sábado, 28 de fevereiro de 2009

Dói do cóccix até o pescoço

Sei lá se é a idade, se é o excesso de salsa e samba, se é o travesseiro, mas eu tô com uma dor tamanha do meu pescocinho que me faz dar gemidinhos sempre que me movimento de forma abrupta. Sacudo, dói, gemo. Nessa ordem.
Aí eu fui no samba. Sim, fui ao samba depois da salsa. É um fogo no rabo que deusmelivre, eu sei, mas não dava a resistir. Sexta, folga, quente. Fui.
Uma constatação: quase não tem homem da minha altura para se dançar juntinho. Minhas amigas falam que eu meto um salto imenso e todo mundo fica baixinho. Mas, me expliquem, por obséquio, como uma mulher pode viver sem salto alto?? Tô nem aí pros baixinhos. Eles que façam terapia por baterem no meu ombro. Não recuso uma dança! E muitas vezes sou eu quem chama mesmo.
Fui lá. O samba comendo solto. Tudo anão em minha volta. Parecia encontro de Hobbit, só toquinho de gente. E eu sambando.
Aí aparece um neguinho...ai, esses neguinhos são realmente de matar! Um quase nada de homem. Uma coisinha assim, uma coisinha pouca de gente. Ouvi boatos que ele é professor de dança, ele negava, eu queria conferir. Na primeira segurada que ele me deu, senti a responsa. Ele não é fraco não! Por que, meu pai, só os baixinhos sabem segurar uma mulher decentemente?
Começamos com aquele cuidado, ele vendo se eu ia com ele, eu entendendo a forma dele de dançar. Fomos nos empolgando. Aí ele resolveu fazer uma coisa que é me girar, segurando pela cintura. No meio da volta, me puxa pro lado oposto. Uma coisa meio samba de gafieira, sabe? Ele me dizia: "junta o ombro com o meu...assim...". E me sacudia como boneca de pano. Eu, esse mastodonte dançarino, prá lá e prá cá. " Joga o cabelinho", me pedia, todo assanhado. E eu joguei.
Joguei e logo de prima, gemi alto. " Ai, meu pescocinho, pensei". Não é que o moço ficou doido com isso? Mexeu em algum demônio dele e foi um tal de me sacudir pra cá, pra lá, eu parecia um pião de meia volta. Ai...ai...ui...ui...Unfa...arghhhhhhhhhhh...wouuuuuuuuuuuuuu...eiiiiiiiiii! Quanto mais eu gemia, mais ele me sacudia!
Resumo da ópera: to mais doída que nunca!
Pareço uma girafa que engoliu uma vassoura e tem marca de dedo de negão em minha cintura.
Hoje tenho outra festa, com possibilidades de ter banho de piscina noturno e eu aqui, toda dura, marcada e exausta. Fudeu!
Essa vida ainda vai me matar!

PS: escrever cóccix não é mole...

10 comentários:

Danny Reis disse...

Nem falar cóccix é mole, né não?
Adorei esse texto! kakakakaka! "Mastodonte dançarino" é bom demais! hahahahaha

Marcos Pontes disse...

Relaxante muscular e massagem e patuá. Quem sabe a noite não seja leve?

Carô disse...

Emplastro Sabiá (já que tomando cana no botequim...) hahahahaha. Boa festança, minha amiga. Marca uma acupuntura na segunda!

Tatiana disse...

Danny,
Você já me viu dançando???? POis é..pois é...

Tatiana disse...

Marcos
Gostei da parte da massagem e do patuá. O relaxante eu dispenso por uma questão de princípios...Não espero que a noite seja leve. Se é pra doer, que doa o corpo todo e não só o pescocinho!!!

Tatiana disse...

Carô
hahahhahahahahahah
Eu to que to!
Eu queria mesmo uma massagem no pescocinho!
E no lombinho.
E na perninha..
E no pezinho!
Em tudinho!!

Vivien Morgato : disse...

"um nada de gente" é desmoralizante..hahahahahahah....

Leandro Souza disse...

Tati, os baixinhos pegam melhor porque como nao sao bonitoes precisam desenvolver outras especialidades.... ou se acha que eles nao gostam de mulherão?

Claudia Lyra disse...

cara... como só tenho 1,52m, pra mim é todo mundo enoooormeeeee!!!
Tatiana, filha, não pude sair de Resende neste carnaval, mas um dos meus planos de férias é causar com você aí na tua terra. Isso é uma ameaça... me aguarde!!!

Andrea disse...

Mulherão desses deveria dançar TANGO!!!! Imagine: Tati Rocha dançando tango...rs! 1°- lindo, 2°- exótico, 3°- no blog, comédia! semmmmpre!
BJÃO!