segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Sobre findar

Oi,

Acabei de ver que passou por aqui.
Imagino como deva estar se sentindo, eu realmente imagino porque também já passei por isso.
Dói. A ação de arrancar um amor do peito é a mesma dor que arrancar um jatobá do chão. As raizes profundas no coração da gente, a madeira rangendo e quebrando, a seiva dolorida escorrendo para o chão.
Sim, eu sei que dói.
E nós ainda temos essa mania meio masoquista de olhar pelos buracos das fechaduras, pelas frestas de janelas, pelos vão iluminados. Sim, eu também já fiz isso. E sofri do mesmo jeito que sei que sofre.
A primeira reação, aquela que nos salva da derrocada total, é a raiva e o ódio. Uma vontade de ir lá e dar na cara de todo mundo. De fazer que a vida, que continua mesmo sem a nossa amorosa presença, seja terrível e mundana. Raiva. Muita raiva. Afinal, alguém tem que ser responável para que a gente possa estravasar essa dor toda.
Mas é aí que mora o perigo porque a raiva não dá libertação. É só mais um nó que aperta o nosso pescoço de mulher naquela história morta e fedorenta. A raiva ainda é um laço.
Como voar em outros ares se ainda temos um peso, um laço, uma coisa que nos prende ao passado? Como voar assim?
Não dá, né?
E como chegar à libertação?
Primeiro pensando que não existe nenhuma pessoa neste mundo que seja desprovida de qualidades. Nós também. Temos nossos defeitinhos, mas temos mais qualidades. Tenho certeza que você também é assim. Não foi falta de qualidade que fez a coisa acabar. Não foram os defeitos. Algumas coisas existem para serem pontuais, para existirem só por algum tempo. Não tem culpado. Não tem vilão e também não tem vítima. Nenhum destes dois papéis são valorosos. Não deixe que te coloquem a carapuça de carrasco, mas também não se ponha como vítima porque isso te desmerece. A gente recebe sempre o que merece. É a lei da vida. Deus não dá o frio somente conforme o cobertor? Pois é. Tudo que passamos faz parte do nosso aprendizado.
Outro pulo do gato. Você pode focar sua visão no aprendizado doído e cheio de rancores. Sim, você pode, mas isso só aumenta o seu amargor e ainda te mantêm ligada a um tempo cheio de dor.
Libertar é soltar as amarras. É esquecer. É perdoar. É não dar mais tanta atenção.
É pensar que aquilo que foi vivido naquela época, naquela época boa, aquilo sim é que vale ser lembrado com carinho porque nada pior do que a gente sofrer e virar uma escrotinha descrente e rancorosa. Isso é matar o que temos de brilho e de luz.
Lembre daquilo que foi bom, esqueça o que foi ruim.
Perdoe.
Entenda.
E, principalmente, aceite o inevitável.
Ninguém é insubstituível, ninguém! A roda da vida gira sem parar e querer ser a lembrança eterna é um acesso louco de vaidade e megalomania porque a mão do tempo apaga sim, apaga as dores e apaga as alegrias. Inevitável. Seremos sempre engolidas pelo manto inexorável do tempo.
Então, minha querida, pegue sua força, pegue sua luz. Ilumine os céus ao seu redor e não deixe não que a dor, a mágoa, a raiva, todas essas coisas tão ruins que sempre acompanham um fim te escureça a alma.
Siga em frente porque você realmente merece viver mais um grande amor. É um direito de cada cidadão do mundo viver um grande amor. E depois mais um..e mais um...e quantos forem.
E que esse novo amor te traga a esperança mais uma vez. Te faça sorrir de verdade outra vez. E que te faça esquecer aquele que já morreu.
Realmente te desejo sorte e felicidade.
Ainda vou ouvir falar de você e sorrirei, cúmplice, porque te vi dar a volta por cima. Só espero que seja realmente de coração limpo.
Torço por você.

10 comentários:

Anônimo disse...

Eu sei que torce.
Mas nem tudo que é dito dá para fazermos assim.
Eu to tentando mas não tá sendo fácil.
Agradeço tanto a sua força e um dia vou retribuir.

Tatiana disse...

Não precisa retribuir não.
Só levante a cabeça e vá em frente.
Eu já fico feliz, meu bem...
Beijo carinhoso, viu?

Anônimo disse...

