segunda-feira, 31 de março de 2008

Carríssimo leitor tarado

Eu nem ia dar bola pra essas abestalhações que você me escreveu hoje.
Mas aí eu fiquei pensando que faz tempo que eu não mando alguém a merda, assim de boca cheia, e resolvi não perder a oportunidade de dar uma relaxada.
Pois bem...
"Vá to mar no cu, seu tarado".
Nenhuma mulher em sã consciência ficaria lisonjeada com as besteiras que me escreveu. Nem as mais desesperadas, nem as que não vêem um homem a séculos. Você é groseiro, indelicado, vulgar e covarde porque nem pra usar seu nome você usa.
Já que você me disse o que quis, e depois apagou, eu te direi o que eu quero dizer e essa porra de texto vai ficar aqui pra sempre.
Sai da minha aba, sai pra lá. Vá bater punheta pensando na sua mãe, essa coitada que deve morrer de vergonha de ter um filho desses. Vá se tratar, seu doente.
E eu nem preciso que ninguém me proteja porque eu mesma posso dar um corre em você, seu migué. Mas seu eu precisar, tenha certeza que não ficarei sozinha em uma situação dessa, bestão.
Você muito se engana por achar que " artista" é só coração e alma. Tem um monte de artista que pode perfeitamente de dar um couro, pode ser ogro, mau e cruel. Eu, por exemplo.
Ó, vá procurar a Universal do Reino de Deus. Vá encher o rabo com estabilizadores de humor, pede lá no posto de saúde perto de sua casa e se cuide.
Vá pra puta que te pariu e não me encha o saco.

5 comentários:

av disse...

Ah, leoa!!

Tatiana disse...

growwwwwwwwwwwwwwww



(miau miau miau)

Morena disse...

E no que precisar ... no mínimo eu pego a vassoura.,
ahahahahahahahahahahahah !!!!!

Ugo disse...

hahahahahahahahhaahahha
essa é a morena que eu conheço!!!

Vivien Morgato : disse...

"seu migué" ,foi a melhor parte...rsrsrsr