terça-feira, 21 de fevereiro de 2006

Pateta, o motorista

Pois é...
Eu me lembro de desenho em que o Pateta aparecia super pacato mas quando entrava no carro virava o cão de calolão chupando manga.
Um dia desses tive um ataque de Pateta. Vinha eu dirigindo calmamente às sete da matina pelas ruas de paralelepípedos da Maria Monteiro. Aquela rua é quase uma montanha russa, eu vi um desnível enoooooorme, tive que reduzir e um louco, maníaco, motorista de um gol branco encardido e fedorento me deu uma buzinada tão histérica que quase botei meu DIU pra fora, tamanho o susto!
Olhei pro retrovisor e estava ele sacudindo as mãos, me xingando de um monte de coisas, li direitinho nos lábios dele.
Mas, ora vejam só. Eu tinha que reduzir!!! Queria que eu voasse com meu querido uninho???? Não é um batmóvel, é meu uninho branco, o Branca de Neve, pô!
Quando dei por mim eu estava gesticulando ainda mais que ele, botei a cabeça pra fora, xinguei ele de bobo, besta, biltre, bicha, bundão, bunda mole, baitola, boiola ( xingamentos em B são muito sonoros), passei pra letra C, foi uma enxurrada de caralhos, vai tomar no cú, criminoso, câncer do trânsito campineiro, caspita, corno, cacete, caralho, cuiuiu ( esse eu não sei o que significa mas achei tão criativo).
O louco da buzina ficou mais louco, veio pra cima de mim e quando emparelhamos o carro deu de cara comigo, meu filho boquiaberto no banco de trás e meu namorado, com aquela cara de traficante turco que ele tem que, realmente, é de dar medo. Silo olhou para ele e não fez nenhum gesto, nenhum movimento, um olhar no fundo do olho do outro.
O maluco acelerou, me deu uma fechada, esperou ficar bem longe e voltou a me xingar. Mas não se meteu mais a besta.
Agora eu me pergunto se eu estivesse sozinha, sem meu traficante turco de plantão, as coisas acabariam assim.
Por essas e por outras queeu tenho um enorme guarda-chuva quadriculado. Qualquer coisa, abro e saio voando por cima do maledito!

9 comentários:

Ronaldo Faria disse...

Cuidado, não deixe a violência no trânsito tomar conta de você. Lembre da propaganda oficial: "Não faça do seu carro uma arma".
Cuide-se
Ronaldo

Claire disse...

Já passei por isso, sendo que eu tava num cruzamento e o homenzinho que tava no carro de trás queria porque queria que eu atravessasse na frente dos carrinhos que vinha na outra pista, ele buzinava de uma forma! Eu tive que contar até dez várias vezes, até que pude passar, e só de sacanagem fiquei andando a 20Km/h na frente dele, até que ele ficou muito puto e ultrapassou...rs. Foi estressante, mas no final me diverti.

Sobre o Cuiuiú disse...

Agroindústria de Cuiuiú expõe no Shopping Iguatemi

Para comemorar a semana do artesão, o Sebrae Paraíba está promovendo a Mostra de Artesanato, de 10 a 30 de março, no Shopping Center Iguatemi.
Entre os participantes da mostra, está presente a agroindústria da comunidade de Cuiuiú expondo produtos confeccionados com fibra de sisal.
A referida agroindústria faz parte do projeto de implantar unidades agroindustriais no semi-árido paraibano do Programa de Estudos e Ações do Semi-árido Paraibano – Peasa da Universidade Federal de Campina Grande em parceria com a Fundação PaqTcPB.

Bruno Ribeiro disse...

Não escute o Ronaldo. Xingue mesmo, jogue o carro para cima do idiota. Gente estúpida precisa tomar uns corretivos na vida para aprender a não se meter com quem não conhece. É por isso que eu te digo que às vezes sou acometido por instintos primitivos (sorry, Bob Jeff) que me deixam à beira de cometer assassinatos em série.

PS - me ligue, quero fazer uma festa para poucos lá em casa no carnaval (sem marchinhas, por favor) e sua presença é mais do que esperada.

ariadne disse...

Tati , vc pode comprar um personal caronator tabajara, um daqueles bonecos inflaveis pra colocar no banco do carona de mocinhas indefesas. Só tem q ligar pro 0800 e ver se tem versão Traficante Turco . :-)

Tatiana disse...

Meu Deus do Céu...
O motorista sa´dico e boca suja tinha mesmo cara de paraibano!!!!
Tinha cara de cuiuiú!!!

Ronaldo Faria disse...

Obrigado, de verdade.
Afinal, no fim de tudo, a vida não passa de um monte de cuiuiú a esperar a própria vida passar!
Ronaldo

Taïs Reganelli disse...

E eu que passeava pela mesma Maria Monteiro, querendo atravessar a rua, reclamei de um motorista que não deu seta mas mesmo assim entrou, ele não gostou da crítica - o velho babão - e me chamou de... biscate! Quase que saio correndo para dar meus famosos chutes biônicos nele!

Márcia Nestardo disse...

Eu até que andava flertando com essas coisas de yoga, querendo conhecer o budismo, pra me centrar e equilibrar minha vida, minhas reações... Mas acho que os xingamentos alfabéticos tem um efeito bem mais relaxante.
Beijos.