quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Magia cotidiana

Mandingueira que é mandingueira faz a sua magia em qualquer hora e em qualquer lugar.
Hoje é lua nova. Lua escura. Escondida.
Então hoje eu pego meus panos, arregaço a minhas mangas e começo a limpar os escondidos e os sujos de minha vida.
Nos copos que lavo, lavo todas as palavras que minha boca humana proferiu. Os pecadinhos cotidianos, as fofoquinhas, as minhas pueris maledicências são esfregadas, uma a uma, e levadas, pelo ralo amigo, lá pra longe.
As roupas no varal, balançando seu limpo colorido, são meus desejos que o vento espalha pelo mundo. E são desejos tão diferentes. Nas camisas peço o reconhecimento. Nas calças, a proteção nos caminhos que percorrerei. Nas calcinhas...bem..nas calcinhas eu peço um monte de coisas também e elas realmente acontecem.
Aquela peça de roupa esquecida em casa está agora pendurada no tempo. O sol vai secar aquela lembrança para que eu possa seguir em frente, livre e feliz.
Minha casa sou eu.
O quintal é onde o povo pode olhar. É o espaço público onde eu até revelo alguma coisa. Sempre tem as marcas dos meus cachorros. Interessante isso. Sempre tem merda em meu espaço-público que eu preciso sempre limpar. O preço por ter quem me cobre as costas e as madrugadas.
Bato tantos nos panos empoeirados para que se livrem daquilo. Bato tanto que meus braços doem. Bato para me livrar daquilo que eu não quero perto de mim. E bato pensando no nome e no sobrenome. Bato com endereço certo. Bato pra me livrar e me livro.
Minha sala é sempre impecável porque é onde eu recebo ou nem tão próximos. Sou eu semi-pública. Feitiço escondido por todo o lado. Sutileza que me falta na vida.
Minha cozinha é meu coração. Ali estão meus amores que sentam à mesa comigo. Quero tudo lindo e cheiroso porque meu coração precisa estar pronto para quem chegar aqui. Tem café no bule, tem chazinho feito na hora, tem, escondido até de mim, aquilo que afasta o mal. Tá ali. Na minha cozinha mesmo. Só eu sei.
No meu quarto estou nua e exposta. Tenho que organizar a minha nudez. Não esconder nada. Somente arrumar. Meu altar pulsa aqui. Sobre a cama perfumada de lavanda pousa o manto dos meus guardiões. Meu punhal, meu atame ritual brilha mesmo no escuro. Pede para ser usado, urge, sangrando meus desejos, sem questionar o certo e o errado, porque o certo e o errado só cabe a mim decidir. E o peso dessa responsabilidade eu sinto nos ombros e obedeço aquilo que me foi ensinado, logo no começo.
Nunca se interfere nos desejos dos outros. Nunca! A única lei que eu não quero esquecer. Não posso. Porque quando isso é esquecido, a mão silenciosa e pesada vem e cobra um preço alto. Preço esse que não quero pagar. Por mais que eu saiba como fazer, por mais que meus intintos primários me empurrem para esse abismo do porder, eu não cedo a essa tentação.
No meu quarto adormece a minha consciência e a minha mais depravada loucura.
A santa e a puta dormem com as pernas entrelaçadas.
A bruxa e a criança ressonam sob o mesmo cobertor.
E muito poucos conseguem ver isso.
Meu banheiro é o local da mais poderosa intimidade. Impecável a minha intimidade.
Lavo. Lavo tudo!
Lavo a inveja que eu senti e que sentiram de mim.
Esfrego cada cantinho da minha alma pagã e alvejo meus olhos, da mesma forma que alvejo os panos de pratos.
Varro para longe aquilo que não é mais o agora e virou pó do passado.
Ensaco tudo sabendo que muito mais do que lixo está indo embora.
No portão, ele. Aquele que não pensa duas vezes se precisar agir. Ele não. Eles. Muitos. Vários. Meus e eu deles.
E durante isso tudo, martelando em minha cabeça, aquilo que eu quero e lembro que quero todo o dia.
Eu chamo em cada movimento que eu faço.
Eu rogo.
Eu peço.
E o pedido sobe aos altos, como balão colorido e eu fico aqui na terra, olhando o céu salpicado de meus pedidos, sento no chão, acendo meu cigarrinho, tomo o café e somente sorrio.
Mandingueira que é mandigueira sabe fazer magia com aquilo que tem nas mãos. Até mesmo uma faxina de rotina.

19 comentários:

Marina F. disse...

ô mandigueira!
tô precisando tanto de uma mandinga boa pra esquecimento...rola?

Tatiana disse...

ô, se rola!!!
minha querida...vamos mandingar!

Sergio Freitas disse...

Bacana o que vc escreveu. Resumindo, não daria uma letra de música?
gostei,
um bijo.

