terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

Cupinzeiro

Este é um núcleo de samba aqui de Campinas que todo carnaval sai com sua bateria ( porreta, por sinal) cantando o samba do ano.
Eu fui, é claro. Como sempre gosto de fiar perto da percussão, mais especificamente das caixas. Então quando a bateria fazia as suas evoluções, eu estava ali, bem do ladinho, sentindo no peito a vibração do som.
Lindo!
Lindo ver os puxadores, três cabras valentes que cantam sem parar o mesmo samba ( haja saco, puta que pariu) por mais de seis horas! O cavaco, o violão de sete, a sanfona! Tudo muito bem ensaiado, redondo, bonito de se ver.
E eu lá, prestando atenção no povo, porque é o povo que me fascina. Me encanta ver as pessoas sorrindo, pulando, sambando. Me encanta ver a doce loucura carnavalesca, os mais arrojados de fantasia, as crianças pequeninas ouvindo e saracotiando os pés, aprendendo a sambar ali, no meio das ruas de Barão Geraldo. É tão bonito isso! Quem samba, vai no pezinho. quem não samba, sai pulando mesmo e tá tudo certo.
Dancei tanto, sambei tanto, cantei tanto que me acabei. E não aprendi a porra da letra. Mesmo depois de cinco horas ouvindo a mesma coisa. Eu sou impressionante mesmo!

4 comentários:

Luciana Farias disse...

È um consolo saber que não sou a única que não aprende letras, rsrsrsrs...

Beijocas, querida!!!

Lord Broken Pottery disse...

Tatiana,
Você que é baiana, de Salvador, deve sentir saudade de quando o carnaval lá era menos comercial. Lembro-me de quando fazíamos nossa mortalha e saíamos no bloco da Pituba. O carnaval, infelizmente, mudou muito.
Grande beijo

Tatiana disse...

Luciaa,
Eu já sou uma piada!
Até eu me sacaneio!

Tatiana disse...

Lord,
Eu não sinto saudade do carnaval de Salvador. Sinto saudade é daquela alegre esculhambaçao, da coisa de rua, da folia mesmo.
Hoje me parece meio insano pipocr pelas avenidas.
Acho que envelheci...