domingo, 28 de janeiro de 2007





E assim a semana começou!
O inusitado vindo do alto.
Teu som retumba em mim.
Eu feliz por poder me molhar.

A água que desce dos céus lava a alma e o corpo.
O frio evapora no corpo que sua.
Trovão dentro de peito.
Clara Nunes peguntando Cadê Ogum...
E a noite de domingo começava feliz.

Faz muito tempo que não tomo de chuva.
Faz muito tempo que eu não sei o que é me deixar molhar.
Bem molhadim, molhadim de chuva
Faz muito tempo que eu não sei o que é pegar um toró...
Ficar na chuva quando a chuva cair
De não correr pra se abrigar, se cobrir
E ser assim uma limpeza total
Estar na chuva e ser um banho
Na chuva
E ser um banho...
(Gil)


PS: Ugo e Vanessa, companheiros de temporal...

6 comentários:

Gi disse...

Ai que delícia de imagem!
Outro dia fiz a mesma coisa, só que na janela do apartamento, metade pra fora, metade pra dentro. Resultado? Felicidade instantânea e três dias de dor de garganta, coisa que a cerveja gelada curou!
Inpsirador!

Tatiana disse...

Por isso tomei banhozinho quente eum chaziho gostoso no final de tudo.
Eu estava precisando disso!

João disse...

Teu corpo cortado de água.
Meu corpo aqui te olhando por sobre o muro de tua casa.
Tua saia girando molhada, teu cabelo coberto de nuvem, teu sorriso de trovoada, teu corpo de égua forte, teus braços para mim.
Eu, a tempestade que te lambe a pele.
Eu, ventania e raio.
Eu, um aquele que você nem conhece.
Mas eu sempre te vejo por aqui.

Anônimo disse...

Queria eu estar contigo também, minha amiga...

Bicho-Grilo disse...

Coisa de bicho-grilo .

quina vida disse...

chuva, peço que caia devagar...