segunda-feira, 9 de janeiro de 2006

12° Concurso Blogueiros Malditos

O Crime perfeito

Andei calmamente até a cozinha. O chão frio abafava meus passos e eu deslizava decidida e silenciosa como uma gato.Sim! Eu era um gato olhando a presa distraída. Já sentia meu rabo balançando, mexendo languidamente a calmaria do ar, minhas orelhas atentas a qualquer ruído da casa. Em caso de surpresa, um súbito salto e eu estaria longe.
Sim! Eu era um grande gato preto de olhos verdes hipnóticos. Senti vontade de ronronar, mas achei que seria ridículo demais.
Abri a gaveta e peguei a faca afiada, aquela mesma que minha mãe sempre dizia ser assassina, o fio sedento de sangue. Meu coração batia rápido e, tenho que confessar, minha mão suava de e ansiedade. A luz que entrava pelo basculante parecia trazer milhares de fantasmas, tudo me soava assustador, tudo parecia demostrar que daqui a pouco eu seria descoberta.
Abri a porta e o procurei. Ainda estava no mesmo lugar de sempre, parado e desprotegido. Parecia que me olhava e pedia clemência. É claro que não podia pedir nada. Mas por um momento relutei em seguir em frente, mas foi só um minutinho, um segundinho de nada. Um raio de pensamento berrou em meu ouvido deixe frescura, faça logo.
E fiz.
Olhei para os lados, agucei os ouvidos, a faca escorregava, minha barriga fazia sons esdrúxulos, uma vontade louca de rir alto. Forcei meu corpo a se controlar e com um gesto rápido cortei o plástico fino e o doce de leite escorria dengoso pela minha mão. Quase desmaiei de tanto prazer e júbilo! Dieta nunca mais! O negócio agora era reduzir estômago. Eu estava magra, linda, um tanto flácida, mas isso não importava. O que importava é que eu podia comer tudo que eu quisesse, ou melhor, tudo que fosse meio líquido. Comi tudo, joguei seus restos na privada pedindo aos céus que não a entupissem. Plástico não dissolve mas onde eu poderia jogar e não deixar vestígios.??
Lavei a faca cuidadosamente e repassei minha frase para a manhã seguinte:
- 'Magia, amor, se eu iria estragar meu corpinho comendo todo o doce de leite que tua mãe trouxe da fazenda! Jamais. Foi a empregada! Maldita! Perdeu o emprego e quis se vingar, aquela gorda esganada! E ela sabia que você era doido pelo doce, né, meu bem? Cachorra. É o que eu sempre digo. Pobre é uma merda!
Sorrindo fui ao banheiro e vomitei .
Tomara que não entupa esta bosta!
Escovei os dentes e deitei ao lado de meu amado. Pareceia tranquilo e alheio e eu adormeci feliz , lambendo os dedos, como um gato depois de tomar seu leitinho.

9 comentários:

Moacir Caetano disse...

hehehe...
bem divertido... e de certa forma, triste...
beijos!

ariadne disse...

Que loucura mulher!!! Eu tive 2 ou 3 ideias do desfecho diferentes até vc me surpreender no final...
bj

:-)

Ronaldo Faria disse...

Seu livro vai hoje pelo Bruno.
Mas vale a pena abrir mão de prazeres por medo de umas gramas a mais? Não faça dos prazeres uma exceção. Aliás, com as funções da antiga secretária do lar em suas mãos, as calorias de um doce de leite serão queimadas em uma varrida e uma faxina de banheiro. Cuide-se! Daqui, estou tentando...
Ronaldo.
Ps.: Plástico entope privada... Mas pense nas calorias que perderá desentupindo... Tem suas vantagens. :)

Ninita disse...

Já vi que vou ter muita diversão para a semana, já estou viciada neste teu Blog. Beijos!...
Ninita

Tatiana disse...

Ronaldo..este é um texto fictício.
Não estou flácida nem reduzi o estômago.
E realmente, desentupir privada emagrece. Perdi vários quilos brigando com a minha quando resolveu me enlouquecer. Mas isso já faz muito tempo.

Tatiana disse...

Ninita
Seja sempre muito bem vinda. Saudades de você.

Ronaldo Faria disse...

Ainda bem que você não está flácida. Na foto abaixo não parecia. Mas melequento é foda!
Estou à espera do seu CD para a minha discoteca. Será ouvido e, com certeza, me fará criar nas madrugadas.
Como previ, estou quase 100%. Afinal, hoje, retomo para a lide...
Ronaldo

Márcia Nestardo disse...

Huhu, Tatiana!!!!
Larguei dessa vida de crimes, cremes, pudins e tortas faz alguns meses. Mas se algum filho da puta levar uma barra de chocolate na minha casa, acho que num transe sonambulítico, ou sonambulímico, mato os dois. Primeiro o Deus marrom, depois o diabo que me tentou.
Amei tua surpresa.

Ah, aproveitando a fila de pedintes, eu também quero teu CD!

quina vida disse...

que neurose! há.

tenho uma leve impressão que este post a encorajou ao escrever o de lá de cima. essa coisa de gatos, desejo animal de transformação e personalidade. sei lá qta bosta escrevi no seu blog hj!