Tatiana
às vezes "o findar" com amesma pessoa acontece tantas vezes, são tantos que as dores não acabam. A pessoa termina, arruma uma desculpa "idiota! e termina. Sente sua falta, muita falta e volta . está tudo maravilhoso, tudo certo, e a pessoa novamente por estar longe de vc, arruma outros motivos idiotas e termina de novo. Eu amando e sofrendo, sofrendo..e sofrendo. Sei que tem razão em tudo o que disse, mas minha dor não finda. Mesmo assim obrigada!
beijo
Uma otária

Tatiana disse...

Querida Otária
Fique assim não.
Queira acabar com isso.
Ás vezes a gente é que tem que colocar limite nos outros e dizer: assim você não pode agir comigo.
E você põe o fim!
Quando alguém nos quer mesmo, fica com a gente. Corre atrás, faz o que é necessário.
Se titubeia é porque não nos quer tanto assim. Aí é a hora da gente colocar o nosso valor.
ASSIM EU NÃO QUERO.
Porque ser amada pela metade, ou na surdina, ou só quando o cara quer nos diminui.
Não podemos deixar que os outros nos dêem aquilo que é menos do que merecemos.
É assim que fazemos os outros nos dar valor e nos respeitar.
Aí a gente até sofre, mas não fica se sentindo tão otária!
Pensa nisso. E você também, dê a volta por cima. Você também merece.

Anna disse...

Eu como mulher já passei pelo sofrimento de um amor que fugiu ou não deu pé, e pela libertação também.

Posso dizer com a maior certeza que ninguém é insubstuível e há muitas pessoas tão ou mais interessantes pela frente e por todos os lados. E hei que estou eu liberta depois do sofrimento, aliviada por minha felicidade e minha preciosa tranquilidade não estar mais nas mãos alheias. Depois do sofrimento percebi que sou eternamente responsável pelo que cativo e assim duma hora pra outra comecei a cativar a arte e o amor por tudo em mim, em minha vida.

É uma experiência dolorosa a frustração, a desilusão e o amadurecimento , o auto conhecimento. Mas, necessária.

Em geral costuma ser uma experiência passageira já que evoluir é o canal, e todos queremos é apenas nos sentir bem. A felicidade é intrínseca depois que conhecemos o conteúdo do imenso universo de amor que há em nós mesmos e de possibilidades mil neste planeta.

lindo texto, pena que a consciência a gente só ganha nas lições da vida. bom seria ganhar consciência das mãos de alguém assim, que nem você. que me traz conforto e esperança os escritos teus.

beijo, tat!

Tatiana disse...

Bem, Anna...
Não sou assim tão consciente.
O que eu tenho é um instinto de sobrevivência forte.
Eu quero viver.
Preciso viver.
E antes de qualquer coisa eu preciso de mim para seguir com a minha história.
Se precisar levantar mil vezes, levanto.
Se precisar bater mil vezes, eu bato. Se precisar desviar, saltar, subir, eu faço!
A única coisa que eu sei com certeza é que eu vou ter que viver comigo até o fim, né?
Então eu quero viver bem...e feliz.
Do jeito que for.

Anônimo disse...

Acho que preciso logo colocar um nome aqui, é tanto anônimo que até eu fico confuso.....

Bem Tatiana, adoro estar aqui e ler o que escreve. Este texto é real? Minha querida? tudo bem que já estou julgando, mesmo ensinando que isto não se faz mas assustei! Achei que "teria" chance um dia (brincadeira, só para descontrair). Não sabia que sua opção era outra. Fico feliz por você ser assim tão autêntica.
Mais fã ainda.

Eu, o anônimo que pode chamar de Morini

Tatiana disse...

hahahahahhahahahahah
sim é real.
A mulher mais importate da minha vida é a minha mãe e depois essa faxineira....
hahahahahhahahahahahhahahahahahahaha
Tá julgando certinho.
Eu amo aquela mulher. Que falta que ela me faz.
Mas acabou.
ERla recebeu uma proposta muito melhor. Um salário melhor, cesta básica. Não consegui competir com a outra família e fui trocada. Sofri muito. Minhas unhas também,. Tô exausta de tanto esfregar, lavar e lustrar.
Mas não esqueço a minha negona amada.
É...assumo aqui esse meu amor.
Que saudade ....que saudade.,...

Tatiana disse...

AHhh, Morini
Se você for rápido no serviço, me cobrar um preço legal, você tem chance sim.
Mas só preciso duas vezes por semana.
No resto eu me viro.
Um abraço

Anônimo disse...

Tô quase fazendo de graça...

Braço forte, eu tenho, trabalho de casa eu faço bem, moro só já faz é tempo, o duro é ter os dois dias da semana heheehhehe
não dá, agenda cheia.
Aviso nas férias e ai até rola se sobrar um show no final do expediente, ok?

abraços, Morini