sexta-feira, 25 de julho de 2008

Hoje falei para uma amiga que quando eu voltar lá pra cima vou agradecer ao Todo Poderoso pela oportunidade de ter entrado muitas vezes na fila da " regeneração".
Caralho!
Nem eu entendo uma coisa dessas! Mas agradeço do fundo do meu coração.
Me sinto forte. A minha fortaleza vem da certeza que não me falta a mão de Deus sobre minha cabeça. Minha força vem da constância taurina, de estar a muitos anos lapidando minha personalidade, tentando controlar meus instintos mais baixos e mesquinhos. Às vezes consigo, outras vezes não. Quando eu caio em tentação - e caio muitas vezes - na mesma hora tento reverter. Minha humanidade é encantadora...mas meu controle tem que ser férreo senão eu sobro bonito.
Quem mandou eu me meter nessas histórias de magia, de compromisso mágico, de ligação espiritual? Agora eu tenho que segurar o tranco desse compromisso e bancar a parada. Fez merda? Desfaça. Errou, pede perdão. Assim, na lata. Não dá pra ficar escorregando porque a ignorância é uma benção que eu não tenho mais.
Sim. Eu to vendo o futuro. Tá ali, peladão com o pau na mão, bem na minha frente. Tõ vendo algumas noites escuras de alma, sim, eu vejo isso também. Mas vejo muita coisa luminosa.
Já praguejei esse talento. Odiei isso. Odiei ver e ter que calar. Odiei ver e ter que falar.
Mas os olhos da minha alma continuavam vendo. Não quis isso e posso garantir com toda a sinceridade de minha alma que nem sempre isso é bom. É uma boa de uma bosta.
Você quer com todas as forças acreditar em alguma coisa, mas lá no fundo você sabe que vai dar merda. Insiste e a merda se espalha pelo ar. Isso é muito, muito desagradável.
É horrível saber que naquele instante que você pirou, que você fraquejou, que você caiu, sua ação desencadeia, mesmo que inconsciente, uma ação que vai bater em alguma coisa, em algum lugar ou em alguém. Aí que volta aquela coisa do controle, do treinamento, das rédeas nas mãos. TEM QUE SEGURAR! Porque é ação e reação. Vai pra lá, mas volta pra cá na mesma hora e euzinha aqui já me fodo pra segurar as porradas da vida e não to a fim de aguentar mais porrada ainda. Deus que me livre.
Sim...eu sei que acima de mim, de qualquer um existe uma justiça maior, uma justiça divina que é implacável e eu me borro toda de medo dela. Posso ser tudo, menos burra. Já tenho karma demais pra aglomerar mais um. Não. Não e não! Não quero. Vamos limpar, vamos jogar foras as coisas velhas e fedorentas. Não ficar junto karma como quem junta conta paga por cinco anos. Deus que me livre disso! E o pior, que mesmo sabendo disso tudo, juntos algumas contas na minha gaveta.
E quando eu vejo a tal justiça divina atuando... puta merda, eu sou explosiva, eu sou agressiva quando explosiva, eu falo pra cacete, eu mete a mão na cara de um, mas eu não sou má. Não gosto de ver sofrimento dos outros. Não gosto mesmo. Não me dá satisfação nenhuma. Eu tenho essa mania de entrar em empatia com as dores dos outros e isso não me ajuda muito não. Mas mesmo assim, eu vejo. E as dores dos outros se juntam às minhas, e dor pra todo lado, escola de samba Unidos Pela Dor cantando " chorei, todos viram, pena de mim não precisava, ali onde eu chorei qualquer um chorava dar a vokta por cima que eu dei, quero ver quem dava...".
Claro que tem um lado meu que diz..."toma, sacana, vai se fuder...aqui se faz, aqui se paga". Mas aí passa um pouquinho e eu fico com pena. Aí erro outra vez com o orgulho de nunca , nem morta em toda a minha vida, eu demonstro uma coisa dessa. Mesmo que me dôa por dentro saber que a tal justiça é divina e o cacete, que todo mundo tem que aprender, se não for pelo amor vai ser pela dor, aquele blá blá blá de sempre, mas que é sempre chato saber que o preço vai ser pago com dor, com perdas, com sofrimento. Não adianta brigar com isso, porque o preço sempre é cobrado. E alto.
Cacete, viu.
Eu detesto sofrer, mas tem gente que parece que gosta, que não saca a lição, que não entende nada e tem que passar mais uma vez por tudo isso.
Ai, meu Pai do céu, não me deixe abestalhada aqui não. Não faz isso comigo não. O que foi que eu tinha que ver? Mostra, cacete! Esfregue em minha cara porque eu não to a fim de ficar voltando, voltando, voltando pelas mesmas merdas.
Até nas merdas, eu gosto de novidades...

6 comentários:

Marina F. disse...

Caralho, tati.
Que texto mais foda.
Você me ensinou tanto quando passei por momentos como este. Então, use essa sabedoria e dê mesmo a volta por cima.
Você vai voltar ainda mais linda, ainda mais forte.
beijos.

Menininha bossa-nova disse...

Fiquei até meio tonta de ler seu texto. Vertigem. Preciso parar pra respirar.

Adorei a imagem do futuro peladão, de pau na mão. Quer saber? Come ele, boba!

Beijão e bom fim-de-semana!!

Tatiana disse...

Marina....
Eu mal caí. Dei uma tropeçadinha, porque sempre existe uma pedrqa no caminho. Só que a pedra fica lá, no mesmo lugar. E eu...bem ...eu sigo em frente...

Tatiana disse...

Menininha
Espero ansiosamente pra comer o futuro, de pau na mão.

ariadne disse...

HA! Até nas merdas...ah, ainda bem que eu voltei a ler este blog.

E vc tem razão, precisamos ir aprendendo e deixando as merdas antigas pra tráz, que venham as novas.

beijos

Tatiana disse...

Exato, Dona Moça
Detesto café requentado...