sábado, 18 de março de 2006

RICOS EXISTEM...EU VI!


Como Deus é pai, não é padrasto, apareceu um trampo de surpresa para tocar em um restaurante dentro de um hotel hiper-super-mega chique em uma cidade perto de Atibaia. Morungaba?? Será que é isso? Não me lembro direito. Mas me lembro direitinho que a tudo ali era muito, muito elegante, caro, vip.
Para começar, a estrada era uma merda, mas quem precisa de estrada quando se chega de helicóptero?
O banheiro do restaurante tinha um sabonetinho líquido maravilhoso. Loccitane. Pra lavar a mãozinha no banheiro público do restaurante. Me deu uma vontade louca de levar pra casa, mas eu não achei nada que pudesse receber o sabonete dos deuses, sem falar que eu fiquei com medo que tivesse câmeras escondidas e eu ser pega no flagra roubando sabonete de banheiro seria muito vergonhoso. O banheiro feminino tinha essência de lavanda e o masculino de capim-limão. Tudo tão bom que dava vontade de beber o sabonete todinho.
A sala de jogos tinha uma mesa de xadrez toda trabalhada e as peças deveriam ter uns quinze centímetros de altura. Dois computadores de última geração, banda-larga, claro. Um cavalo de papel-machê que devia valer o valor do meu carro. Carrinhos de golfe para fazer os especiais hóspedes para cima e para baixo. Especiais mesmo porque o hotel só tinha quinze bangalôs. Coisa para poucos. A piscina aquecida mudava de cor.
A outra piscina, que ficava ao tempo, tinha uma borda meio cafona em neon e cascatas descendo por todos os lados.
O restaurante era um luxo só.
Não tinha ninguém quando chegamos e fiquei ali, no sofá de couro branco, folheando uma revista que eu não reconheci o nome. Fui ver as repostagens, ( não aguento ver uma revista que tenho que pegar e passar os olhos).
Matérias:
- Como ser um milionário discreto.
- Rolls-Royce - O carro dos poderosos.
- Malas de viagens de última geração -preços variando entre 1.500 dólares e 25.000 dólares.
Acho que com estes preços essas malas devem voar, fritar ovo, bater punheta e dizer EU TE AMO. Não é possível uma coisa dessas!
Um universo completamente diferente da minha realidade. Os Ricos ricos mesmo. Aqueles que podem pagar mil reais de diária. Pagar para andar de helicóptero, para lavar a mãozinha com sabonete francês no lavabo da vida.
E eu ali, cantando como uma siriema e sem poder tomar coca-cola porque aquele hotel podre de chique só oferecia para os músicos, água. Mas a água vinha em uma jarra de cristal maravilhosa! Coisa fina, minha gente. Uma taça ue dava vontade de pendurar na orelha de tão delicada. O produtor teve que garantir que pagaria as quatro latinhas de coca-cola que eu e o percussionista tomamos. QUATRO!!!!!! Só quatro. E latinhas ainda.
Não entendo estas discrepâncias. Sei lá, vai ver que se músico toma coca-cola demais pode sair fazendo pum demais e abalar a harmonia perfeita daquele mundo encantado. Ou quem sabe ficar doidão de coca-cola e passar a mão na bunda milionária de alguma coroa. Melhor garantir, né?
Ahhh...vai se foder, antes que eu me esqueça!!!! Pode pegar estas latinahs de coca-cola e socar tudo no santo rabo rico de todo mundo aqui!
Eu que sou pobrezinha não regulo coc-cola para ninguém, por mim todo mundo toma coca-cola, fanta uva, guaraná Antartica, Caçulinha.
Bando de mão de vacas.

5 comentários:

Anônimo disse...

Tatiana... Que baixaria! Veja só: você não é chique porque liga para latinhas de coca-cola. Eu, quando vou tocar neste hotel, digo logo que quero tomar o vinho mais caro do carta. Eles negam.

Gika disse...

Tati, uma vez conheci um Hotel que dava vontade de usar a pia do banheiro como travessa de salada...de tão linda, sabe essas sobrepostas...ahahaha? Rico é uma bosta. Uma vez fui jantar na casa de um casal rico, morri de fome...teve salada de acelga com rabanete, bonita a arrumação que só vendo....sopa e pra tomar, água, na respectiva jarra de cristal tb, claro! Depois os pobres somos nós...qdo vejo essas coisas tenho vontade de mandar tomar no olho, sabe aquele olho? Então... bem no meio dele...hehehe.
Beijoks!

Bruno Ribeiro disse...

Tati, é como eu sempre digo: ricos não têm coração, eles são andróides. Se afaste deles antes que seja cooptada e se transforme também numa andróida! Um dia fizemos uma roda de samba num boteco em que ninguém conhecia a gente! Acho que tomamos umas 114 coca-colas e umas 427 cervejas! Não pagamos nada e ainda o dono da espelunca pediu desculpas por qualquer inconveniente! Às vezes me pergunto sobre o significado real da palavra "riqueza". Um beijo!

Ronaldo Faria disse...

Riqueza significa amealhar bens em grande quantidade, abundância, fartura. E para você amealhar, não pode dividir. No máximo, redistribuir através de uma garantia explícita que o valor retornará um dia, igual ou maior. Logo, a Coca-Cola em lata que custou alguns centavos ao hotel tem seu preço elevado graças ao entorno, ou seja, o luxo dedicado a poucos abastados ou abestados que conseguiram reunir alguns milhões de reais ao longo da vida e exploração de outrem.
Mas, não ligue. No final, como diria Rita Lee, tudo acaba em bosta. Mesmo que parte dessa bosta desça a sete palmos lavada com sabonete francês. Enfim, cada um com seu cada qual. Agora, que a usura é uma escrotidão do inferno é. Mas sem usura não há riqueza. E eles não podem continuar aproveitando seus espaços de lazer e convivência de “iguais”. Rico há muito aprendeu isso. E quem os serve, no caso o hotel, tenta repetir a lição.
Do também pobre, Ronaldo Faria.
Ps.: Se quiser Coca-Cala, até de 2 litros, é só me ligar. Pra você eu compro. E gelada!

Ronaldo Faria disse...

Faltou perguntar: Você ao menos foi aplaudida?
Ronaldo Faria