quarta-feira, 21 de maio de 2008

as viradas que a vida dá

Eu casei algumas vezes. No fim do meu último casamento eu jurei que iria aprender a namorar porque eu não namoro, eu caso. Desde dos 20 anos emendo uma relação séria em outra e sou fiel. Ou seja, passei os últimos vinte anos em relacionamentos monogâmicos. Tudo bem que eu mudo de marido, mas a situação continua. Casamento é compromisso, é palavra dada e eu não sou de sair quebrando meus juramentos. Fico até o fim, mas quando o fim chega parto pra outra e vou vivendo.
Assim fiz.
Em 2004 eu me vi solteira. Gostei da cena. Conheci um rapaz onze anos mais novo que eu, um charme e bem maluco. Ou seja, me encantei por ele. Fui namorar. Namorar é cada um com sua casa, ninguém mistura grana e eu não preciso ficar dando muita satisfação, só aquela basiquinha para acalmar o outro. Namorei, namorei, namorei e o cabra se mostrou mais maluco que pitéu. Acabou o namoro.
Solteirérrima. Muita música, muito trabalho, muitos amigos. Eram tantos que eu decidi transformar um amigo em namorado. Foi ótimo até quando acabou. Sinto mais falta do amigo que perdi do que do namorado. Fiquei triste na época, fiquei muito triste.
Aí apareceu um cabra que foi ótimo porque ele levantou a minha auto-estima, deu uma sacudida na vida e eu dei uma animadinha.
Esse cara acordou um bicho dentro de mim. Virei um perigo de mulher. O tal cara me informa um dia que iria voltar com a namorada. Que coisa, né? Vai então, caralho. Fiquei amuadinha umas duas horas mas a noite me chamava, os trabalhos, as pessoas e eu saí muito bem dessa situação e dei de cara com um outro cara.
Foi foda. Foi ótimo. Foi forte. Foi isso tudo e mais um monte de coisa, quem viu de perto bem que sabe.
Aí meus filhos foram tomando rumo na vida. Eu me vi mais só e mais solta do que nunca. Meu coração não estava só. Eu era uma solteira que tinha pouca experiência em matéria de solterice, mas ainda dizia que não queria mais casar. Um discurso muito bem articulado, meu ascendente é gêmeos, sou ótima em discursos falsos.
Um dia olhei em minha volta e vi tudo isso que falei passar em um segundo.
Caramba, minha vida mudou muito de dez anos para cá. Eu casei, descasei, casei de novo, namorei, desnamorei, namorei d enovo, me encantei, desencantei, me encantei de novo, me apaixonei, caí de amores, fui correspondida e me engruvinhei de vez com alguém.
Eu nunca poderia imaginar que a vida fosse dar essa virada.
Disso tudo a única coisa que eu aprendi é que não se pode querer mexer no caminho que o Destino escolhe pra gente. Se eu tivesse me agarrado naquela paixão louca que eu tive e que eu quase morri de amor, eu não estaria agora do jeito que estou: feliz, acarinhada, amada e amando.
Eu não me vejo em outra situação que não seja essa que eu vivo agora, mas se eu tivesse sucumbido à vontade de dar uma "mexidinha" conforme os meus desejos, eu estaria fodida e mal paga porque meus desejos são temporários, pontuais e ilusórios. Cada hora eu desejo algo diferente que não me garante, necessariamente, a felicidade.
Eu fiquei pensando nisso por causa de uma amiga que é uma pessoa que eu gosto muito mas ela é uma besta completa em matéria de amor. Uma idiota mesmo. E uma estúpida porque insiste em mexer seus pauzinhos conforme seus desejos. Idiota ainda maior porque ela bem sabe que isso não é lá muito seguro. Se ela fosse uma ingênua, se ela fosse uma desinformada...mas não é. O que aumenta o seu nível de estupidez e idiotice.
Vai se fuder, minha amiga. Você vai se fuder ainda mais porque tudo tem seu preço nesta vida.
Pare agora enquanto é tempo e deixe que a sua vida de a guinada que ela naturalmete vai dar. Deixe que a vida viva dentro de você. Deixe que ela seja como uma plantinha que nasce da semente. A gente observa, mas não interfere no curso das coisas naturais.
Não faz isso não, minha amiga. Porque você já não tem mais forças para aguentar o tranco que sempre vem depois. O preço é alto. Posso te dar muitos exemplos, muitos mesmo.
Você me conhece, não falaria isso se não fosse a mais pura verdade. O preço é alto e você não tem idéia onde vai vir cobrar. Fica na tua. Fica quieta. Senta em uma bacia de água fria, mas fica na tua. Guarde esses seus dedos ambiciosos e luxurientos. Fica na tua, minha irmã, porque se você entar no pântano eu, dependendo de quão escuro for, não poderei ir lá te tirar. Você vai ficar sozinha no pântano. Horrível isso. Eu já não posso sujar meus pés no pântano, não mais, agora não mais.
E você também não. Pense nisso.
Não diz que eu não te avisei.

4 comentários:

Sonekka disse...

Diríamos que vc aprendeu a namorar mas não admite

Anônimo disse...

eu admito tudo!
aprendi mas já passei pra outra fase...ehhehehehe

Harpa disse...

Dá muito medo imaginar o preço cobrado de quem "mexe os pauzinhos", como você falou. Isso não é nada bom mesmo...

Tatiana disse...

Não é mesmo, mas mesmo assim os desejos acabam seduzindo e as erdas são feitas.