quarta-feira, 19 de setembro de 2007

A maior aglomeração de mosquitos gigantes está no meu quarto.
São muitos!
São milhares!
Eu eu sou uma assassina de mosquito. Eu sou cruel porque fico caçando eles, travesseiro na mão, pulando na cama, estraçalhando seu corpo fino e suas pernas longas contra a parece que um dia foi branca e hoje é toda salpicada de mosquitos.
Eu deito na cama.
Eu fecho os olhos.
Aquele barulhinho irritante.
Minhas orelhas vermelhas de tanto que eu bato nelas, tentando acertar eles.
Quando eu acerto eles morrem e grudam no meu cabelo.
Uma gastura medonha com a idéia medonha de ter um mosquito morto emaranhado em mim.
Eu acho que os mosquitos são desnecessários ao mundo. Como são também as baratas.
Assumo que sou uma "mosquitocida".
Amanhã compro uma arma química letal.
Um spray que mate mosquito sem que eu tenha que suar tanto.
Por que está dando tanto mosquito, cacete?

4 comentários:

Ninita disse...

Oi Tati, adorei aquela festa louca, adoro gente diferente com cultura ou sem cultura e admiro a capacidade desta mistura, ninguém se achando melhor que o outro porque se vc der chance o outro sempre vai te ensinar algo que vc não sabe. Beijo e muita saudade.....

Tatiana disse...

Saudades também Dona Gaucha...
Beijos Ninita

Bruno Ribeiro disse...

Simples, acenda uma vela de citronela no quarto. Também dá certo vela com essência de andiroba.

anna v. disse...

Eu sofria desse mal, mas encontrei a redenção. Eles continuam vindo, mas pelo menos agora eu os vejo sofrer.
http://terapiazero.blogspot.com/2007/08/schadenfreude-de-novo.html