quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Cantança pra criançada!

Fiz o show para a garotada lá no Parque Ecológico.
Quero que vejam a cena.
Um parque imenso, lindo e meio abandonado. Várias coisas acontecendo ao mesmo tempo, vários palcos montados mas o lugar é tão grande que nem dá pra ver onde o outro palco está.
Um monte de ônibus trazendo crianças de escolas municipais. Criança andando de filinha, criança correndo loucamente e uma pobre professora berrando atrás. Criança preta, branca bege, suja, limpa, gorda, magra, criança do jeito que quiser. Tinha criança pra caramba.
O palco em que estávamos era alto, mais de um metro do chão, e na nossa frente cadeiras brabncas de plástico onde as crianças sentariam. Sei lá quantas estavam lá. Umas duzentas? Mais? Não sei. Só sei que era um mar de cabecinhas e olhos atentos.
Como falei, eu tinha esquecido do show ( mea culpa ) mas eu conheço o poder dessas canções e conheço também essa galera que me acompanha. Eles iam segurar. Eu sabia.
Aquele barulho dos infernos, a criançada berrando, mas todas sentadinhas nas cadeiras e lá vinha mais criança! Pareciam formigas!
Muitas!
Comecei o show explicando que eu tinha feito estas canções quando eu dava aula de música e as professoras de sala sempre me pediam canções sobre temas que eu não sabia nenhuma canção. Por exemplo, você conhece alguma música que fale de tartaruga? E de elefante? E de fogo? E da Mula- sem-cabeça? Pois agora pode saber porque nesse cd que eu lancei tem tudo isso.
Comecei a cantar as canções e intercalando coma s músicas iia explicando que instrumento estava sendo tocado. Ó, gente, este instrumento que o Ugo está tocando é o baixolão, tem um som grave e gordo. Esse aqui que o Du está sentado em cima se chama cajón ( se pronuncia carrom) e é um instrumento peruano, é uma caixa de madeira e dá pra se tirar som dele.
E assim foi.
A criançada entrando na minha. Fazendo coral! A coisa mais linda! Ainda bem que não me deu aquele ataque de bobeira que me faz chorar nestas horas e eu fiquei ali, firmona!
Eu cantava:
Dorme na terra...
Eles berravam de volta:
A SEMENTINHA!
Um coral gigante de criança que ria e cantava comigo.
Naquela hora não tinha preto, branco, bege, sujo ou limpo. Era todo mundo gente que gosta de música. Eu, o Ugo, o Du, as professoras, a criançada. Todo mundo estava ali e ninguém pensava na conta negativa do banco, nos problemas da vida, nos amores que arrebatam e fazem gemer a alma, no coleguinha que jurou pegra no fim da aula, no pai que bebe, na mãe que chora. Não! Naquela hora erámos um montão de gente cantando e mexendo o corpo, todo mundo ali, juntinho, ligados e agarrados pelo poder que a música tem.
Quando nos avisaram que tínhamos que parar porque as crianças iriam fazer um lanchinho e tinha uma moça que iria cantar um canção para eles, ficamos tristes!
Queríamos tocar mais! Fazer mais!
Saí de lá com a alma leve, feliz de minha vida e completamente louca pra mostrar este trabalho pro mundo.
Aí, caro leitor!
Não quer levar este show pra sua cidade não? É tão lindo! Vale à pena, eu garanto.
Vamos fazer mais gente desse mundão ficar feliz, como ficamos nós todos lá no Parque Ecológico.
Eu faço a minha parte de cigarra, mas preciso que algumas formigas me ajudem a correr mundo com isso.
Tô tão feliz, sabia?
Me sinto útil. Útil com a música que sai de mim.
Essa sensação é uma coisa que eu não sei se quem não é compositor entende. Minha música sendo cantada por um monte de criança!
Puxa, agora tá me dando vontade de chorar.
Adorei.
Muito.

12 comentários:

Marina F. disse...

Que lindo, Tati.
João é fã deste CD.
beijo.

Tatiana disse...

Marina,.
Fiquei feliz mesmo.
Muito diferente qe tocar para adulto, na noite. Outros astral. Outra energia.
To nova aqui. Cheia de gás!

Anônimo disse...

Se vc aceitar, te trago pra cantar aqui em casa!!

Danny Reis disse...

Poxa, que legal, Tatiana! Pois eu vi a cena direitinho. E nela, você deixava cair uma lagrimazinha. Só uma, mas deixava!
(risos)
Pois eu choraria! E nem sou compositora... :)
Beijão!

Claudia Lyra disse...

Ai, chorona!!! Mas, do jeito que você contou, levou a gente junto contigo. Amei.

Anônimo disse...

Vem cantar no meu cafofo.

Anônimo disse...

ha ha ha ............

Tatiana disse...

Eu só canto no cafofo de um, meu bem...

Tatiana disse...

Sou mulher de um cafofo só!
hahahhahahahahhaha

Tatiana disse...

Danny e Cláudia
Eu não chorei durante o show, o que já foi um grande passo para mim que choro com as coisas mais absurdas.
Depois é que pegou...

Marina F. disse...

Que abusado este anônimo...
haha.

Tatiana disse...

Marina,
Abusado e cafofente..eu sou lá mulher de cantar em cafofo??
hahahahha
Cafofo!!