quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Como é que alguém escolhe por livre e espontânea vontade ser dentista?
Estava lá de bocona aberta durante a faxina anual da bocarra e pensava nisso: por que diabos alguém passa vida com o pescoço torto olhando e futucando dentro da boca de outra pessoa, mexendo em um espaço mínimo. Que satisfação dá isso, além de alimentar o lado sádico?
E proctologista? Como é que uma pessoa pode sonhar em passar o resto da vida vendo a mesma paisagem? Um cu de vida, literalmente.
Gineco. Gineco, minha gente! Qual é a graça de ver um milhão de xerecas em decomposição? Tá certo, tô exagerando. Tem um monte de xereca em ordem, mas não deixam de ser xerecas. Qual é a graça de uma vida dessa?
Eu não entendo isso.
Prefiro ser cantora mesmo.

5 comentários:

Georgiana disse...

Xereca até dá para entender se for um homem... de resto, não faço idéia o que leva um ser humano a escolher determinadas funções. Mas, graças a Deus, que eles existem para cuidar daqueles que ficam doentes de tais mazelas. Falando em dentista, preciso marcar minha consulta, mas, sinto tanto cansaço, mas, tanto cansaço que prefiro ficar na preguiça.

;-) disse...

também nunca entendi não. principalmente dentista. conheci uma que dizia sentir prazer ao ver a cara de dor do paciente. abismei com a confissão!

Claudia Lyra disse...

Cara... você consegue pensar nisso tudo na cadeira de dentista sem rir?!?

Vivien Morgato : disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.....

Arnaldo disse...

Não tenho nada contra xereca nem cu. Tem alguns até bem bonitinhos. O que me deixa pasmado, mesmo, é um cara ser dentista. Pra mim, é uma coisa inexplicável. Fazer buraco no dente das pessoas e depois encher de massa. Pedreiro de dente, isso sim. Só pode ser por que dá muito dinheiro!