes, só por diversão.
Não fica longe, não. Perdoa meu silêncio. Acredita no meu carinho. Você é uma das melhores amigas que tive a graça de conhecer... só falta o abraço apertado pra tudo fazer sentido.

Carlos disse...

Eu era aquele de cabelos brancos q estava na platéia, rs. Notei q vc tava cantando com toda alegria e felicidade mesmo!
Parabéns, gostei muito

Carlos disse...

Eu era aquele de cabelos brancos q estava na platéia, rs. Notei q vc tava cantando com toda alegria e felicidade mesmo!
Parabéns, gostei muito