sexta-feira, 23 de março de 2007

E que venha

Que me venha na doce loucura
Que me agarre os cabelos e marque minhas coxas.
Que me vire ao avesso, que se perca em esquinas,
Nas minhas lombadas, nas minhas quinas.
Que mergulhe em meu olho
Que arranque meu grito, me arranhe a garganta.
Sugue do seio o gemido guardado.
Na ponta da língua, a palavra sagrada.
Me coma, me engula, saborei, degluta.
Me faça de mártir, de santa , de puta.
Se faça cavalo, segure seu coice.
Me faça de bicho, me prenda, me enjaule.
Me arranhe os ouvidos, lamba minhas costas.
Liberte o dragão, limpe suas asas
Sangre minha carne de chagas expostas
Me aperte nos braços que eu tranço minhas pernas
Me faça mulher que sussurra ou que berra
Que eu te faço meu homem em noites eternas

6 comentários:

Clélia Riquino disse...

Fez-me lembrar esta canção de Sueli Costa:

Medo de amar n° 2
Sueli Costa & Tite de Lemos


Você me deixa um pouco tonta
Assim meio maluca
Quando me conta essas tolices e segredos
E me beija na testa, e me morde na boca
E me lambe na nuca
Você me deixa surda e cega
Você me desgoverna
Quando me pega assim
Nos flancos e nas pernas
Como fosse o meu dono
Ou então meu amigo
Ou senão meu escravo

E eu sinto o corpo mole
E eu quase que faleço
Quando você me bole e bole
E mexe e mexe
E me bate na cara
E me dobra os joelhos
E me vira a cabeça

Mas eu não sei se quero ou se não quero
Esse insensato amor
Que eu desconheço
E que nem sei se é falso ou se é sincero
Que me despe e me vira pelo avesso

Não eu não sei se gosto ou se não gosto
De sentir o que eu sinto
E que me atormenta
E eu confesso que tremo desse sentimento
Que de repente chega
E que me ataca
E assim me faz perder-me
E nem saber se esses carinhos
São suaves ou velozes
Se o que escuto é o silêncio
Ou se ouço vozes

bjo,
Clé

Vivien disse...

Esses seus textos intensos me lembram músicas da Bethãnia, que vc tanto gosta.
Ficou muito bacana.

Clélia Riquino disse...

Ou então, Fafá de Belém cantando:

Que me venha esse homem
David Tygel & Bruna Lombardi


Que me venha esse homem
Depois de alguma chuva
Que me prenda de tarde
Em sua teia de veludo
Que me fira com os olhos
E me penetre em tudo

Que me venha esse homem
De músculos exatos
Com um desejo agreste
Com um cheiro de mato
Que me prenda de noite
Em sua rede de braços

Que me venha com força
Com gosto de desbravar
Que me faça de mata
Pra percorrer devagar
Que me faça de rio
Pra se deixar naufragar

Que me salve esse homem
Com sua febre de fogo
Que me prenda no espaço
De seu passo mais louco
Que me venha esse homem
Que me arranque do sono
Que me venha esse homem
Que me machuque um pouco

Tatiana disse...

Momento sacanagem feminina

hahahahah

Tatiana disse...

Clélia,
eu cantava esta canção, com letra da Bruna
Linda, né?

claudia lyra disse...

Ui! Sensual pacas! Aff...