segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

Ó, eu vou contar logo que eu fiz uma coisa feia. Foi em legítima defesa, é verdade, mas, puta merda, isso só acontece comigo.
Eu não ia contar porque eu fiquei até meio com vergonha, fiquei na minha, mas meu nariz tá doendo pra cacete e eu tô com uma lasquinha de culpa e sempre que eu escrevo aqui as coisas melhoram em meu coração então eu vou colocar logo para fora e ver se passa.
Eu fui no samba. Sambei. Eu tava de dama, salto alto e vestido. Eu tava na paz. Um baixinho muito bêbado estava por perto, fazendo aquelas coisas de bêbado. Eu fiquei sozinha em determinado momento. O bêbado encheu mais o saco. Eu nem dei bola e saí sambando. Eu levei uma latada vindo assim pelo lado bem no meio da minha fuça, pegando direto em meu nariz. Olhei pro lado, a namorada bêbada do baixinho bêbado é que tinha me tascado uma latinha de skol nas fuças. Vi tudo vermelho. Peguei a moça pela nuca, agarrei os cabelos dela. TÁ MALUCA , CRITURA? NÃO TEM MEDO DE MORRER? Arrastei ela até o poste de metal e dei umas quatro batidinhas, com força média, cabeça no poste, cabeça no poste, cabeça no poste e cabeça no poste. Os bracinhos no ar, os pés fora do chão. Eu via vermelho ainda. Amassei a latinha no cocoruto da cabeça dela. Toma filha da puta a trua latinha de volta. Vejo de relance um segurança grandão lá longe. A última batidinha de forma média-alta. Cabeça no poste. PUM.
Larguei ela. O namorado leva embora a bebinha que mete lata na cara dos outros. Eu sento com as pernas bambas. Dois caras rindo muito. As únicas testemunhas. Eu acabo rindo também. Eu com vergoha de ter dado na moça, mas meu nariz latejava e eu fiquei com mais raiva. Passei o resto da noite achando que os baixinhos bêbados iam voltar e me pegar à traição. Fiquei calada, não contei para ninguém. Vergonha mesmo, eu estava tão fina e acabou-se a minha finesse. Amanheço com o nariz roxinho e doendo. Hoje o nariz faz tipo um barulhinho assim, nheque, nheque, quando eu aperto ele. Tá doendo. E eu contei para mais de duas pessoas. Já não é mais segredo. E que se foda também. Sou fina pra caralho mas não posso ficar por aí levando latinha na cara sem ter culpa no cartório, porque se eu estivesse dando mole pra namorado de alguém, aí tudo bem, é o risco da caça, né? Levar uma latinhada no meio dos óios, mas eu não estava de graça, estava sambando, é uma injustiça da porra! Estava em terapia do samba no pé, do balacobaco, ainda mais baixinho que não me encanta em nada. Mas toda mulher baixinha é terrível, parecem aqueles pintcher, sabe aquele cachorro que parece um rato de pernas longas? Pois é, todas minúsculas mas com alma de doberman. São atrevidas mesmo as baixinhas.
Bem, foi isso.
Vexatório mesmo.
Mas o que eu podia fazer? Chorar? Correr da nega maluca? Agarrar o namorado dela e tascar um beijão de língua, daqueles que lambem as amídalas, e berrar: agora pode bater, minha filha, agora bate porque tem razão!!!
Não, né?
O que que eu podia fazer?

15 comentários:

Anônimo disse...

Eu já te disse que você parece a moça do leite moça, né? Aquela que leva a lata na cabeça, sabe?
;)

Bjo!!

Zé Edu

Vivien disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...no dia fdp que estou tendo, só vc mesma pra me fazer rir. E rir muito.
Eu adoraria ter visto. Mata, esfola!!!
Briga de mulher dá ibope...rsrsrrsrs

moacircaetano disse...

Baixinho bêbado? Namorada? Latinha de cerveja?
Tem certeza de que não era o Bixinho da Kaiser e a Karina Bacchi???

Menina-Prodígio disse...

Tati, você é ixtrongui. Eu não sou strong de jeito nenhum, ia chorar e ficar xingando baixinho.

Ronaldo Faria disse...

Latinha de bêbado não tem dono... Cuidado da próxima vez. Beijos.
Ronaldo Faria
Cuide-se!

Mamy disse...

Caraca, Tathiana, eu sou uma baixinha típica! Só não jogo latinhas na cara das mulé por aí, porque não sou ciumenta. Muito engraçado!!! Já me livrei de apanhar por pouco várias vezes!!! Hahahahahaha

Fabricio Mota disse...

Muito bom :)
Você tem um jeito cínico de descrever as coisas que me deixou admirado.

Tatiana disse...

Hahahahahah
Zé Edu, eu demorei para entender. A pancada afetou a cabeça!
hahhaha

Tatiana disse...

Toda vez que eu rio ou faço careta, meu nariz dói.
Ou seja, vivo com dor.
Bruno me disse: a vantagem é que nariz cola sozinho.
To acreditando nisso.

Vivien disse...

Sou baixinha e sou ciumenta, só jogo skol na cara das outras. Mas as vezes tenho vontade...hahah

Anônimo disse...

Bom dia minha amiga querida!!! adorei! o dia amanheceu hoje super precisando ou de risada ou de bater com acabeça de alguma criatura desavisada no poste, vc como sempre com sua alma generosa resolveu meu problema com a risada...rsrsr
Um beijo,Dine

Tatiana disse...

Dine, meu nariz dói até hoje!!!

sonekka disse...

é engraçado, eu leio esses barracos e rio e emociono ao mesmo tempo. Acho tudo lindo, vai ver é o jeito que voce escreve. é uma satisfação de ler, muito loco.
becapeia tudo, um dia isso vira livro

Ana paula disse...

ahahahahahahahahaahahahah...
mas pelo menos valia a pena dar um beijo de língua no micro-bebum?
eu já fiz dessas tb num passado nào muito remoto...rs...
:)

ariadne disse...

Não me ocorre nada melhor a fazer do que postenacabeça e cabeçanoposte. Quero morrer tua amiga :-P

bjos