segunda-feira, 19 de dezembro de 2005

Então é Natal e Ano Novo também

Esta época do ano as pessoas estão a flor da pele. Parece que o couro está esfolado, a alma escorre pela pele, em carne viva, e tudo sangra.
Os amores fracassados ainda doem. O cansaço, de tanto correr atrás do dinheiro, deixou suas seqüelas, tá todo mundo meio exaurido. Pedindo que esta época passe logo, que 2006 venha cheio de energias novas, tudo mudará no exato instante que as doze badaladas soarem nos céus.
Tolice.
As dores continuarão doendo do mesmo jeito. Aquela sensaçao de abandono continuará. Pode até aparecer outra pessoa, mas aquela dor ainda tá lá, escondida debaixo do tapete puído.
Não haverá mágica, não haverá a multiplicação dos pães e o sumiço eterno das contas, dos carnês das Casas Bahia.
Os covardes continuarão covardes e os valentes continuarão valentes. Não se muda de um dia para o outro a natureza de uma pessoa.
Não estou sendo pessimista nem negativa. Estou constatando um fato.
Então o que se fazer?
Sim...chore, chore todas as lágrimas que você tolamente segurou.
Xingue todos os palavrões cabeludíssimos que deixou entalado no meio da garganta.
Grite pra lua, socando o ar, sua vadia, sua enganadora, sua melindrosa, lua lazarenta que me fez acreditar, que me turvou os olhos!
Dance até cair no chão, a saia levantada e a fresca brisa te refrescando a bunda.O corpo exausto e os pés histéricos.
Cante! Berre bem alto aquela canção brega do Bob Charles, o Rei. Arremate com os hits da Xuxa, ilari ilari ilariê, ô ô ô para todos os lados, alinhave com um funk bagaceira da Tati Quebra-Barraco.
Vale a égua, a jumenta, a mula manca.
Ponha pra fora tudo que não te serve mais porque se quer deixar o novo entrar, mudando os rumos, virando os lemes, inflando as velas de vento recém-parido, tem que purgar o ranço do antigo, do passado, do podre, do mofado.

Abomino a falsa alegria, a falsa fraternidade, a mentira conveniente e, principalmente, a covardia de não encarar o espelho, a vergonha de não fitar o olhar dos seus olhos refletidos.
ESPELHO ESPELHO MEU EXISTE ALGUÉM MAIS BONITA DO QUE EU
SIM... A MARINA, A MELAINE, A FRANCISCA , A TEREZA, A BEATRIZ, A EDUARDA, A CLEMILDA E TANTAS OUTRAS!!!
AAAAHHHHHH ESPELHO FILHO DE UMA PUTA!!!


E quebra ele todinho em súbita fúria pra cair no chão e ver que ele só te dizia a verdade. E qual é o problema de se ver a verdade???
Nenhum!
Ninguém é perfeito. Ninguém paga todas as contas sem sofrimento. Ninguém acerta todas as bolas na caçapa da vida. Ninguém!!!!!

Então lave o calabouço da alma, tire pás de poeira do ano, lustre de novo as alicerces da coragem, perfume com lavanda o ar dos pulmões, acenda tochas que afugentam as suas sombras, arranque as ervas daninhas que a mágoa e a tristeza plantaram em você e comece a ano vazia. Sem nada! Mas pronta pra se encher de vida nova. E deixe que essa vida nova te penetre toda, por cada buraquinho, por cada fresta, por cada vão de tua alma cansada. Deixe que calor novo te incendeie, deixe um amor novo, renovado, renascido, morto e recussitado brotar em teu peito. Deixe escorrer de tuas orelhas ramos de alecrim e jasmim. Da tua boca, que saia o hálito limpo e imberbe, carregados de novas notas musicais. Seja a Fênix, seja Pandora, seja Lilith, seja puta e seja santa, mas seja feliz!!
Porra! Seja feliz!!!!!
É isso que eu tenho pra te dizer. É isso que eu te diria se estivesse aqui em minha frente agora.
Pra você, minha amiga tão distante.

2 comentários:

Ronaldo Faria disse...

E que faça-se a "luz". No meio da madrugada, entre botecos, poesias e afins. Todos os dias...

Silo disse...

Nunca é o bastante. Talvez essa infindável busca pela verdade é que mancha a alma, quando essa pensa que a encontrou. Sou favor da mentira, ela nos obriga a pensar e a nos renovar sem a necessidade de seguir ritos ou nos obrigar ao transfiguramento de nosso estado. Isso não vale pra você, viu? Você é obrigada a me dizer a verdade, sempre.
Beijos.