domingo, 28 de maio de 2006

É..parece que não vai ter jeito mesmo, a situação de Mathues é irreversível, tenho que tirá-lo da escola para que não haja complicações maiores e permanentes.Assim que acabe o semestre, que falta muito pouco, ele retorna para a antiga escola. Lá, pelo menos, ele tem amigos que fiz questão que ele mantivesse contato, visitasse, dormisse na casa. A volta será como retornar para um ninho quente e conhecido.
Mas me sinto mal por meu filho passar por isso. Eu realmente acreditava que ele iria para umnde colégio, com gente capaz de recebe-lo, com infra estrutura para dar uma educação melhor e mais cuidada.
Tive uma conversa com ele muito séria. Perguntei se ele realmente queria voltar para a antiga escola e ele confirmou. Expliquei que isso não deveria estar acontecendo, de jeito nenhum! Era um erro da escola mas era um erro desses meninos, que, com certeza, deviam passar por algum problema para ficarem dese jeito. Mas que havia ali uma lição importante para se aprender. Se dói tanto sofrer esse tipo de agressão, não faça com os outros aquilo que você sabe que dói. E que eu admirava a capacidade que ele tinha de me contar as coisas porque deveria ter muitas crianças passando por isso nesse mundão e não conseguiam falar com os pais, ou com alguém e essa atitude dele foi muito saudável e corajosa.
Ele me responde, sei lá de onde:
-Mãe, a pior vítima é aquela que se cala.

Ouvi isso de um menininho de 11 anos e fiquei muito impressionada.
Ele está certo.
Vítima não tem que se calar e por isso, vou formalizar estas queixas todas. Para que as crianças que não conseguem se fazer ouvir, não passem por isso naquela escola.
Faço por meu filho e pelos filhos dos outros.
Faço mesmo ouvindo que eu não deveria expor ainda mais Matheus. Que eu deveria tirar da escola e esquecer isso porque a briga é de cachorro grande, essas escolas têm conchavo com a Secretaria de Educação,
Mas se uma escola pensa em criança como dinheiro, pensarei em escola como serviço. E o serviço foi falho e as conseqüências são muitas. Se eu compro um produto quebrado, reclamo e me trocam. Para isso existe o PROCON.
E para uma escola que não faz seu trabalho quando eu confiei nela para cuidar da integridade de meu filho? Para quem reclamo? Onde?
Meu filho me ensinou isso.
A pior vítima é aquela que se cala.

7 comentários:

Bruno Ribeiro disse...

Mete um processo no diretor, Tatiana. E publique um artigo no jornal, falando do que aconteceu e dando nome aos bois.

Tatiana disse...

comecei hoje esta batalha!

Ronaldo Faria disse...

Afinal, que escola é essa?
Dá pauta no jornal.
Ronaldo Faria

Vivien disse...

Como professora sei bemo que as crianças enfrentam em relação a isso,eu mesma,quando criança,passei maus e inesqueciveis bocados....;0((((...
Creio que sua atitude foi a mais correta,infelizmente,mesmo quando a escola é preocupada com esse problema( nãosei se era o caso da escola dele) é possível corrigir.Já vivi situações beeeeeeeeeem complicadas dentro do universo escolar ...e olha que sou muito, muito preocupada com o aspecto emocional dos meninos.
Se ele continuou com o vinculo com a antiga escola,se ele se sentiu ativo ao reagir aos sacanas da ex-escola,pode ter certeza que ele já conseguiu muito.
Um beijão pra vcs dois e espero que a nova-velha-escola o receba de braços abertos.

ariadne disse...

Sim Tati dá pauta no jornal e dá queixa no Ministério Público. Escola tem sim responsabilidade pela integridade física e moral dos alunos. Se não quiser deixar pra lá , faça uma denúncia no MP da tua cidade, ela pode até ser anônima, se vc quiser.

bjs

Márcia Nestardo disse...

Fiquei arrepiada com a frase do teu filho e também com a tua coragem de tornar público o problema, e não se calar. Precisamos movimentar as cabeças de todos os envolvidos com educação, sobretudo a educação dos pequenos, pois a violência e agressão sistemáticas existem sim em toda parte. Se nos fecharmos em soluções caseiras sem ao menos noticiar, sem lutar, estaremos sendo omissos e coniventes.
Não sei se tua intensão era só contar o que estava passando, ou se no fundo precisava de colo e suporte, não sei. Mas tenha de mim a concordância, a força e todo carinho do mundo pra você e pros teus meninos.
Abração de amiga/mãe.

Salete disse...

Nem sei direito como vir párar aki na sua pág. Estava pesquisando sobre o bullyng, caí aki, li sobre seu filho. Sou estagiária de psicologia numa escola pública, a demanda encontrada foi em relação ao bullyng, por isso no próximo semestre farei uma intervenção neste sentido na escola. Isto é muito sério, tá dando uma polêmica louca agora. A questão da violencia escolar é tão importante para ser discutida neste ambito qto português ou geografia!
Gostei muito desse blogger. Parabens!