sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008



Comecei este mês a dar as oficinas de canto no projeto Orsa que cuida da Banda Bate Lata. Para quem não sabe, esta banda é formada por meninos e meninas carentes e tem a proposta de inclusão social através das artes..
Um esquema bonito, aulas de percussão, de violão, de capoeira, de video, acesso a internet. Tudo uma beleza.
A grande dificuldade é fazer os meninos e meninas cantarem direitinho. Ainda mais quando estão naquela idade lazarenta de mudança de voz.
Até aí tudo bem. Eu sabia o que me esperava.
Mas eu não imaginava que eu fosse me emocionar com os olhos de algumas crianças.
Sim. Os olhos. Alguns olhos me pegam de forma diferente.
Tem uma menininha lá, deve ter uns onze anos, que tem um jeito tão cheio de alegria, de vontade, me olha como se eu fosse abrir a porta da esperança. Não sei explicar direito, mas existe alguma coisa em alguns que me toca lá dentro do coração.
Nem fico viajando como é a situação familiar, se passam necessidades, se sofrem. Nem entro nessa porque eu me conheço, meu coração de manteiga não é confiável e eu não to a fim de pagar mico choramingando na frente dos meus alunos, mas que acontece alguma coisa dentro de mim quando eu olho alguns olhos, acontece sim.
Aquela menininha mexe comigo. Tem alguma coisa de tão esperançosa nela que me emociona. E a danada canta bonitinho! O que é mais legal.
Cada dia que passa, aumenta mais o número de alunos e eu fico pensando se aquilo que eu to fazendo vai mudar alguma coisa na vida deles. Nem to falando de ensinar a cantar porque eu definitivamente acho que dá para melhorar, mas não fazer um desafinado cantar direito. No peito do desafinado também bate um coração, mas no ouvido de um desafinado deve ter um grão de feijão que impede que ele ouça direito e aí é aquela coisa horrorosa. Mas, por outro lado, além de cantar, existe a coisa de conhecer o corpo, o potencial, de soltar a voz que arrasta uma emoção, uma vivência qualquer. E eu penso que, de certa forma, a minha função vai além de fazer o povo atentar para a sua voz, mas tem haver com sonho, com futuro, com força de vontade.
Eu pergunto porque estão ali, fazendo as oficinas de canto. E todos me dizem que querem ser cantores e viver nos palcos da vida. Me impressiona esse desejo.
Eu nunca quis ser cantora. Primeiro quis ser bailarina clássica ( não riam, eu era menor quando eu quis isso) e depois sonhei em ser médica. Fui cantar somente para conseguir um troco para pagar a gasolina de minha moto e pagar as minhas continhas. Eu nunca sonhei com isso.
Mas ser cantor virou um desejo quase igual a ser jogador de futebol.
Mas nem todo mundo tem o talento natural ou a sina dessa vida.
Mas também nem todo mundo tem aquele brilho no olho. Aquela luz especial que ilumina quem tá ouvindo.
Aquela menininha tem e eu tenho vontade de chorar quando percebo isso.Aquela menininha pode iluminar esse mundão. Eu vi isso. E eu me pergunto aqui com meus botões se ela vai conseguir sair do círculo vicioso da pobreza, da miséria, da marginalidade, da ignorância. Se a fundação lá vai ser útil nisso, se eu vou fazer alguma diferença, se aquela menininha vai conseguir.
Não sei. Mas só posso pedir que Deus a abençoe e que me seque os olhos.
Esse excesso de emoção ainda pode me ferrar.

10 comentários:

Anônimo disse...

"Deus" abençoe sempre você e aqueles que se deixam chorar de emoção. Mudanças sempre haverão. Você as verá...
Cuide-se! E cuide dos meninos e meninos, na Lata...
Beijos
Ronaldo Faria

Danny disse...

Tu é da água, como eu, é?
Emoção é meu sobrenome. Meu mapa tá cheinho de água... e fogo. Quase nada de ar! Doida, né?
Sou louquinha por esses projetos! Vai fundo, nêga!
É, cantar é desejo de metade dos brasileiros! A outra metade é desafinada e joga bola! Ih, conta errada: tem uma boa parte que nem come pra poder brilhar nas capas de revistas, e tá aí sonhando em ser BBB... Afe!

Anônimo disse...

fazia tempo que não entrava no seu blog...querida bem vinda ao trabalho social...trabalhar em prol do bem comum melhorar a qualidade de vida de alguém essa é uma missão para poucos tenho certeza que voce atravez da musica vai conseguir muita coisa...mas te prepara que o começo é assim mesmo...

Vivien Morgato : disse...

tati professora.adorei.;0)

Tatiana disse...

Ronaldo,
Tô com a cabeça lá pelas panelas...

Tatiana disse...

Danny,
Não sou água não. Pelo menos, não tanto assim. Sou seu inverso. Sou um monte de terra com ar. ahahhaha
mas tenho estes ataques como vc...emoção...sei lá;;;viagem...vai saber...

Tatiana disse...

É, querida,
eu sei..tem que criar uma casquinha, ne?

Tatiana disse...

Vivien,
hahahahhahahahahhaahahhahahaha
a professora mais aloprada, que poe a moçada para soltar os bichos...to me divertindo , sabia?

Nóis disse...

Olha Tati, sou designer gráfico e vira e mexe me pego pensando se podia fazer algo por essas instituições... Sorte a sua poder fazer... se vai fazer diferença, já faz, a partir do momento que aceitou o desafio, se é que é algum desafio fazer o que nosso governo deveria... mas deixa pra lá, é outra história isso...

Sobre ser artista... se tornou profissão da moda... as crianças de hoje em dia, não tem escola (item que me veio a cabeça) para pensar em ser um médico, um arquiteto ou o que for... se desmerecer é claro a profissão artista.

acho que é isso. faça com o carinho que tem, que verá a diferença...

até.

jouhilton disse...

Ola! Gostei muito do seu blog
super bacana adorei os textos e espero, que quando vir ao ES outra vez eu possa estar presente para te assistir

tambem trabalho com crianças gosto muito .
há Como posso adquir seu cd onde posso comprar me diga.

grande abraço muiscal