quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Isso aqui é do cacete!



Elis é uma referência forte para a maioria das cantoras.
E ela sabia escolher repertório. Aqui ela canta "Vou deitar e Rolar" e " Aviso aos Navegantes", ambas de Baden Powell e Paulo César Pinheiro. E eu posso te dizer, de carteitinha: saber cantar a canção certa na hora certa, faz um bem do caralho!
Falando em cantar e em caralho, ontem assisti a Bárbara Rodrix, filha do Zé Rodrix. A menina tem dezesseis anos e compõe como gente grande, bicho! Coisa mais bunitinha, precisa ver! Tô aqui pagando um pau pra mocinha porque eu tenho faro, aquela ali vai realmente dar o que falar.
Agora ouçam com atenção a boa e velha Elis e podem esperar. Bárbara. Rodrix. Esse nome vai aparecer por aí, daqui a pouco. Podem escrever.

Vou deitar e rolar

Não venha querer me consolar
Que agora não dá mais pé
Nem nunca mais vai dar
Também quem mandou se levantar
Quem levantou pra sair
Perde o lugar

E agora, cadê teu novo amor
Cadê que ele nunca funcionou
Cadê que nada resolveu

Quaquaraquaquá, quem riu
Quaquaraquaquá, fui eu
Quaquaraquaquá, quem riu
Quaquaraquaquá, fui eu

ainda sou mais eu

Você já entrou na de voltar
Agora fica na tua
Que é melhor ficar
Porque vai ser fogo me aturar
quem cai na chuva
Só tem que se molhar

E agora cadê, cadê você
Cadê que eu não vejo mais, cadê
Pois é quem te viu e quem te vê

Todo mundo se admira da mancada que a Terezinha (belezoca)deu
Que deu na pira
E ficou sem nada ter de seu
Ela não quis fazer fé
Na virada da maré
Breque

Mas que malandro sou eu
Pra ficar dando colher de chá
Se eu não tiver colher, vou deitar e rolar

O vento que venta aqui
É o mesmo que venta lá
E volta prá mandingueira
A mandinga de quem mandigá


Aviso aos navegantes

Esse ano vai sobrar um
Quem falou já morreu
Quem sabe dele sou eu
A vida quem dá é Deus
Quem é malandro não dá
Vidinha boa a ninguém
Malandro traz no cantar
A pinta que o canto tem
Briga com quem sabe mais
Não dá camisa a ninguém
Olha, aqui você faz
Aqui mesmo vai entrar bem

2 comentários:

Adriana disse...

Barbarella, ô, que vontade de ter estado lá pra ver minha amiga! Ela arrebenta, né, não?

bjks de Nini

Lord Broken Pottery disse...

Tati,
A Elis sempre me emociona, acho que nunca vou deixar de me emocionar com ela. Poucas pessoas vi dominarem tão bem a técnica de cantar. Não conheço a filha do Zé Rodrix. Logo vão voltar a falar em genética. Essa coisa de genética é um saco. Ela passa a vida inteira vendo e ouvindo o pai cantar e tocar, depois a coisa toda está no gen.
Beijo