sexta-feira, 12 de setembro de 2008

segunda estreia!!

Estou nas vésperas da estreia. Óbvio que to maluca com isso porque nunca nada corre dentro dos trilhos. É um festival de atrasos de coisas que fazem parte deste meio mas que me deixa absolutamente doida.
Queria poder dar um piti daqueles, sabe? Um ataque de Diva, soltar uns berros mas de que adiantaria? Nada. Meu berrinho viado não faria surgir na minha frente, como um passe de mágica, as coisas que faltam ser construídas para o espetáculo.
Sim, eu já trabalhei com teatro e sei que é assim mesmo. No sufoco!
Mas isso me deixa bem, bem estressadinha, nervosa e agoniada.
Sei também que tenho cara de pau suficiente pra resolver de improviso muitas coisas, sei que no fim tudo dá certo. Sei disso tudo, só não to sabendo me aquietar.

Aí, no meio dessa loucura, assumo outra produção musical. Um outro espetáculo infantil que precisa de direção musical e trilha, que eu terei ainda que produzir em estúdio.
A estreia é daqui a um mês e eles também não tem nada pronto. E eu, já levemente histérica com o meu show infantil, quase grudo no teto com o tempo tão curto. E o povo do teatro na maior paz, na maior calma. Como é que conseguem?
No dia seguinte da reunião que fechamos tudo, eu já estava lá outra vez com quatro músicas feitas na madrugada e pensadas em relação ao pouco que eu tinha de informação sobre personagens, cenas, o escambau. Pura agonia! Pelo menos já têm alguma coisa pra trabalhar até eu poder voltar minha atenção a esse projeto, depois da minha estreia.

Pareço um trator lavourando.
Além disso, falar de contratos, acertos, pensar de forma geral, ser firme e justa, lembrar de conceitos básicos de relacionamentos profissionais, não me deixar levar pela minha TPM nem pelo meu nervoso. Controlar. Pensar. Ser gentil com equipe de trabalho. Lidar com músico, com produtor, com contra-regra, com bonequeiro. Pensar em tributos, notas, impostos. Ou seja, ser profissional.

No nervoso, não como, mas fumo que é uma beleza. Uma chaminé.
Um amigo quis fazer uma massagem relaxante. No meio da massagem eu pensava em determinada parte do espetáculo, da letra que sempre me fugia em tal canção e meu corpinho continuava duro como pau de tarado em noite de carnaval. Quase apanhei pra relaxar. No fim eu fingia. " Nossa! To super relaxada! Nunca estive tão relaxada. Um poço de relaxamento!"

Não sou de beber pra relaxar, mas eu juro que na segunda feira eu tomarei o mais avassalador porre da minha vida.
Uma mistura de grito bêbado de vitória com suspiro de alívio e relaxamento.
Isso é..se eu tiver forças pra levantar copo na segunda...

3 comentários:

Juliana Hilal disse...

Hahahaha
Faço questão de te acompanhar nesse porre lendário.
E vamos tratar de colocar esse corpinho na balada hoje, amanhã e domingo para relaxar e chegar segunda só alegria.
Beijos

Marina F. disse...

Amiga, estréias para nós!!!!
Merdas! uêba!
É isso, queridona, a gente não pára. Tô louca pra ver o infantil.
E quando vc vem ver minha peça?
bjssssssss.

ninita disse...

Merda...muiiiiiiiiita merda amiga.
Beijo
Ninita