quinta-feira, 8 de maio de 2008

Brrrrr. Gelaaaada!

Pra que serve o frio?
Não entendo o frio.
Eu que vim do nordeste me sinto queimando nos mármores congelados do inferno.
Detesto esses primeiros dias com baixas temperaturas. Tenho dificuldade para acordar, tenho medo de tomar banho, lavar o cabelo é uma forma de tortura chinesa e meus pés e minhas mãos ficam dois cubos de gelos que fazem com que o pobre homem que dorme comigo de pulos imensos quando eu resolvo, toda cheia de dengo, meter a mão por debaixo da blusa e acarinhar as costelas.
-Ai, puta merda, tira a mão daí! Gelaaaaaaaaaaaaaaaada!

No frio eu não bebo cerveja. Eu bebo conhaque e vinho tinto. Ou seja, no frio eu sempre estou levemente bêbada porque eu não posso com álcool.
No frio minha preguiça é elevada a índices indecentes.
Meu sonho de consumo hoje é uma torneira de água quente na cozinha porque eu realmente não tenho coragem de meter a mão na água fria.

Falam que o frio é bom pra namorar. Tá certo. Tá bom. Namorar como? Debaixo do cobertor? Aí o danado escorrega e um frio dos infernos vai subindo pelas costas, a bunda trinca, puxa pra cá, puxa pra lá, agora o pé ficou de fora, ai, o pé encosta em algum lugar quentinho. Faz cabaninha! Faz cabaninha! Aiiii, tira a mão daí que tá fria demais! Nã! Não! Não esquenta aí não. Porra, aí é sacanagem. Que coisa cabeluda é essa? Caralho, tira o gato daí, sacanagem o gato ficar aí...Você prefere a meia broxante ou um pé frio do cacete? Não olha pro pé, meu filho, não olha pro pé! Fica assim, fica assim que tá tudo coberto. Sei lá como, se vira, meu bem, mas não se vira muito que o cobertor escorrega!
Definitivamente, amar no frio só é bom com aquecimento central ou uma lareira chiquérrima. Sem isso é uma forma de exercício de resistência.

Tocar violão no frio é uma coisa muito desagradável. Os dedos não respondem ao comando do cérebro. Vai. Não foi. Tudo fica duro, sem malemolência, tudo parecendo japonêns no samba.

Frio é uma coisa muito estranha. Eu não entendo o frio.
E a gente come! Come tudo que aparece pela frente. Sopa, caldo, chocolate quente, lasanha, cozido, tudo quente, tudo cheio de calorias, tudo que dá uma culpa do cacete depois de comer tanto.

Me sinto um leão marinho com cachecol.
Me sinto uma minhoca pelada no sereno.
Me sinto completamente fora do meu habitat natural.
O frio é uma coisa que não existe dentro de mim.
Haja fogo no rabo pra aquecer o mundo. Haja fogo no rabo!!!

10 comentários:

Zéfiro, polar disse...

O frio, Tatiana, é o avesso da vida, a ausência da cor.
A vontade de fazer ginástica some. De sair à noite, cadê?
Some o tesão das caminhadas, até o fiel pau, dá sua sumidinha.
E quem como eu tem o elegante hábito de lavar as partes, seja dianteira ou traseira em qualquer pia, esteja onde estiver, na ausência de bidês ou chuveirinhos, após o nº 1 ou 2, aí sim, sofre.
Ontem sofri de um priri bravo. Sobrevivi limpo e elegante mas com a impressão que estamos ouvindo um coro na rua gelada:
- lá vai o cú de pingüim!

Zéfiro, zunindo disse...

Falta de correção no texto, mas não nos países baixos!

Morena disse...

Eu eu !!!! Com esse meu DNA africano, digo o que ????
Frio insuportável !!!!

Tatiana disse...

zéfiro, sumido!!!

Tatiana disse...

cu de pinguim????

Tatiana disse...

você me entende, né, negona?

Gisele Lobato disse...

nem me fala. sempre gostei de tomar banho ao acordar, só que agora eu acordo às 5h. para piorar, o chuveiro lá de casa cai um filete d'água, aí fico o banho todo como um pêndulo, para dividir igualmente o tempo de frio e quente em cada um dos ombros

Danny disse...

Hehehehe... Eu gosto de frio. Mas é aquilo: friozinho carioca não é nada! Assim que eu gosto!
Em compensação, quando faz calor de verdade aqui, é de matar. De-tes-to!!!
Beijos!

Mônika Mayer disse...

Tatiana, não serias feliz aqui no Paraná... rsrsrs... está um frio do caral...

Mas AMO frio, amo mesmo com todas essas dificuldades aí. rsrs... gente apaixonada tem dessas coisas, né?

Beijos, ótimo fim de semana!

Carô disse...

E o velho truque da canequinha com álcool?!? Pelo menos pro chuveiro dá pra quebrar o galho ;-)
Beijos