quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

minhas novidades

Samba

Fui, na terça-feira, a um samba no Bar de Vidro lá na Vila Teixeira. Muito legal. Começa as seis e pouco e vai até as dez.
Botecão simples de bairro mesmo, equipamento de som humilde, você mesmo pega a cerveja no balcão e leva pra sua mesa. Sem couvert ou taxas. O velho e bomk boteco de esquina.
Tá a fim de um samba na terça-feira?
Vá lá na Vila Teixeira.
Você pega aquela rua que sai do Castelo...sei lá do que Sarmento, Sarnento, ou algo assim. Vai descendo como se fosse pegar a Jonh Boyd Dunlop ( tive que pesquisar na internet como se escreve essa merda!), tem o Banco do Brasil do lado esquerdo, logo depois de um pontilhão, assim que passar esse pontilhão você vai dar de cara com o boteco que fica em uma esquina. Ele é vermelho e, obviamente, cheio de vidro. Você tem que entrar na rua "antes" do bar porque se passar por ele vai penar pra voltar. Tem que dar uma volta do cacete.
É isso. Aí nesse lugar e nas terças. Samba bom.


CD VAGAROSA

O novo cd da Céu me pegou. A primeira vez que eu ouvi não dei bola.
Mas eu sabia que não tinha ouvido da forma certa.
Porque tem uma forma correta de se ouvir um trabalho que você nunca ouviu. Tem que fazer só isso, prestar atenção, acompanhar as letras, ver de quem é a composição, ver quem está fazendo o quê. Ou seja, tem que degustar o som, tem que saborear.
Gostei.
Céu está se mostrando uma compositora interessante. Faz letras minúsculas e com pitadas de lirismo delicado que é muito bom de se ler. Assina tanto letrista quanto melodiasta. Mostra músicas que são só dela e são boas músicas. Gravou coisas de Luiz Melodia e de Jorge Ben ( Jor) que ficaram muito boas.
Manteve a sua marca, aquela coisa " Céu" que ela tinha mostrado no primeiro cd. Dá pra perceber que a moça tem personalidade e está cantando lindamente.
Um som comedido. Não é pra sair por aí requebrando, berrando pelas esquinas.
Não, não é assim que se ouve o cd Vagarosa da Céu.
Ela é uma moça elegante. Seja elegante.
Sente-se confortavelmente, ponha uma taça de vinho branco gelado na sua mão ou uma bela de uma cerveja, apronte-se para ler as letras, acompanhar a ficha técnica, se fumar - como eu - traga o cinzeiro e somente feche os olhos e ouça.
Só isso.
Ouça.



Noivado


Quero vir, por meio desta, informar que eu contraí o noivado na terça-feira passada.
Traduzindo: eu estou noiva.
Fui pega de surpresa e não doeu nada.
Estava eu lá fumando meu cigarrinho na zona dos adictos nicotinenses quando um jovem mancebo se aproxima, olha pra mim e pergunta:
-Quer casar comigo?
Assim, na lata.
Eu olhei pra ele...é...o rapaz não é de se jogar fora. Bate no meu nariz mas eu to de salto alto e isso interfere um pouco. Faz tempo que eu não caso mesmo. Ah, tá bom!
- Aceito.

Começamos a conversar, era noiva pra cá, noivo pra lá e eu resolvi já começar a doutrinar o novo futuro marido. Já estava na hora de eu começar a barbarizar pra ver de que material era feito meu noivo, afinal nunca o tinha visto mais gordo. Ou magro, tanto faz. Um ilustre desconhecido
Exigi para que nosso casamento pudesse dar certo que ele me preparasse coisinhas gostosinhas pra quando eu voltasse do trampo, na madruga, cansada e faminta. Ele aceitou com a garantia que eu também fizesse isso. Avisei a ele que eu podia ser o demo, se provocada. Ele perguntou:
-TPM?
Eu falei:
-Não, meu bem, fúria mesmo.
Eu perguntei se ele se acostumaria com a situação de eu estar no palco e ele fora dele. Isso pode parecer fácil, mas não é não. Tem homem que não segura essa bagaça. Ele confessou que nunca passou por isso.
Sim, minhas amigas. Meu noivo também é músico. Bosta, eu sei. Deve ser karma.
Perguntei se ele cozinhava. Ele disse que sim e eu disse que eu também. Tudo certo.
Perguntei o nome dele. Ele me disse que era Ronaldo e que a gente já tinha tocado junto.
Eu gelei. Cacetada, conheço o meu noivo e não me lembro. Toquei com ele?? Que merda. Tô cada vez mais caduca. Puta merda, quando foi isso, menino?, pergunto, morta de medo do que eu esqueci.
Ele me contou que eu dei uma canja com um grupo dele e que foi super animado e coisa e tal, que o bar veio a baixo.
Nada de eu lembrar.
-Um boteco, lá de Barão...local dos amigos, alguma coisa assim- tentava ele de todo o jeito.
Aí eu me lembrei. Foi aquele dia que eu descobri o botecão da sinuca com Carô. Eu tomei foi um porre daqueles jogando sinuca, sambando de me acabar e dei uma canja totalmente descabelada. Por causa dessa bendita canja que o dono do boteco se abre todo pro meu lado e lá eu sou conhecida como "cantora".
Pois não é que o meu noivo estava lá?
Viu só a força do destino atuando? Definitivamente, estávamos predestinados. Nem quis perguntar mais nada, nem ver se ele era qualquer coisa. Falei que caso, então tá casado.
Mas como eu sou uma mulher experiente, propus a ele que deixássemos o casório paa depois do carnaval. Afinal, carnaval, sabe como é. Vamos fazer que o carnaval todo seja nossa despedida de solteiro - ê maravilha - e na quaresma - ê que chatice - a gente para com tudo e casamos lá pela Páscoa. Ele não gostou muito disso porque queria aproveitar mais a lua de mel. Achei bunitinho ele assumir mesmo que queria ir pros finalmente, pelo menos meu noivo é sincero. Ponto pra ele.
O que eu posso dizer a mais sobre ele é que é do signo de peixes - deve ser moço sensível, coitado - toca cavaco e violão, gosta de samba, deve ser bom sujeito e é um cara de impulsos.
Se ferrou porque eu aceitei. Agora vou casar com o moço.
É isso, gente. Com vocês, Ronaldo, meu noivo.
Ou será Rogério?
Não, é Ronaldo mesmo.

2 comentários:

claudia lyra disse...

Tenho um casal de amigos que, todas as vezes que eles não sabem quem é a mulher cantando qualquer música, eles respondem: "deve ser a Céu". E eu acho que nunca ouvi nada da Céu... vou checar.

Parabéns pelo noivado. Cara... tô precisando de um noivo impulsivo assim. Ronaldo/Rogério não tem um amigo?

Ana Paula disse...

hahaha não sei como consegui ficar tanto tempo sem ler as barbaridades da Tat!!! não sei...rs
morri...huahuahauhauh
beijo! Ana Paula Marsigli