segunda-feira, 11 de outubro de 2010

as novas subdivisões dos relacionamentos

Realmente, tudo muda.
As pessoas mudam, os sonhos mudam, os desejos mudam. Talvez as únicas coisas que não mudem nessa vida são o descaramento de políticos e a pieguice dos apaixonados. De resto, tudo muda.
Hoje se relacionar está mais complicado. Existem várias formas de se relacionar romanticamente. Subdivisões de relações, das mais variadas, das mais diferentes.
Vamos começar pelo casamento.

Casamento ortodoxo
Esposa e esposo. Marido e mulher. Tipo assim, casou? Agora aguenta.
Existe uma ideia de lealdade e fidelidade. A princípio, claro, porque a técnica da traição está aprimorada entre os dois genêros. Todo mundo distribui cornos hoje em dia e justifica das mais variadas formas. Casamento ortodoxo tem prazo de validade.

Casamento aberto.
Cada um come quem quiser, na hora que quiser.
Existem acordos entre eles também. Conta tudo, conta nada, conta pouco, todo mundo junto e misturado, sexo a três, quatro, meia dúzia, com penetração, sem penetração, com beijo na boca e sem beijo na boca.
Tem de tudo.


Casamento em casas separadas
Na arte da guerra, é sempre inteligente deixar uma saída para seu inimigo. Um inimigo encurralado pode ser mais perigoso porque ele já não tem mais nada a perder. 


Namoro

Namoro é aquele negócio compromissado, meio sério e com possibilidade de se transformar em um precasamento.No namoro se apresenta o ser amado para a família e se planeja coisa juntos, se dá satisfação e presentinhos.

Namoro a três
O título já explica. A quatro não dá pra se definir como namoro. Mas já é considerado suruba.


Ficante
Ficante é aquele ser que se fica quando encontra. Se fica quer dizer que se beija, se chupa, se pega mas ninguém tem obrigação de nada. Se o ficante se apaixonar, problema do ficante porque tudo foi explicitado, não existe compromisso.
Existe ficante oficial e ficante eventual. Ficante não faz cena de ciúme. Ficante se morde por dentro.

Peguete
Isso aqui é alguma coisa abaixo do ficante. Eu acredito que é desprovido de afeto de qualquer tipo. Encontrou, dá vontade de dar uma relaxada, ou se está esperando o drink que demora pra chegar, sei lá, o peguete está ali, é só pegar. larga logo depois.

Caso
Pode ter vários tipos de relacionamento onde se encontram os "casos".
Casos onde se dorme abraçado mas ninguém diz que é namoro. É caso. Normalmente tem um quê neurótico aqui, uma insegurança, uma carência. O outro não satisfaz plenamente mas alguma coisa oferece. Tá valendo.Normalmente isso é pra gente mais velha. Os novinhos chamam de ficantes. Nós, os coroas, preferimos ter casos, relacionamentos não definidos, do que sair por aí ficando com qualquer um. Dá uma certa vergonha por isso os casos são mais discretos.

Amizade Colorida
Isso é coisa antiga. Era o nome para quem se encontrava com algum amigo e mandava ver. Um amigo assanhado ou assanhada. Não é "caso", é só sexo e amizade.

Amante
Tem alguém que é comprometido. O outro é o outro ou a outra.
Adrenalina e culpa.

Namorado virtual
Se namoram pela tela do computador, fazem sexo e planejam alguma coisa. Para mim, o mais absurdo de todos.

Sexo virtual
Não existe compromisso. Você pode teclar com outras pessoas mas rola um sexo animal ,caso seja possível ter sexo animal pela tela do computador. Muita web can, muita frase chula e muito lenço de papel.

Sexo casual
O velho sexo com desconhecidos.
Querm é esse cara? Não sei..transei com ele algumas semanas atrás.


É, as coisas complicara muito. Saudade do tempo que tudo se resumia paquera, namorado, noivo, marido ou amante.
Tá mais complexo, tem que levar manual.
Cansa.

6 comentários:

Vivien Morgato : disse...

Tudo dificil demais.

Georgiana disse...

Eu não sei onde entro nessa categoria aí... estou em crise. Uma hora eu acho.

Geraldo de Barros disse...

ótimas "sacadas", muito inteligente e de um humor incrível, parabéns pelo espaço gostei muito estarei mais vezes aqui ;)

um abraço,
Geraldo.

figbatera disse...

Interessante, Tatiana; eu tb sinto dificuldade em encarar essas subdivisões.
Na minha juventude não se "usavam" alguns desses "relacionamentos".
Me deverti bastante com as suas colocações.

Anônimo disse...

Oi Tatiana, qnd li o teu último poste, pensei no teu úíltimo cd; se já tinha saido, mas como ainda ñ ouvi nada, penso que ainda ñ saiu. Espero que ñ haja mts complicações e que td saia dentro do plano. Td de bom para ti. bjs. carmo

Dú Badaró disse...

linda tomo a liberdade de reprodusir esse texto no meu blog... claro com creditos... saudadoce!