domingo, 30 de setembro de 2007

Meu pai

Hoje uma tristeza imensa se abateu em mim. Imensa.
Sem querer me lembrei que hoje faz vinte e oito anos que meu pai morreu de ataque cardíaco aos trinta e oito anos de idade.
Sinto falta de um pai que eu não tive.
Sinto falta hoje de um homem em que eu poderia abaixar a cabeça e escutar.
Sinto falta de um colo de homem que não tenha nenhuma conotação sexual.
Meu pai morreu quando eu tinha doze anos somente e eu carrego até hoje o maior legado herdado: a música, o amor pelo instrumento, a boemia, a canção, a força do samba, o bom gosto musical e a força da sua personalidade.
Meu pai.
Meu pai que nunca me viu cantar nem tocar violão.
Que nunca ouviu um canção que eu fiz.
Que nunca segurou um filho meu no colo.
Que nunca me secou as lágrimas nem dançou comigo um samba qualquer.
Nunca senti tanta falta do meu pai perto de mim quanto hoje.
Agora eu precisaria de um velho experiente me ajudando a escolher os caminhos.
Ah, meu pai que eu nem lembro mais direito.
Saudade daquilo que nunca vivemos.
Eu to aqui, na vida. Você tá aí, na morte.
Que sua morte seja regada a cerveja gelada, a pinga clara, que tenha uma roda de choro, que toque Bosco, Chico, MPB4, João Nogueira, Maria Bethânia, Cartola, Noel e que o violão suado não saia de suas mãos.
É meu pai.
Eu herdei a música de você e ela diminui a falta.
Meu violão tá agora no meu colo e molho ele todinho com estas lágrimas cheias de sustenidos e bemóis.
Choro por mim e por você.
Choro por todas as minhas mortes.
E canto.
Porque eu sei que cantando eu morro também e renasço mais forte e mais viva.
Eu canto pra você hoje, meu pai. Porque, na música, você ainda vive em mim.

12 comentários:

ninita disse...

Chora...o sal da lágrima cicatriza a ferida. Sofre...Chorar...é também sinal de vida.
Um Beijo grande

Marina F. disse...

Amiga, que bonito este texto.
Saudades de ti.
bjo.

Danny Reis disse...

Que lá toque também Tatiana Rocha!
Ele deve estar orgulhoso, viu?
Beijos!

quina vida disse...

pois é.. enquanto você lembra de seu pai aí, da saudade que tem dele dele, eu luto e torço aqui pra que meu pai ainda fique mais um pouco. o danado luta e luta, o coraça refuta, e de novo e ele luta e luta. agorinha mesmo está lutando, lutando pra voltar e abrir os olhos pro mundo que ele ainda quer terminar de conquistar. esse bendito coração insuportavelmente vivo a ponto de não suportar as alegrias e tristezas deste mundo louco lindo doido necessário que vivemos.

confortante e estranho este teu post. me pegou desprevenido. beijos

marcin.

Tatiana disse...

Estes dias andam fodas!!

Anna disse...

exato. confortante e estranho post.

mas, são duma lindeza suas expressões, seus sentimentos.

um abraço, querida!

Tatiana disse...

Ninita,
Eu choro sem vergonha nenhuma!

Tatiana disse...

Marinex,
Saudades lusitanas de vc

Tatiana disse...

Danny
Não sei se ele está. Mas eu tenho me esforçado muito para isso.

Tatiana disse...

ô, Màrcio
O sangue tem muita força.
O tempo também.
A morte então, nem me fale.
Se emocionou você, já me valeu!

Tatiana disse...

Anna,
Eu sou uma ogra sensível..
hhehehhehehhe

Adriana disse...

É nêga Nenê... Não quero pensar nesse dia, em que meu pai for pro andar de cima, viu? Coisa muito séria essa dor...
Bjks de Nini