quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Carnaval em Paraty

Se eu disser que foi ducacete, não estarei mentindo. Foi mesmo.Perfeito, revigorante, divertido, molhado, sossegado, saudável, marítimo, musical...Foi bom...muito bom.
Aí eu fico pensando como é fácil se acostumar com a vida boa. Muito fácil. As delícias grudam na gente. Acho que nasci pra ser diva. Ou rica. Ou desocupada. Adoro uma boa vida.
Volto pra casa e dou de cara com minha cachorra amada toda ferrada com uma bicheira violenta na pata. Nem entro em casa direito, pego a bicha no colo - quase me borro toda - coloco no carro, entro no veterinário 24 horas, vejo sair mais de cem larvas de moscas. Uma das coisas mais nojentas que eu já vi. Tirei fotos, inclusive. Tentava me lembrar da sensação maravilhosa que é estar no meio do mar que de tanto azul me amolecia. Precisava manter aquela imagem...paz...sol...riso...vento na cara...Na hora de pagar a conta, quase choro. Lá se foram quinhentos contos de consulta, sedação, remédio, ração, frontline, pomada, iodo, gaze, esparadrapo, remédio pra matar os ovos. Preciso manter grudada na minha memória a imagem daquele céu lindo, o cheiro de maresia. Carregar a Cacau de volta pro carro quase que me fez pedir uma sedação pra minha coluna. Mas ela é tão querida por mim que eu seguro o tranco e me sinto a mais culpada das donas de cachorro. Fome do cacete.Queria comer aquele camarão no alho e óleo que a gente comeu de noite. Nossa Senhora, estava bom demais.Quando a veterinária me perguntou que ração ela comia, menti. Queria dizer que era da Eukaruba, Royal Canin, mas não era. Era a mais vagabunda. Deve ser por isso que a cachorra pegou bicheira. Porque ela come ração vagabunda. Ela devia comer ração sabor camarão no alho e óleo porque ela merece.Eu é que não merecia comer camarão no alho e óleo. Eu sou uma péssima dona de cachorra. Me dê, por favor, um colar abajour pra cachorro. Ah, e um potinho de patê de gato. Minha cachorra adora isso e eu to dengando ela. Preciso começar a me preparar porque algum dia meus cachorros vão morrer. Eles parecem eternos, são quase múmias vivas, mas um dia vão morrer. Droga de vida que tem morte. Pra piorar, a veterinária me fala com aquela voz de Deus: "tem massa tumoral no baço dela". Porra, massa tumoral do baço dela é feio de se ouvir! Baçodela. Baçodela. Feio pra cacete. Posso confiar em uma pessoa que fala "baçodela"? Não. Não vou mexer nisso. Não vou ver o "baçodela". Não farei nada disso. Vou para Paraty fazer churrasco na Ilha do Ventura, vou andar de lancha do Carlão. Uma pereba por vez, por favor. Ultrassom? De jeito nenhum! Cadê as fotos que a Juliana ficou de publicar pra eu colocar no orkut? Vaca. Sempre faz isso comigo. Meu Deus, queria estar ainda lá em Paraty. Pessoal massa, viu. Que povo legal. A prima da Carô que emprestou a casa merece ir pro céu. Quatro dias andando de lancha foi realmente uma surpresa muito boa de se ter. Carlão filho da puta. Não é porque ele foi um amor levando a gente pra lá e pra cá que ele pode ficar me dasndo susto, chegando assim, do nada e ...bu! Eu podia ser cardiopata. Eu podia ter bicheira e cair mortinha no chão. Aí eu queria ver como é que ele ia fazer pra superar a culpa dele. Gente, e o Biju? Que figuraça. Foi o homem mais feio vestido de mulher que eu vi na vida! Será que banho de mar mata bicheira? As larvas sobrevivem debaixo d'água? Dá pra matar afogado? Morra, larva maldita..." Socorro, mamãe, socorro!". Tua mãe-mosca não tá aqui pra te salvar, sua besta. Seria mais barato matar assim.Botava Cacau dentro da bóia e a gente arrastava ela com a lancha até as larvas todas morrem ou afogadas ou de susto. Porra, quinhentos reais e de matar um. Eu, no caso. Aquele churrasco na ilha tambem foi especial. Tô toda manchada de novo. Haja hidroquinona. Eu to fedendo a cachorro! Nunca mais como arroz! Me lembram as larvas de moscas. Arg! To louca por uma salada!
Eita, esqueci que tenho aula hoje!
Volta pro mundo, mulher!A vida urge e a realidade é menos paradisíaca.
Voltei.
Tem fotinhas no orkut.

2 comentários:

figbatera disse...

Puxa, o passeio parece ter sido mesmo muito bom; mas, caraca, chegar e ter que encarar um gasto extra desses e ainda o sofrimento do bichinho de estimação...
Só mesmo ficar recordando os bons momentos do passeio pra não se aborrecer de vez.
Vá em frente; um bom ano novo (que só começa mesmo agora, né?)

Marcos disse...

Economizou com a casa emprestada, com o passeio de lancha... Pagou tudo pra doutora Baçodela. A vida é assim, moça, dá aqui, toma ali. Que a Cacau fique bem.