terça-feira, 17 de junho de 2008

conversa de bicho

Os três gatinho tomavam sol e conversavam entre si.
-Não gostei desse negócio de jejum espiritual - disse a gatinha.
- A mulher lá diz que faz bem. Ajuda a transmutar karma, purifica o corpinho - o mais novo dos gatos não parecia muito convencido.
- Que purifica nada! É descaramento mesmo! Se você prestar bem atenção, nem nome direito a gente tem. Você, gatinha, é a Pretinha, ninguém te chama de outra coisa. Você, pequenino, é o Pretinho. E eu sou " Filho da Puta". Isso não é justo. - O gato branco estava realmente revoltado.
-Mas você com essa tara por requeijão, sobe na mesa, derruba tudo. Nem sutil sabe ser! O cara grandão fica bravo e sobra pra todo mundo. Eu acho " Filha da Puta" um nome muito bom. Forte, né? Filho da Puta! Vem cá, Filho da Puta! Sai da mesa, Filho da Puta!... Tão sonoro. Melhor que Pretinha...
- Quero nem saber. Eu mordi as pernas dela ontem. Quem mandou demorar tanto pra dar a ração pra gente. Comi, enchi a pança e mordi a canela dela.
-Um belo de um Filho da Puta mesmo.
-Não, senhor. Eu sou é traumatizado. Eu ouvi ela dizer isso. Eu faço essas coisas porque passei muitas necessidades em minha vida, sofri horrores e não tive educação básica. Não é minha culpa. ( uma cara fingidamente sofrida)
-Traumatizado nada! Tú é um safado e ainda vai fazer a gente se ferrar em branco em preto, já que todo mundo aqui ou é branco ou é preto - O gatinho preto era o mais novinho mas o mais sensato - Eu já prefiro a linha " é feio mas é simpático". Esse sou eu.
- Você é um amor mesmo, meu bem. Vem cá que eu vou morder as suas orelhas. Bebezinho da mamãe!
-Ai, como vocês me irritam com essa lambeção toda. Ai! Pera aí! Esse rabo é meu! O que foi? É briga, é? Eu vou entrar nessa também! Eu sou muito letal!
Cabrummmmmmmmmmmmmmm
- E agora? Quebramos mais um vaso de planta! A mulher vai ter um treco! - Pretinho era sensato e meio cuzão mesmo.
-Tem nada não...a gente diz que foi a cachorra fedorenta. Olha! Olha! Tá vindo pra cá. Puxa, dá dó desperdiçar essa terra toda. Deixa eu fazer um cocozinho em cima. Ai que delícia...Eita, o que é isso? Me solta! Não! Não, não fui eu! Foi a cachorra fedorenta! Não! Não! Ai, meu couro. Vou virar tamborim! Sempre sobra pra mim. Sempre!
E assim, mais um dia começa na Casa da Dona Tatiana...


4 comentários:

Mônika Mayer disse...

Olha... não tem nada mais zen do que ouvir a bicharada conversar!! kkkkkk

Meus cães dormiram dentro de casa, na última noite. Estava frio prá caramba aqui e fiquei com peso na consciência.

Fui acordada pela lambida melada de uma enorme pastor alemã e um pulo de uma vira-lata maluca. As duas diziam: "Mamãe, mamãe... já tá claro lá fora, queremos fazer xixi, sai da cama e abre a porta!!!"

Tem mais historinhas prá contar, mas outro dia faço isso lá em casa.

Beijim!!

(ah, chique eu: tô no topo de alguma coisa, pela primeira vez na vida!! kkkkk)

Tatiana disse...

Mõnika,
Uma casa com bicho é sempre uma casa mais animada, mais viva. Eu adoro meu vira-latas fedorentos. E os gatinhos estão enchendo a casa com muita...personalidade!
beijos

PS: sempre que atualizar o blog, ele sobe aqui na minha listinha. Automático. Legal, né?

Ninita disse...

Oi Tatiana, adorei este papo dos gatinhos e senti uma peninha da minha gata que é de apartamento e fica o dia inteiro sozinha, ela é linda toda cinza prateada e se chama Sofia tem seis meses ainda é criança levada, trouxe muito alegria para a casa, dificil é fazer tricô com ela por perto. Beijo e muita saudade.
Ninita (estou sempre por aqui espiando)

Danny disse...

Ninita por acaso é Adri?????
Sou louquinha por bichos! Mas se eu trago um gato pra minha casa, minha mãe tem um treco! Ela não gosta... E eu moro com ela, fazer o quê?