quarta-feira, 6 de junho de 2007

Vinte anos se passaram...



Eu e Carô, parceira de muito, muitos anos. Fazendo pose nem me lembro para que. Me lembro desse biombo ai de trás que ninguém queria colocar na sala e eu, chique desde sempre, achava que morava com trogloditas que não tinham noção alguma de decoração moderna.
Acabei colocando na frente do meu armário, no meu quarto, absolutamente inútil, mas lindo...
Eu e Carô cantávamos juntas e todo mundo achava que éramos irmãs. Quando não nos confundiam. Muitas vezes disse a ela:
-Carô aquele cara chegou para mim e disse " Carô , eu te adoro desde da época que te via no IFCH, no curso de história", então fique sabendo que ele te adora e é meio esclerosado!
Ela por sua vez, recebeu muitos parabéns pelos filhos que nunca teve. Eu que tive.
E erámos assim.
Sempre que eu fazia alguma coisa que me envergonhava, eu negava até a morte e dizia que tinha sido Carô, assim mesmo, descaradamente.
Um dia me viram na maior alegria, dançando de me acabar.
- Aí, hein, Tatiana, tava na farra, né? - Aquele risinho besta.
- Eu? Jamais. Era Carô.
-Carô? Dançando daquele jeito? Na boquinha da garrafa? Carô????
-Pois é..cachaça é uma merda, uma merda...
E ria, ria e ria muito.

Eu, abestalhada como sou, adorava fazer piada em cima do palco, só para ver ela se acabar na gargalhada. E quanto mais ela ria, mais eu me empolgava e mais besteiras dizia.
E ríamos, ríamos, sempre rimos muito.
Conversávamos sem dizer uma única palavra. Só no olho. Nossas piadas internas eram imensas e ninguém entendia o que nos fazia gargalhar tanto.
Ela me ensinou a ouvir muitas das coisas que ouço hoje.
Com ela tomei o banho de ervas mais frio do universo. Um frio da porra lá no Guará, um balde de água congelada cheia de pedacinho de planta dentro. E nós duas voltando para casa, de ònibus, morrendo de frio, mas rindo de se acabar porque cada uma tinha um monte de restos de plantas no cabelo. Na mesma hora nos denominamos : As irmãs-moita!
Carô cuidando de meu filho mais velho para eu poder sair em Sampa e dançar. Quando volto, tá lá Lucas, todo enroladinho com uma fralda imensa que envolvia tudo, menos o pinto e a bunda do moleque!
Eu e Carô jurando, dentro do Sagrado. Alma na alma. Para sempre irmãs.
Lindo isso, né?
Pois é.
Esta aí de cima é uma das criaturas com o maior coração que eu conheço.
Briguei muto por ela. Minha fama de briguenta nasceu com essa parceria. Mentira. Eu já tinha fama antes. Digamos que aumentou. Carô, com aquele jeitinho meigo não arranjava confusão com ninguém, mas quando isso acontecia, boteco é foda, eu que tinha que ir lá e acabar com a bagunça. Já me estapeei com mulher bêbada em corredor de bar por causa dela. Chamou minha amiga querida do coração de , nem lembro, acho que foi de boba. Veja se eu posso com isso. Meu vexame pessoal sem culpa porque ninguém chama Carô de boba assim!!!
Minha amiga tão querida...
Ela é que a responsável pelo site MPBNET onde hospedo minhan página oficial. Sem ela, eu não teria nadinha de nada.
Então, este texto é uma declaração de amor. Um daqueles que já dura vinte anos.
Puta merda, nem vi passar.
Mas o amor...ah, esse continua igualzinho, se não for maior ainda.

8 comentários:

Lord Broken Pottery disse...

Tatiana,
A sua declaração envergonhada no blog da Vivien me fez voltar. Nem que fosse pra me desculpar. Li a história emocionado. Adoro relatos que falam de amizade. Sempre que posso escrevo sobre amor ou amizade incondicionais. É como acho que os dois devem ser, acima de qualquer coisa. Gostei muito daqui. Voltarei mais vezes. Botarei um link no Lord pra facilitar.
Grande beijo

Danny Reis disse...

Que declaração mais legal!!!! Amei! Também tenho uma amiga assim, graças a Deus! :)
E eu conheço a Carô!!!! Virtualmente, mas conheço, uai! rs...
Beijão!

Claudia Lyra disse...

Que lindo!!! Ai, que amizade assim vale muito mais do que ouro!!

Vivien disse...

Tati, lindo demais.;0)

tali disse...

Lindo! Foi pelo blog dela que conheci o seu. :)

(Mas o mais impressionante/irritante é que eu, pessoa desconfiadíssima, passei a adorar a Carô com 5min de papo! Pergunta pr'aquela... moça.)

tali disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
tali disse...

E sobre o post do "dia do quentão": estava eu, recuperando-me de um porre de vodca, com três latinhas de cerveja na geladeira. Encontro ela on line e pergunto: não sei o que faço com essas três latinhas, nem me recuperei do porre ainda!

E ela: Ué... Por que você não toma as cervejas logo?

E ficamos conversando... Eu tomando cerveja e ela whisky. rs

Anônimo disse...

Caraca, que blog doido... Eu sempre achei que era o da Carô!