segunda-feira, 14 de julho de 2008

sogras

É muito interessante quando você pode estar em duas situações ao mesmo tempo e olhar os dois lados de uma mesma questão.
Atualmente eu sou "sogra" e tenho "sogra". A minha é uma mulher interessantíssima que eu realmente gosto.
Mesmo se ela não fosse quem é, eu teria gosto de tê-la em meu círculo de amizade. Poucos anos mais velha que eu, uma experiência de vida muito parecida com a minha, gosta de coisas que eu gosto, ri das mesmas bobagens que eu, tem atitudes que eu admiro, um coração generoso e uma alma atenta, ou seja, muitas coisas que nos une, independente de ser a mãe de meu companheiro. E ela me ensina muito quando eu a vejo lidar com o próprio filho.
Já a conheço a alguns anos, de uma época que eu nem ousaria olhar para seu filho porque seria pedofilia mesmo. Ela é muito amiga de uma grande amiga minha que tentou de todas as maneiras fazer que eu tocasse com o filho da amiga e eu nunca dei muita bola porque aquele moleque magrelo ainda tinha muito que aprender antes de sair tocando com uma vaca velha como eu. Mas o mundo deu voltas, o destino resolveu mexer alguns pauzinhos, ele realmente se tornou um grande músico e o que estava predestinado a acontecer, aconteceu sem a interferência de ninguém. Então, quando eu me tornei " nora", eu já tinha algumas referências positivas por ser uma grande amiga de uma grande amiga de minha " sogra". Foi de sua boca que eu ouvi uma das bênçãos mais bonitas de minha vida e não chorei na hora porque fiquei com vergonha da minha extrema sensibilidade.
Hoje eu sou sogra e, devo confessar, começamos mal. Analisando de longe, todo mundo errou. Minha nora por ser inexperiente e ainda não entender como funciona esse tipo de relação e eu por ser um tanto - preciso escolher bem as palavras - autêntica demais e boca dura demais. Na primeiríssima rusga, agi duramente, falei o que queria e deixei minha posição clara para quem quisesse, ou não, ouvir.
Logo na primeira cena do meu papel de sogra, vesti a roupa da figura ortodoxa, só faltando a vassoura e o caldeirão. Levando em consideração que aqui em casa tem realmente um caldeirão e uma vassoura, a coisa ficou bem clichê. Junte isso ao meu senso de humor escrotinho e temos uma história engraçadíssima que só eu e minhas amigas rimos.
Eu aprendi algumas coisas nesse último ano. Eu me vi nos dois lados de uma mesma situação. Sou sogra e nora. Sou mãe e filha. Sou a mesma de sempre, com meus mesmos defeitos e as mesmas qualidades.
Mas uma coisa nunca muda, em qualquer tempo. Toda mãe quer ver seu filho feliz. Quer alguém que ajude seu rebento a segurar o timão do barco, que cresça junto, que não o faço sofrer em vão. Mesmo sabendo que viver é uma coisa que dói, e não tem mãe que consiga impedir que isso aconteça, não queremos nunca ver nossos filhos sofrendo.
Sogra é mãe, antes de tudo. A mãe que já não pode mais interferir nas decisões, que não pode mais segurar pela mão e dizer " vem comigo". Mesmo que estejamos vendo a grande merda que o filho está fazendo, não temos mais poder de fogo para mudar a realidade porque os filhos precisam aprender a fazer as suas escolhas e aguentar o tranco se der algo errado. Se uma mãe interfere tanto ao ponto de negar esse direito ao seu filho, está fazendo um serviço ruim porque não o está deixando viver suas dores, suas vitórias e seus fracassos. A vida continua ensinando com sua mão firme e voz dura. E contra a vida ninguém pode lutar.
O que eu estou querendo dizer com isso tudo?
Eu quero dizer que antes de ser minha nora, é uma pessoa que é filha de outra mãe que, certamente, não quer que sua filha sofra. Antes de ser a namorada de meu filho é uma pessoa que eu posso gostar ou não. Posso ter afinidades ou não. Pode ser uma figura que eu tenha vontade de sair para tomar uma cerveja juntas ou pode ser uma pessoa que eu fale " olá, como vai" e pare por aí. Mas sempre respeitarei o que meu filho decidir.
Mas, por experiência própria, posso garantir que é sempre muito bom quando descobrimos que aquela outra, seja sogra ou seja nora, é uma pessoa interessante, gostosa de estar perto, que nos diverte, que nos ensina. Qualquer coisa dessa.
Ninguém tem obrigação de gostar de outra. Mas também ninguém é, por definição, inadequada.
Uma sogra e uma nora podem sim se dar muito bem e criar um laço, se não de amor e afeto, mas pelo menos de admiração e respeito.
E quando isso acontece...ahh, é um presente tão lindo que merece ser preservado.
E, me diga você, existe cumplicidade maior do que duas mulheres que amam o mesmo homem, mesmo que de forma diferente? Existe interseção mais valiosa que essa?
O amor. Ele, o velho e bom amor, esse sim é que faz as melhores ligações.
E é para a minha norinha que eu começo a semana dizendo BOM DIA!!!!!!



