quarta-feira, 19 de outubro de 2005

VOCÊ É AQUILO QUE PENSA QUE É!!!!

Eu leio qualquer coisa que caia em minahs mãos. Revista então, quanto mais velha, mais eu gosto. Por isso adoro consultórios, salão de beleza, sala de espera.
Não resisti e peguei um revista medonha, mais velha que andar pra frente e li uma pequena matéria que falava da importância do pensamento, na força da mente.
Concordo com isso. A gente é aquilo que acha que é, que pensa que é.

Por isso é tão importante controlar os pensamentos. Saber botar rédeas neles. Contrrolar a histeria pessimista que , ás vezes, toma conta de todos nós.
Pra você vê, uma vez chorei junto com uma amiga falando do meu próprio funeral. Isso mesmo, começamos a falar na brincadeira, papo furado e no final estávamos as duas aos prantos em pleno restaurante chorando a minha precoce morte. Coisa de maluco mesmo, assumo. Mas é coisa de gente descontrolada.
Quando aquele pensamneto ruim aparece, mande pra longe. Nada pior do que pensamento negativo.
A meditação é um excelente instrumento de controle da mente.
Eu já fui uma meditadora assídua. Agora esculhambei mesmo, mas senti na carne o queo controle da mente faz.
Parei de fumar, minha TPM era uma brisa fresca e não um furacão mortal, meu olhar wera mais sereno. Não vou ser um lago plácido porque minha natureza é agitadíssima, mas posso colocar esta energia toda em coisas úteis.
Fica aqui minha sugestão:
MEDITEM!!!!!

4 comentários:

Plyn disse...

Blog novo!! ja to mudando seu endereço no meu blog! Eu acho que o blogspot eh muito bacana. Bjos

Marcos disse...

Meditar dói. Prefiro enfiar a cara e fazer. Se der errado, fudeu, mas aí já fiz.

Cirineu disse...

Discordo totalmente, mas antes vou sugerir que lá no endereço antigo você deixe um link ativo, porque o endereço não dá nem para copiar, quer dizer, a gente não consegue selecionar!

Discordo totalmente, você não é o que pensa que é, ao menos eu não sou. Diria que para efeitos práticos somos o que os outros pensam que somos. Antes a soma do que fazemos, longe de sermos o que pensamos. Prático, muito mais prático. É o que ralmente importa na vida, praticidade. Digo, em termos práticos.

Agora, numa abordagem mais filosófica diria que não sabemos quem somos, mas não somos nada do que pensamos ser. Somos uma porção desgarrada do todo, porém com todas as propriedades origginais ofuscadas pelo livre arbítrio, eis o que realmente somos.

Danielle Ribeiro disse...

Se sempre somos, nós nunca fomos alguma coisa além de um ser ... portanto, costumo dizer que sempre estamos e não que somos ... na verdade somos várias pessoas para as outras pessoas, mas nunca somos ninguém para nós mesmos. Porém o estar é irrefutável. Eu estou triste. Eu estou feliz. Estou de bem com a vida. Quero me matar.
Conclusão: Somos o que sentimos e nunca nos achamos. Assim sendo, sem conclusão alguma!