Marina F. disse...

Vem na sexta?
Estarei sem João...se precisar, fica em casa.
Vamos pra balada! êbaaa.
beijo.

Vivien Morgato : disse...

Pois é, gurua, eu ando limpando assim: e acendendo velas depois, pra iluminar a limpeza, e acendendo incensos, pra perfumar a vida nova.
Mas isso é influência sua, ô bruxa.;0)

Na cara disse...

Cara,
Eu não gosto de você, do que você escreve, do que você canta, de porra nenhuma!
Macumbeira de quinta!
Cantora de merda.
Escritora medíocre.
Você se acha demais, isso sim!

Marina F. disse...

Haha...engraçado esses babacas que vem criticar. Não gosta? Por quê lê? Por quê escuta? Tá amarrado na cadeira sendo obrigado a teclar www.coisarara.blogspot? Escritora medíocre de cú é rola, meu bem. Isso é dor de cotovelo das boas.

Marina F. disse...

Tati,

Te defendi. Desculpa. Não aguentei.

Tatiana disse...

Vai entender esse povo.
Não gosta e perde seu tempo vindo aqui falar que não gosta.

Tatiana disse...

Muito grata, viu, Marina!

Anônimo disse...

eu acho que o ou a na cara, na verdade te ama

hahahahahahahahahahahaha

babaca, mostra a cara "o na cara"

Vivien Morgato : disse...

caracoles, esse povo escondido me cansa...
tecla com a linguinha de fora, pensando, olha como sou mau, como sou ruim..hiihihihi...
ui, que meda.

Tatiana disse...

Dá cada maluco nessa net

Danny Reis disse...

Ô anônimo, vai à merda!
Pronto, falei!
Ahhhh, ninguém mexe com amiga minha e fica assim por isso mesmo, não!
Mas Tati, amei isso, viu?
Tô querendo umas mandingas também!
Pra arrumar um bom emprego...
Pra chamar dinheiro...
Pra atrair sorte...
Pra afastar gente chata (que nem essa mala anônima, mala-amada)...
Ah, tanta coisa!!! (rs)
Você tem???? Hehehe...
Beijuuus!

Tatiana disse...

Tem sim, Danny
Mandinga é energia direcionada.
Focar, concentrar e emitir...
pense nisso

Almir Teixeira disse...

Salve, Tatee. Gosto dessa coisa de limpeza. Admiro quem consegue! Manter a vida cheirosa... florida, arejada, encantada mesmo. Mas tem gente que é ferido de morte nessa briga. Drummond, a gente sabe, teve de cortar a mão. Eu, enquanto encano de varrer uma sala, já me acontece de juntar poeira nas sobrancelhas. É um diabo isso. E quando a gente lava o rosto, surgem pegadas no tapete. Cama também. Essa é uma coisa que nunca consegui que se tornasse santa. Picumã por toda a parte. Varau às vezes é pra passarinho. Ou pros bichos-grilos das nossas efervessenciazinhas, neh não? Cheguei mesmo, certo ou transtornado tempo, a conviver com montanhas de tempo acumulado em poeira. Mas isso passou, hoje eu ando mais limpo e as tralhas menos ferradas. E, de repente, me bateu uma idéia, daquelas que querem salvar cada uma das desgraças que nos perseguem: não seria a sujeira, de alguma forma, uma espécie de memória das coisas? Mas aí eu assopro a penteadeira, chacoalho o lençol e renovo o ar dos pulmões urbanos. Adoro esse líquido que lava a alma, o álcool, e pago de boa a parcela de memória e vida que ele me cobra. E esqueço da lembrança das coisas. Porque tem luz que é igual borboleta, que não pousa onde não foi chamada. bjs pra ti.

Anna disse...

opa!! tb to precisando de uma mandinga boa pra esquecimento rsrsrs
lindo texto!
e só por comentar mesmo, cada maluco que te aparece kkk
aff!
beijo!!

Anônimo disse...

Com todo este poder, sua vida deve ser a mais linda e perfeita do mundo..........
espero que pelo menos você acredite nisto

Tatiana disse...

Todas nós temos esse poder. Eu, você, tua amiga, teu filho, tua filha. Todos nós.
E todos nós podemos ter uma vida linda e perfeita. Porque uma vida perfeita é uma vida com sofrimento, choro, gargalhadas, derrotas, vitórias. Uma vida perfeita é uma vida que muda o tempo todo.
A minha muda. A sua também.

Agora uma observação...
Usou um " tom" meio, como posso falar, meio irônico.
Ou não acredita no poder. Ou não acredita em vida perfeita.
Ou seja, você deve estar fudido!
Aí no sul tem uma mulherada porreta, que lida muito bem com magia cotidiana e essas coisitas mais.
Se quiser, é só correr atrás.
Vai te fazer bem.