segunda-feira, 18 de setembro de 2006

Existe uma diferença na relação entre eu meus amigos e minhas amigas.
As mulheres de minha vida são quase um espelho. A dor delas dói em mim e eu entendo a sua natureza. Choro, descabelo com elas, xingo aquele lazarento corno estúpido filho de uma égua que a faz sofrer. Rio das maldades femininas, tão criativas, tão cheias de fel e delícia, de generosidade e cuidados. Antagônicas, montanha russa em forma de gente, interessantíssimas. Tenho orgulho da forças que vejo nelas, da coragem, da entrega, da constante preocupação de se entender melhor e mais fundo. Amo profundamente essas mulheres. Com as mulheres, minha relação é intensa e cheia de segredos revelados. Minhas irmãs de alma, minhas companheiras que entendem realmente o que é sair de manhã para trabalhar com cólica, TPM, uma casa bagunçada, uma virilha que um propaganda do Assolan, sem tempo e com encontro marcado...Mulher entende mulher e não me imagino sem minhas amigas.Com elas eu posso ser histericamente feminina, posso ser briguenta, posso ser boba, feia, sem sedução alguma, posso ser uma pessoa comum. Minhas amigas gostam de mim assim mesmo.

Mas meus amigos homens me oferecem outras coisas que são uma luz pra minha natureza feminina.
Meus amigos me dão um olhar objetivo, sem grandes choramingos, sem tanta lamúria. Minhas amigas seriam um seriado mexicano. Meus amigos um documentário suíço.
Meus amigos são companheiros dos fatos, das coisas que eu faço no mundo externo. Eles são braços fortes que caminham comigo e para comemorar saímos para tomar cerveja, falar dos projetos, vibrar pelas batalhas ganhas e pensar nos próximos passos. Eles são meus parceiros na guerra cotidiana. Nem querem me ouvir dizer o que meu peito sofre, lá no fundo. Perguntam: como está? Respondo: mal. Olham para mim e dizem: vai passar. Não falam mais nada, nem querem saber mais detalher picantes, não xingam comigo, só observam. Mas existe afeto neste diálogo suscinto, naquele olhar a certeza que eu vou aonde quiser ir.
É assim que me ajudam. Na objetividade do olhar masculino.
Meus amigos chegam ao absurdo de me chamar de "cara" e comentar coisas que se comenta entre homens e muitas vezes eu tenho que lembrá-los: ô, rapaz, eu sou mocinha, olha o que você está falando, seu escroto!!
E rimos, rimos e rimos. Levo cada tapão nas costas que se eu não tivesse o tamanho que tenho, voaria longe. Muitas vezes somos um grupo onde a única mulher sou eu e não sou tratada diferente em nada. Engraçado e divertido isso porque eu sei que somos muito diferentes. Noto a diferença o tempo todo. Uma vez uma amigo chegou ao ponto de me chamar para ir, com a homarada, a um puteiro. Veja que ponto chegamos...O que que eu vou fazer em puteiro, menino? Tentar uns trocos??? Hunf...
Meus amigos homens também são surpreendentes. Há pouco, um grade amigo chorou abraçado comigo pela certeza que somos amigos. Ele chorava e eu era o ombro. Um momento tão lindo. Nenhum erotismo, nenhuma consciência de gênero, somente dos amigos abraçados, cheios de emoção e com a certeza de que o amor da amizade é mais forte do que o amor romântico.
Não sei oque seria de mim sem estes homens e mulheres.
Só posso agradecer cada dia por cada um deles.
Eu sou uma pessoa de muita sorte por tê-los perto. Eu sei disso.

6 comentários:

Ronaldo Faria disse...

Garanto que a recíproca é mais do que verdadeira. Quem sabe um dia não viro também seu amigo...
Cuide-se. Beijos
Ronaldo Faria

Menina-Prodígio disse...

Pô, esse texto tá tão bom, tão bom, que tá prontinho pra ser mandado por e-mail e virar spam!

Dine disse...

saudade,saudade, saudade e obrigada,obrigada, obrigada... amo vc

Fernanda Dias disse...

Minha querida...
Que sorte a nossa de ter vc sempre por perto.
Uma das figuras mais generosas que conheço....
Que orgulho de fazer parte da sua vida...
Conte, sempre! Com o ombro, o colo, os abraços, a companhia, as risadas...conte sempre...
Todo amor!

Tatiana disse...

eu vou chorar! EU VOU CHORAR!!!!

Gika disse...

Tati, esse texto tá simplesmente ótemo. E quem tem uma amiga como vc pode se considerar mais que privilegiado. É uma benção!
bjos