19 comentários:

Amanda Mezêncio disse...

Li aqui hoje exatamente o que eu precisava ler, e queria que a minha sogra estivesse lendo também. Traduziu nessas palavras o motivo pelo qual a minha segunda não vai indo muito bem. :S

Quem sabe um dia eu receba esse Bom dia! Vai saber...

Tatiana disse...

Amanda,
Relações são construídas. Coisa difícil de fazer, né?
Você, nem ela, tem obrigação de gostar uma da outra.
Mas respeito é sempre bom.
Se nem isso rola...bem...mantenha uma distância saudável e evite atritos.
O Tempo ajuda muito.
E, mesmo você não sendo a minha norinha...um bom dia pra você!!!

Amanda Mezêncio disse...

Bom,
Pelo menos o respeito vem acontecendo. Mas ando preferindo manter essa dintância, evita problemas. =)

Uma boa tarde pra você! ;)

beijos

Tatiana disse...

Moça inteligente!

Nora disse...

Ai que delicia, um bom dia que eu tava na esperança de receber um dia...
Não tivemos dos melhores começos, acho que fui pra sua casa já me achando intima de tanto ouvir o Lucas falar de você, e minha relação com ele era bem diferente também.
Mas como eu digo pro Lucas, essa impressão vai mudar depois de um almoço com lasagna verde!

Tatiana disse...

Norinha,
Se voce cozinhAr, eu lavo a louça!
HAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHA

Rodrigo disse...

Tatiana, belo texto.

Acredito, quando uma pessoa é especial, bacana, simpática, é irresistível não se render aos encantos. Por isso sua sogra te considera, pois sabes das suas qualidades.

beijo

Tatiana disse...

Rodrigo,
Olhe eu de novo: você é um "fofo" mesmo.
E eu também não pude resistir aos encantos dela!
legal,né?

nora disse...

Ah! Não duvide de meu poder gastronomico.
Mas da proxima vez me portarei como uma boa visita, e mesmo não querendo, insistirei para lavar a louça hahaha.
Beijos

Rodrigo disse...

Que beleza, Tatiana!

Obrigado, pelo o "fofo".

Ainda bem que enxergou às qualidades dela também, e os defeitos também. só assim se pode respeitar.

Beijo

nora disse...

Mas não quero perder o meu apelido carinhoso hahaha

Tatiana disse...

HAHAHAHHAAHHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHA
Gostei! Gostei do senso de humor!
Pode deixar...
hahhahahaahahahah

Rodrigo,a gente tem que aceitar o pacote toDo, né?

CLICK disse...

Adão e Eva viviam no paraíso porque não tinham sogra. Cuidado nóra, Tatiana é boa em tudo que faz, até em ser sogra (literalmente) todo cuidado é pouco ! Eu hein..

Nora disse...

To mal, recebo ameaça até sem ser da Tatiana hahaha
Mas pode deixar, sei bem o que faço... Passo longe do alicate, e não entro em nenhum barraco com ela (tenho algumas dicas, de uma certa forma já conheço o genio de Tatiana)

Tatiana disse...

Click,
Pare de assustar a moça!

Mônika Mayer disse...

Pôxa... não quero ser tua nora por duas razões: já tenho sogra e teu filhote, namorada. rsrsrsrs

Brincadeirinha, nora e sogra...

Vivendo e aprendendo, Tatiana!!

Mais uma vez, obrigada pelo post inteligente!

Beijos.

MARIA DE SANTOS disse...

QUE BELEZA DE TEXTO.

Carol Tafuri disse...

Poxa mas até lasagna verde ela faz?
Ah então de fome seu filho não morre.!!!!!

Danny disse...

Bonito, Tatiana! Adorei a sua sensibilidade em entender isso tudo, esses dois lados da moeda. A vida é mais fácil quando a gente consegue enxergar os dois (ou mais) lados de uma mesma situação!
Beijos!