terça-feira, 13 de abril de 2010

Ando professora demais. E o pior é que fico feliz com isso. Penso no que vou fazer, crio soluções, até me emociono vendo os videos que fiz dos meninos.
Nunca me vi fazendo algo que não fosse cantar. Continuo cantando mas com outra pespectiva. Agora os "outros" precisam que eu faça outra coisa com a música. Quando eu canto para a platéia, quero que se emocionem com o som que eu faço. Agora eu quero que eu toda emocione aquelas crianças e adolescentes. Não só a voz qeu sai de mim, mas toda essa energia que eu tenho. Aquilo que eu canto, que eu falo, que eu faço tem outra significância.Quero mexer com eles, com a cabeça, com o corpo e, principalmente, com o coração.
algumas vezes é difícil pra mim. Muito difícil. Algumas vezes eu quero que eles sumam porque eles são absolutamente desobedientes. Outras vezes eles são um murro no meu estômago, como naquele dia que o pequeno me disse baixinho que queria que eu fosse a mãe dele. Me perguntou se eu tinha marido, se eu tinha filhos. Me disse que se eu quisesse eu poderia ter ele. Assim. Como se fosse um presente.
Quase chorei. E sorri pra ele e voltamos a cantar juntos.
Tem aquela menininha que chamam de Chuck por causa da imensa cicatriz que corta seu rosto. Precisou que eu confirmasse com voz solene para que toda a sala ouvisse que existe sim cirurgia plástica para o caso dela.
Tantos abraços que eu recebo. Tantos!
É...me pegaram de jeito e eu não pude resistir.

3 comentários:

Anônimo disse...

Oi, parece que o rumo das coisas estão mudando e você se alegrando. Isto é bom. Parece que seu trabalho é bem recebido por estas crianças e, de fato, quem cria um cria vários. Você sabe que criar, educar é diferente de parir e se existe esta possibilidade de você agregar mais um filhote ao teus, não perca tempo, pode ser de verdade o presente que ele próprio se ofereceu. Imagino que tenha mais de um, seu e sabe perfeitamente o que é estar presente nos momentos especiais dos filhos, o quanto isto fica marcado na vida deles e na sua e todas estas lembrabças boas se traduzem em atitudes delicadas e doces de ambas as partes. Já se perguntou se este pequeno ser(parece que é criança), tem a pessoa que o colocou no mundo por perto compratilhando estes momentos, orientando, rindo e chorando, dizendo sim e não....por fim, educando? Eu acho que se ele se ofereceu assim, não tem quem valha a sua confiança e amor. Que a vida pinte de rosa o caminho deste ser.
Abraço
India

Morena disse...

Ai chorei!!! Aceite o presente que essa criatura te deu. A permissão de deixar a tua marca, na vida dele.

Vivien Morgato : disse...

ESSE mundo é bom DEMAIS.
Só quem dividiu o olhar sobre mil coisas com alunos sabe comó é.
E a fala do seu novo filho foi de matar mesmo,;0)