domingo, 11 de maio de 2008

Mamãe querida,

Como toda menina, eu nunca quis acreditar no que você me dizia. Se me avisava que Fulano era um bosta, eu amava ele loucamente.
Se reclamava que ninguém te ajudava nos serviços da casa eu achava que era um tipo de ataque histérico de mulher que não tinha o que fazer.
Sempre achei que sua mania de arrumação era TOC.
Hoje, mulher adulta e mãe, revejo todos meus conceitos e vejo que eu era uma besta completa e você um ser com muita paciência e equilíbrio interno.
Só descobri de verdade o que é ser mãe quando eu virei uma.
E o que que eu acho disso tudo?
Que é sempre uma porra. Dia das mães a gente vai pra cozinha e alimenta todo mundo. Depois a gente lava a louça fingindo que a ajuda foi suficiente. Vai pra cama com os pés cansados e a a consciência cheia de culpa por ter comido tanto.
E adormece com o peito cheio de amor por ter suas sementes crescendo, à nossa revelia.
Hoje, mãe eu te entendo muito mais.
Hoje, que eu sou mãe também, eu vejo o quanto é bom cozinhar para todo mundo, reclamar sempre que posso dos filhos e para os filhos e dormir feliz por ter tanto o que fazer.
É...hoje foi um dia feliz.
Meu dia das mães foi ortodoxamente feliz.
Como você.
Nem tão ortodoxa, é verdade, mas sempre feliz!!

3 comentários:

Claudia Lyra disse...

Gente, esse blog tá tão bonito!!!

Menina, ontem eu não lavei a louça. Me recusei, me rebelei, não lavei e não vou lavar. Só que, daqui a pouco, vai dar bicho. Falei pros hômi aqui de casa que não lavaria a louça, porque já estou de saco cheio de pagar manicure na quinta pra unha durar só até sábado. Não lavo... só que ninguém lava também... Ô VIDA!!!

Tatiana disse...

Cláudia
E o eu blog?
Fui lá e fiquei triste....
Mas teu comentário me deu um alento. Pensava que era só aqui comigo!!
hahahhahahahahahahaahahhaah
No fundo somos um clichê!

Mônika Mayer disse...

Tati!!

Feliz dia das Mães atrasado procê. Com louça, sem louça, fazendo ou não o almoço, a data sempre é especial, até prá quem não tem filhotes como eu.