segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Mais um


Eu não sei o que acontece, mas será possível que só apareça gato maluco nesta casa?
O pobre do Otelo é mais feio que cruz credo e acho pouco provável que isso mude um dia. Até tudo bem. Gato feio existe mesmo.
Mas gato que come e geme?
Geme mesmo. Fica lá comendo e fazendo uma coisa esquisita como se tivessem metendo um dedo no rabo dele e ele estivesse gostando! Muito esquisito esse gato.
E ele magoa. Eu não me incomodo com gatos na minha cama, mas nem todo mundo é assim. Então o gatinho sobe na cama. Um outro que foi mordido nos calcanhares pelo meu gato Hermeto coloca o gatinho no chão. Diz que tem medo de acordar sem pinto porque o gato pode atacar na surdina. Eu digo pra deixar de besteira que gato que come ração não tem vontade de comer pinto alheio. Mas sabe como os homens são com seus respectivos biláus, preferem garantir. O gatinho sobe. O outro tira. O gato sobe. O outro joga ele longe. Ficam nisso um tempão. Eu só olhando pra ver quem cansa primeiro. O gato cansa. E aí ele magoa. E mia, mia, mia nos tons mais lamurientos que um gato pode miar. Se ele fosse um cachorro eu diria que ele uiva, mas gatos não uivam. Esse meu uiva.
Estranhíssimo esse bicho.
Aí o gato sobe na cama, se esquivando pela lateral e faz xixi, de pura birra, onde? Em mim. Em cima de minzinha aqui. Quase que houve um mini tamborim fabricado aqui em casa mesmo. Ah, filadaputa, vai mijar na casa do cacete!
Ponho o gato pra fora do quarto. E o bicho geme do lado de fora por séculos. Meu coração se compadece, mas é meu ouvido que reclama. Como tem gente de coração duro nesta vida, meu deus. Nem aí para a dor do gato. E eu tenho ainda que lavar um cobertor imenso e peludo. Toma besta, ainda ouço.
Aí eu penso. Gato ou biléu? Biléu ou gato?
Ganha o biléu, sobra o gato. O que me parece até justo diante dos fatos.
Não satisfeito com toda essa confusão, ele se esconde e sai correndo do nada, como se o próprio demo estivesse mordendo seus calcanhares. Passa por mim como um tufão, escorrega no chão da cozinha e mete a cara na parede.
O que ele faz?
Geme mais um pouco, longamente, por horas...
Meu Deus, que diabo de bicho é esse que entrou para a família???

5 comentários:

Danny disse...

Olha, eu não sei, mas dizem por aí que os bichos assumem a personalidade do dono... Só sei que a gente aqui em casa teve um cachorro que era chocólatra, marrento, briguento, mas tinha um lado doce, sacumé?
Enfim...
:)

Anna disse...

hahaha hilário esse otelo hein...
deve ser uma figurinha!
filhote faz cada proeza né, rs

maria de santos disse...

O outro gato voltou?

Tatiana disse...

Voltou nada!!
Não é bosta essa coisa?

Leandro Cesaroni disse...

Olá,

muito interessante seu conteúdo !

Teria interesse em promover uma parceria, trocando links um na página do outro ?

Se sim, por favor linke meu blog aí na sua página e me avise que farei o mesmo imediatamente.

http://jornalilegal.blogspot.com

Parabéns e sucesso !

Leandro Cesaroni
Jornal iLegal