quarta-feira, 23 de agosto de 2006

Marina me mandou isso por e-mail. Como ela assassinou o próprio blog não posso indicar o espaço que ela libera o seu verbo vadio.
Mas isso aqui é tão lindo, fiquei tão besta que não resisti. Publico aqui.
Marina, como eu te disse: assim você me fode!!!


O que é que a baiana tem?

(Marina Franco)

Tatiana Rocha vai fazer um show com canções de Carmem Miranda. Por coincidência, estou acabando de ler sua biografia (da Carmem), escrita pelo Ruy Castro. E sem coincidência alguma, mas por identificação mesmo, Tatiana Rocha é minha amiga. Portanto, não posso deixar de achar engraçado e instigante o encontro destas duas mulheres singulares.

Não, Tatiana não vai usar balangandãs nem turbantes na cabeça, tenho certeza. Também não vai dançar revirando os olhinhos. Ela vai se apropriar de Carmem e cantá-la a seu modo, como faz sempre com tudo o que interpreta. Cantar Carmem sem ser Carmem não é para qualquer uma, mas a Tati pode.

Carmem Miranda explodiu no Brasil na década de 30. Era idolatrada por aqui antes de cometer o fatal erro de seguir a carreira em Hollywood e virar piada de gringo. Antes de virar aquela personagem caricata de sotaque latino dos filmes americanos, Carmem encantou as platéias do Brasil com um jeito único. Além da performance de palco e da grande artista que era, sua biografia mostra um lado muito legal da cantora. Um lado assim, meio Tatiana Rocha.

A “pequena notável” conversava com todo mundo, ria alto, chamava atenção. Não tinha preconceito, não fazia distinção entre pessoas, amava cantar e estar com os amigos. Era direta, falava na cara, resolvia tudo sozinha, fazia questão de estar por dentro do que acontecia a sua volta. Odiava injustiças e histórias mal-resolvidas. Defendia os fracos e enfeitiçava os poderosos. Sua casa na Urca vivia cheia de músicos e compositores, fazendo sambas para ela e cantando até raiar o sol. Noel Rosa, Dorival Caymmi, Cartola, Lamartine Babo, Francisco Alves, Silvio Caldas, ela tinha o poder de reunir todo mundo mesmo. Era amiga das camareiras dos teatros, das socialites, das casadas e das meretrizes. Foi musa dos sambistas do morro e dos compositores da elite. Parece alguém que conhecemos?

Apesar das diferenças de tempo, de estilo e de trajetórias, existe entre Carmem Miranda e Tatiana Rocha uma energia comum, um olhar parecido, uma maneira quase similar de encarar a vida e tratar as pessoas. Eu vi minha amiga no livro diversas vezes, fazendo piada com a própria desgraça, encantando platéias, rindo a se ouvir de longe, deixando o mundo um pouco mais alegre, colorido e humano. Com certeza eu estarei na próxima sexta, na Praça Carlos Gomes, para assistir este encontro único e mediúnico.

10 comentários:

Anônimo disse...

Forçando demais a barra, hein?
Talvez quem sabe...um dia.

Anônimo disse...

Concordo com este anônimo ai.
Pretensão demais publicar isto.

Vale sonhar!

seus amigos deveriam fazer observações importantes, isto sim te ajudaria. Uma delas se quiser, ai vai! Tava "cheirando" cigarro demais.

Tatiana disse...

meus amigos assinam os comentários.
mas eu aceito teu comentário.
deve ser verdade mesmo.

Marina disse...

Eu realmente não entendo estes "anônimos". Acho que é muita dor-de-cotovelo ou falta do que fazer, né Tati? Puxa, eu fiz uma comparação singela e despretensiosa. Que babacas!
Hahaha, mas não deixa de ser engraçado ver que ainda existe tanta gente fraca no mundo. Aiai. Suspiro.
beijos pra ti, querida.
Estarei lá na praça na sexta para te aplaudir.

Tatiana disse...

Marina, teu carinho sempre é bom, tem cheiro de casa de mãe, de cafuné e aconchego.

Anônimo disse...

DEsculpe-me, adoro o seu blog...mas achei um pouco pretencioso, sim. Na boa...

Tatiana disse...

Caro anônimo,
Não vejo problema algum em você achar pretensioso uma coisa que nem fui eu que escreveu. ou se você detestasse o blog, ou me achasse um saco, ou qualquer coisa desse tipo.
Tem que se expressar mesmo!
Não fico nem um pouco chateada, acho que faz parte da situação de se expor em um blog. Ouvir algumas criticas, alguns desaforos, alguns xingamentos. Você não fez tudo isso, mas já aconteceu aqui. E eu nem apago. Deixo mesmo todo mundo ler. Dá uma certa movimentada em tudo aqui.
Toda unanimidade é burra, já disse alguém e assumo meu momento de vaidade. Ler uma coisas dessas é muito, muito bom.
E onde mais eu poderia mostrar?
Só aqui mesmo!
Continue visistando e publicando seus coentários.
São muito bem vindos.

Marina disse...

Ai, Tati, na boa? Estes anônimo é que são pretensiosos de achar pretensioso alguém que publica uma coisa no seu próprio blog, sem obrigar ninguém a ler. Você está na sua, ninguém é obrigado a ler. E PRETENSIOSO é COM "S" PUXA VIDA!!!!!!

E olha aqui seu Anônimo, a Tati é tudo, pode muito bem ser comparada com a Carmem, com a Elis, com a Madonna!
hahaha. Tô impossível.
beijos, querida.

Vivien disse...

Tem uma coisa curiosa que notei: em todos os blogs que leio, quando a pessoa desce do salto pra pseudo-criticar, não deixa nome ou email.
Medo? vergonha do mico? Se a critica é real...porque é feita às escuras?

Tatiana disse...

has ha ha barraco total!!!
Hoje tem o tal show da Carmem.
Anônimo,seria o máximo se vc pudesse estar aqui e não aí.
Eu gostaria de cantar para você!!!
Um abraço
Marina.bunitinha da mamãe!